“Timing político” para aprovar reforma impopular seria pós eleições

Ao contrário da negativa de Bolsonaro e Guedes, governo está analisando um novo imposto, que teria sido incluído em proposta enviada no final de semana

Foto: Carolina Antunes/PR

Jornal GGN – A grande resistência de parlamentares, inclusive apoiadores da agenda de Paulo Guedes, em aprovar a proposta de reforma tributária enviada no final de semana teria sido enfrentada com os pleitos municipais.

De acordo com coluna de Andreia Sadi, do G1, o projeto do governo de Jair Bolsonaro incluía um novo imposto, ao contrário da negativa dada em discurso público junto a ministros e líderes do governo, nesta segunda (28).

A opção não era de todo mal vista por alguns parlamentares. Entretanto, pautas não populares são a última opção a meses das eleições municipais e das articulações de deputados e senadores de partidos junto a seus redutos eleitorais.

“Nas palavras de um assessor presidencial, a eleição municipal foi o principal fator elencado por deputados e senadores para adiar o apoio à reforma. Avaliam ser difícil explicar a criação de um novo imposto em ano eleitoral, embora a narrativa do governo seja a de que não haverá aumento de carga tributária”, escreveu Sadi.

Dessa forma, o “timing político” para aprovar o projeto de reforma tributária mencionado pelo próprio ministro da Economia não é agora, mas após as eleições.

Outra medida negociada, na contramão do que foi prometido por Bolsonaro, é a ideia da nova CPMF, para que o aumento da arrecadação em impostos possa evitar o furo do Teto dos Gastos de 2021, com a desoneração da folha de pagamento, não incluída na proposta de lei orçamentária do governo.

Leia mais:

Bolsonaro indica, agora, que está sem saída e que deve cortar recursos de pobres

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora