Lewandowski nega pedido para forçar CCJ a marcar sabatina de André Mendonça

O pedido foi feito pelos senadores Jorge Kajuru (Podemos-GO) e Alessandro Vieira (Cidadania-SE)

Foto: Fabio Pozzebom/Agência Brasil

do Congresso em Foco

por Guilherme Mendes 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, negou o pedido dos senadores Jorge Kajuru (Podemos-GO) e Alessandro Vieira (Cidadania-SE) para forçar o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado a agendar a sabatina de André Mendonça para o cargo de ministro da Suprema Corte.

Em sua decisão, Lewandowski alegou que os senadores não indicam qual direito foi violado na decisão do presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Davi Alcolumbre (DEM-AP), ao não marcar a sabatina.

Além disso, indica o ministro, a decisão de pautar ou não o interrogatório é previsto no regimento interno e é discricionária de Alcolumbre – logo, não caberia esta interferência do Judiciário no Legislativo.

Veja a íntegra da decisão:

jornalggn.com.br-lewandowski-nega-pedido-para-forcar-ccj-a-marcar-sabatina-de-andre-mendonca-ms-38216

“A jurisprudência desta Suprema Corte, em observância ao princípio constitucional da separação dos poderes, é firme no sentido de que as decisões do Congresso Nacional levadas a efeito com fundamento em normas regimentais possuem natureza interna corporis, sendo, portanto, infensas à revisão judicial”, escreveu Lewandowski.

A indicação do nome de Mendonça foi feita por Bolsonaro em julho. Desde então, a espera pela sabatina já se arrasta por 91 dias – ou 77, se descontados os dias de recesso parlamentar em julho. Entre os ministros titulares da Corte, Rosa Weber foi a que demorou mais para ser sabatinada, com 35 dias.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome