Moro diz que Lula e Bolsonaro são populistas “extremos” que “devem ser evitados”

O ex-juiz não negou que tem interesses a um palanque presidencial em 2022, mas disse que agora "é um cenário absolutamente imprevisível"

Foto: Marcelo Cabral/ABr

Jornal GGN – O ex-ministro e ex-juiz Sérgio Moro comparou o ex-presidente Lula com Jair Bolsonaro: “ambos têm um caráter um tanto populista” e que “são dois extremos” que “devem ser evitados”. Além de criticar o mandatário e Lula, em entrevista à agência AFP, não negou que tem interesses a um palanque presidencial em 2022, mas disse somente que “é um cenário absolutamente imprevisível”.

Sem negar suas intenções a disputar a Presidência nas eleições em dois anos mais, o ex-juiz da Lava Jato de Curitiba chegou a mencionar o ex-ministro da Saúde, Henrique Mandetta, como um possível candidato que despontou durante o governo de Jair Bolsonaro.

“Durante a pandemia, Mandetta cresceu muito, porque adotou uma política que passava tranquilidade à população, principalmente por sua transparência”, disse, antes de emendar: “Mas acredito que nem ele nem eu estamos pensando seriamente em 2022.”

Falou sobre suas intenções, por enquanto, “no setor privado”. “Tenho já bons contatos na área acadêmica, eu já era professor concomitantemente a ser juiz e ministro. Então, a minha tarefa no momento é essa reinserção em 2020 e não pensar em 2022”, disse.

A entrevista, contudo, demonstrou que o ex-ministro da Justiça está preparando o terreno de sua imagem pública para possivelmente se lançar em uma candidatura presidencial. Para isso, fez duras críticas tanto ao seu então presidente e aliado, Jair Bolsonaro, com o qual deixou o governo em uma ruptura, quanto à Lula, que foi condenado judicialmente por ele próprio, quando era juiz.

Leia também:  Do golpe à lona: o melancólico fim da Lava Jato, por Tiago Muniz Cavalcanti 

Fez críticas sobre as gestões com o desmatamento da Amazônia, os chamou de “populistas” de “extrema” a serem evitados, defendeu os militares, afirmando que “não existe nenhuma perspectiva de um ato de um movimento autoritário, golpe”, e dizendo que os militares no governo “não é necessariamente negativa”, e defendeu sua atuação enquanto ministro de Bolsonaro, responsabilizando o mandatário por suas falhas.

“Quando eu estava no ministério, conseguimos avançar principalmente no combate à criminalidade violenta e ao crime organizado, mas em relação à corrupção, não tanto. Um dos problemas, na minha opinião – e com todo o respeito – foi uma falta de apoio maior da parte do Palácio do Planalto.”

Ao ser questionado se ele se sentia parcialmente responsável pela crise política ocorrida no governo Bolsonaro, disse que sua “intenção não foi prejudicar o governo”. “Após o início da pandemia, começou a haver uma certa crise de credibilidade do governo, na minha opinião, e uma tensão crescente com os outros poderes: o Supremo Tribunal Federal e o Congresso. Minha saída entra nesse contexto, mas é apenas uma parte, não me sinto responsável”, afirmou, também.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

21 comentários

  1. Coitado e Sujo Moro… O queixo de vidro o levará para lona assim que alguem subir no ringue e disser que ele era um juiz parcial e seletivo que praticava populismo penal inconstitucional. Esse sujeitinho acredita mesmo que será eleito presidente da república?

    11
    • E marreco tem queixo, Fábio? A única virtude do marreco é que voa, anda e nada, muito embora faça mal, bem mal, todas essas funções…

  2. Alguém devia avisar ao Marreco de Maringá que Tigres Que Miam são indistintos de gatos domésticos gordos e mimados. Dá um notável horror perceber que ainda existe algum tipo de idiota minimamente interessado em saber o qued pensa esse animal peçonhento… Tacla-Durán nele, com Zucollotto e tudo! Afrinal o Marreco e o Boçal não seiam a mesma feitos da mesma essência, segundo a Própria Cônge afimou há algum tempo? Seria o Marreco também um “Perigoso Extremista”? Perai… O cara não é ministro, não é juiz, não é ninguém… Ah! Ele acha isso e aquilo, e ainda aquiloutro… e eis que pergunto eu: “E DAÍ, POOORRA????!!!”

  3. E o espião e serviçal externo da CIA/FBI/DOJ entra em qual categoria? Desqualificado enquanto juiz, engodo de ministro, apoiado pela mídia golpista. Não engana por muito tempo e por onde passou foi uma decepção.

    14
  4. Esse sujeito repete o discurso da grande mídia. Deve sua ascenção a Lula, é evidente, e continua se valendo da popularidade do petista para se manter na mídia.
    Se pedirem para que defina o que é ser populista não conseguirá, e se conseguir sua definição só se encaixará no governo que ajudou eleger, esteve empregado e teve participação medíocre.
    Mas uma coisa ele tem razão: Lula é o extremo oposto de Bolsonaro.

  5. Lula nunca foi um extremista, nem contra os militares em idos de 1970/inicio de 1980, nem com a carta aos brasileiros que o elegeu em 2002, nem em seu governo onde sempre buscou a conciliação sem ruptura. Tanto que aceitou ser preso INJUSTAMENTE num processo FAJUTO montado por FARSANTES, enquanto os Bolsonaros tentam a todo custo abafar investigações e a própria farsa a jato esconde os crimes que cometeu, como a parceria ilegal com o FBI, a montagem de provas e tudo mais que a vaza jato desnudou.

    Agora o próprio ex-juiz ex-ministro ex-“não vou entrar na política” é um radical, pois agia ao arrepio da Lei contra o ex-Presidente, fez aliança com radicais (EUA, Bolsonaro), passou pano para criminosos aliados (“para não melindrar”, “ele pediu desculpas”) e agora posa de bonzinho apenas para a Globo, sua parceira na destruição do país.

  6. num pais que defende arduamente o interesse nacional o marreco de msringá ja teria sido fuzilado por traição a patria: será q foi de graça

  7. O cara está dando bandeira de que repete o discurso encomendado pelos patrões.

    Só para acrescentar: preste na atenção ao que diz Moro e pense, a quem serve a Frente Ampla?

  8. O presidente populista bolso, o ex juizeco populista do judiciário são duas realidades intimamente ligadas, não precisam de demonstração. Agora bozo e o Grande Presidente Lula uma associação da cabecinha alucinada do marreco e globo.

  9. O que me impressiona e assusta é ainda existir quem ofereça um meio para esse pústula venal, corrupto, e mentiroso expor suas opiniões idiotas.

  10. Se A é igual a B e se B é igual a C, então A é igual a C.

    Se Bolsonaro é populista extremo e, por isso, deve ser evitado, então o $érgio Moro também dever ser evitado, pois ele e o Bolsonaro são uma coisa só.

    “Sou pró-governo federal. Eu não vejo o Bolsonaro, o Sérgio Moro. Eu vejo o Sérgio Moro no governo do presidente Jair Bolsonaro, eu vejo uma coisa só”. – Rosângela Moro

  11. Esse coitado ignorante não sabe distinguir populista de popular. Populista é ele. Lula é popular, e isso mata o marreco de inveja.

  12. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome