De jornalistas e cineastas

Por Paulo Kautscher-São Gonçalo-RJ

” […] A repercussão do caso provocou desconforto nas relações entre o Brasil e a Suíça. Mas nesta segunda, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou que o governo brasileiro não tem razões para pedir desculpas ao governo suíço, uma vez que apenas pediu uma “investigação correta” do caso, e que tem mantido contato direto com a chancelaria suíça.

Em uma crítica velada, o chanceler avaliou que houve criatividade na cobertura do episódio pela imprensa. Sua observação referiu-se especialmente às versões publicadas ontem de que o Itamaraty poderia ajudar Paula Oliveira a deixar a Suíça antes de as investigações serem concluídas e da possível instauração de um processo penal.

Colaboradores de Amorim arremataram que essa hipótese não existe. O Itamaraty recomenda que a advogada cumpra com o procedimento judicial da Suíça, antes de deixar o país, e vem acompanhando a montagem de sua defesa. “Eu compreendo que a mídia tenha de ser criativa porque faz parte. Meus filhos trabalham em cinema e são criativos”, alfinetou.[…]

PS – Paulo, depois mande o link da fonte.,

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora