Especialistas acham que saída de Joesley será anular toda a delação, diz Mônica Bergamo

Foto: Agência O Globo

Jornal GGN – É destaque na coluna de Mônica Bergamo, nesta quarta (13), que uma das saídas para Joesley Batista diante da possibilidade de seu acordo de delação ser rescindido, viabilizando sua condenação e prisão, é partir para o “tudo ou nada” e tentar anular todos os efeitos da negociação. Isso seria uma medida mais drástica, uma vez que afetaria as provas apresentadas até agora, a maioria delas contra o governo Temer.

Segundo Bergamo, a defesa dos delatores da J&F tem pouca esperança de manter a delação deles integralmente em pé. “Se a repactuação dos benefícios com a PGR (Procuradoria-Geral da República) não evoluir a contento, a saída para Joesley Batista e Ricardo Saud, entendem advogados criminalistas, seria partir para o tudo ou nada e tentar anular todo o processo.”

A colunista escreveu que, na visão dos delatores, seria o “inferno” que o caminho escolhido seja o da rescisão, ou seja, que os benefícios sejam revogados, mas as provas que produziram, até contra eles mesmos, continuem a valer. “Com a anulação, todas elas seriam, em tese, invalidadas.”

“Um dos fatores que poderia levar à anulação seria a contaminação de todo o acordo pela confirmação de que o procurador Marcello Miller atuou ativamente na negociação, orientando inclusive gravações e coletas de provas. Até agora, Joesley e Saud seguem negando que isso ocorreu, dizendo que ele deu apenas orientações gerais sobre tratativas de colaboração”, acrescentou Bergamo.

Ex-procurador investigado por ter trabalhado como agente duplo no acordo de delação da JBS, Miller pediu que Janot seja interrogado pelo Supremo Tribunal Federal, afirmando que se houve ilicitude, o PGR estava na ponta, pois foi quem bateu o martelo sobre a delação.

Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora