No Senado, CCJ faz audiência esvaziada depois de denúncia contra Temer

reforma_trabalhista_ccj110730_0.jpg

Foto: Agência Senado

Do Vermelho

 
A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado realizou nesta terça-feira (27) sessão de audiência pública para tratar da reforma trabalhista. A audiência acontece um dia ante da antes da votação do projeto na Comissão, que está marcada para esta quarta-feira (28).
 
Ainda sob efeito da denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Michel Temer, a sessão começou esvaziada, com poucos parlamentares em plenário, que foram comparecendo no decorrer da sessão.

Entre os convidados estavam o relator do projeto na Câmara, Rogério Marinho (PSDB-RN), o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas – que falou em nome das centrais sindicais -, e representantes da Justiça do Trabalho, como a ministra do Tribunal Superior do Trabalho, Delaíde Arantes.
“A reforma trabalhista, em discussão neste Senado, representa brutal retrocesso à ordem do Estado liberal do século IX. Aliás, foram necessárias duas grandes guerras mundiais para a Humanidade se dar conta de que é necessária a construção do Estado social”, lembrou a ministra Delaíde. Segundo ela, a reforma proposta pelo governo Temer, “altera radicalmente as relações de trabalho, atingindo radicalmente o direito do trabalho e seus fundamentos”.

Vagner Freitas, da CUT, enfatizou que o debate sobre o projeto não respeitou o princípio propagada pelo governo e por aqueles que defendem o projeto que é a negociação.

“Sem nenhuma negociação com os trabalhadores, partindo do princípio da bancada patronal, sem ouvir a representação dos trabalhadores, nossos argumentos e necessidades, foram ignorado. O exercício que se propõe da livre negociação por meio do tal “negociado sobre o legislado’ é absolutamente falacioso nesse atual momento, pois não houve nenhuma negociação com os trabalhadores”, destacou.

Diversos senadores voltaram a se posicionar sobre o projeto, denunciado o desmonte dos direitos dos trabalhadores e o impacto para a economia brasileira.

“É um projeto ruim, não só para o trabalhador e a Justiça do Trabalho, mas para o país”, salientou a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), apontando ainda o enfraquecimento do governo Temer.

Durante a audiência, o deputado tucano Rogério Marinho, que relator do projeto na Câmara, ainda como PL 6.787, disse que o Senado é a “casa revisora” dos projetos de Lei que vêm da Câmara. A declaração reforçou o argumento da oposição de que é necessário que o texto seja alterado pela Casa. Acordo com a base aliada do governo, maioria na Casa, manobrou para que o texto não sofresse qualquer alteração por parte dos senadores, o que acelera a tramitação do projeto, já que se fosse alterado o texto teria de voltar à Câmara.

O senador Paulo Paim (PT-RS) citou que até mesmo o deputado tucano concordava com a avaliação de que o Senado teria de alterar o texto. 

 
A partir das 15 horas, está prevista a segunda audiência pública do dia para debater o tema.

Na quarta-feira (28), a sessão que votará o relatório da reforma, iniciando com a leitura dos votos em separado, o que deve terminar até 16 horas. Em seguida, haverá discussão sobre o tema. Terminado o debate, a CCJ deve votar o relatório. Se aprova, o projeto será encaminhando para apreciação do Senado.

Votação

A base do governo canta vitória antes da votação. Assim como aconteceu antes da votação na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), o governo afirma que o texto será aprovado por 16 votos a 10.

Mas na CAS, na semana passada, eles também disseram que sairiam vitoriosos e o texto foi rejeitado. De acordo com relator da reforma trabalhista no Senado, Ricardo Ferraço (PSDB-ES), o texto deve ser aprovado no plenário com uma “votação muito sólida” e vai ao plenário até o dia 4 ou 5 de julho. Nesta segunda, pouco antes da apresentação da denúncia por parte da PGR, Ferraço disse, no entanto, que a situação do governo está se deteriorando e pode atrapalhar a tramitação.

“A situação do presidente se deteriora com muita velocidade”, afirmou o senador. “Mas vamos trabalhar para (a situação) não atrapalhar (a reforma trabalhista)”, destacou.  

 
Com informações de agência
 
Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Em relação ao descrito

    Em relação ao descrito PODEMOS CONCLUIR que o deputado tucano ROGÉRIO MARINHO (PSDB-RN) e o também tucano senador RICARDO FERRAÇO (PSDB-ES) ou FAZEM PARTE da QUADRILHA do TEMER ou estão ANSIOSOS para INTEGRA-LA.

    Alô ELEITORES TRABALHADORES do RN e do ES olha os SEUS INIMIGOS AI.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome