Inadimplência do consumidor sobe 3,6% em março mas é sazonal

 

O índice que apura os níveis de inadimplência do consumidor subiu 3,6% no mês de março em relação ao período imediatamente anterior, segundo dados divulgados pela consultoria Serasa Experian. Esse foi o primeiro crescimento mensal apresentado pelo indicador em 2013.

Com isso, o resultado acumulado ao longo do primeiro trimestre apresentou alta de 10,5% sobre o contabilizado no ano anterior, a menor para o período desde 2011, ao passo que a comparação anual perdeu fôlego e cresceu 8,7%. A relação anual em fevereiro havia avançado 10,1%.

Todas as modalidades da inadimplência do consumidor avançaram no período de análise, sendo que o maior resultado ficou com os cheques sem fundos tiveram o maior crescimento (26,4%), com contribuição de 2,1 pontos percentuais. As dívidas não bancárias (junto aos cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como telefonia e fornecimento de energia elétrica, água etc.) cresceram 2,5% e contribuíram com 1,2 ponto. As dívidas com os bancos e os títulos protestados tiveram alta de 0,2% e 17,8% e contribuição de 0,1 ponto e 0,2 ponto, respectivamente.

O valor médio da inadimplência não bancária caiu 14,6% no primeiro trimestre na comparação com o mesmo período do ano anterior, passando de R$ 404,57 para R$ 345,37. Já os títulos protestados, as dívidas com os bancos e os cheques sem fundos tiveram alta de 1,9% (de R$ 1.331,74 para R$ 1.356,60), 3,3% (de R$ 1.286,85 para R$ 1.329,17) e 10,1% (de R$ 1.428,37 para R$ 1.573,29), respectivamente

De acordo com os economistas da consultoria, a evolução da inadimplência do consumidor nas dívidas não bancárias e cheques devolvidos por falta de fundos contribuíram para a alta do indicador. A sazonalidade também influenciou no crescimento do índice em março por um ser um período crítico para as finanças domésticas, como o pagamento do IPVA e as despesas escolares, além de considerar o impacto da inflação, que reduz o poder aquisitivo da renda do trabalhador.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome