STF autoriza obras da última etapa da transposição do São Francisco

transposicao_do_rio_sao_francisco_em_cabrobo_-_canal_integracao.png
 
Imagem: Ministério da Integração Nacional
 
Jornal GGN – Em decisão da ministra Carmén Lúcia, o Supremo Tribunal Federal autorizou o Ministério da Integração Nacional a continuar as obras do último trecho da transposição do Rio São Francisco, com 146 quilômetros de extensão. 
 
O ministério fez o pedido para através da Advocacia-Geral da União, e a ministra suspendeu uma liminar do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), que parou a licitação das obras devido ao pedido de uma das empresas concorrentes. 
 
Para o jornal O Estado de S. Paulo, o ministro Helder Barbalho afirmou que espera que as obras sejam retomadas na primeira semana de julho.  “Pelo cronograma, essa obra deve ser concluída em até 12 meses, mas vamos trabalhar para que ela possa ser concluída até o fim deste ano”, afirmou. 

Estão planejadas a construção de uma estação de bombeamento de água e reservatório, dento de um contrato de R$ 516 milhões assinado com a concessionário Emsa-Siton. No auge das obras, dois mil operários deverão trabalhar neste trecho. 
 
A previsão inicial é que a última etapa da transposição fosse entregue em setembro deste ano. Entretanto, a obra foi paralisado devido a disputas judiciais.
 
O consórcio formado pelas empresas Passarelli, Construcap e PB Engenharia ficou e primeiro lugar na disputa, mas foi desclassificado por critérios técnicos. A proposta do grupo foi de R$ 441,8 milhões, representando um deságio de 23% em relação ao valor colocado pelo governo federal, que era de R$ 574 milhões. 
 
Outro consórcio, composto por Marquise, Ivaí Engenharia, EIT, ficou em segundo lugar na licitação mas também foi desclassificado pelas mesmas razões do primeiro colocado. 
 
O último trecho levará as águas até o Ceará, entre as cidades de Cabrobró (PE) e Jati (CE), No início, as obras foram vencidas pela Mendes Junior, mas ela abandonou o projeto depois de seu envolvimento na Lava Jato. 
 
Ainda de acordo com o ministro Helder Barbalho, o governo descartou a ideia de criar uma estatal para administrar as operações da transposição, mas ainda cogita criar uma parceria público-privada (PPP). 
 
“O BNDES está na fase de contratação de estudo. Hoje vamos usar a Codevasf, que já tem uma estrutura pronta, capaz e já atua no projeto”, afirmou. 
 
O eixo leste da transposição, com 200 quilômetros, foi inaugurado em março deste ano. O projeto, que teve início no segundo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tem índice de execução física de mais de 90%, sendo que 12 milhões de pessoas deverão ser beneficiadas, em quatro estados: Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte.
 
Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

6 comentários

  1. De onde surgiu esse nome

    De onde surgiu esse nome absurdo, Tansposição do Rio São Francisco? Absurdo e ridiculo.

    Não faz sentido, o Rio São Francisco está no mesmo lugar, não foi transposto. Trata-se na verdade de um AQUEDUTO A CEU ABERTO com agua do Rio São Francisco.

    Aquedutos tem esse nome desde os tempos romanos, o Imperio Romano fez centenas de quilometros de cnaias e aquedutos.

    Na Europa o que não falta são esses canais derivados de Rios, como o da Alsacia e o Volga-Don.

    O Canal fluvial  geralmente é navegavel como na França mas tambem serve para irrigação e abastecimento de agua.

    Esse Aqueduto do São Francisco parece que é só para irrigação e bastecimento.

    Se o Brasil tivesse grandes projetos nacionais sri mais logico trazer agua da Bacia Amazonica, onde sobra, do que do Rio São Francisco que é já anemico e maltratado, não tem agua nem para si.

    • Tem todo sentido a sua restrição ao nome…

      André Araújo,

      Tem todo sentido a sua restrição ao nome atual desse empreendimento que, de fato deveria chamar-se aqueduto…

      Porém, ao dizer “Se o Brasil tivesse grandes projetos nacionais seria mais logico trazer agua da Bacia Amazonica…”, com o que concordo, tem que se dar o desconto, ou melhor, ver que é mérito gigantesco da visão empreendedora de Lula, alguém reputado como o sem noção primaz do Brasil pelos seus doutores que não estão nem aí para os 12 milhões de pessoas beneficiadas por esse canal.

  2. Que coisa, o Brasil virou

    Que coisa, o Brasil virou mesmo Pais de Bananeiros !!

    O STF que autoriza obras.

    Obras são de responsabilidade do executivo e não do judiciário !!

    Esse é o novo Brasil aonde engenheiros, executivos e empreendedores precisam solicitar a Juizes e Procurados a permissão para fazerem obras.

    Vão vendo aonde vamos parar !!

     

    • Pois é, que país anacrônico é este!

      Pois é, DudaS!

      Estão conseguindo tornar o Brasil em país casa da mãe-joana.

      Quando vi o título pensei que tivessem cometido um equívoco mas, com de fato, somos mesmo um povim surrealista, pelo que consigo imaginar Putim dizendo o seguinte pra si mesmo ao receber MT ontem em Moscou: nossa, que país é o Brasil?! Outro dia era uma mulher entre as suas mais honestas e hoje é esse seu maior chefe de quadrilha?! Caraca, meu!

      Se o STF se julgasse apenas um tribunal de demandas constitucionalistas, ele teria indeferido o processo na lata por vício de…

  3. COMO O BISPO DE BARRA NA

    COMO O BISPO DE BARRA NA BAHIA, VAI ANCORAR SUAS GREVES DE FOME?

    Vejo com enorme preocupação, a que diabos o bispo de Barra (BA) dom Luiz Cappio vai se agarrar doravante. No caso de pretender continuar trombeteando sua “santa ira” contra esta formidável obra do povo nordestino. OBRA CENTENÁRIA, EM PENSAMENTO EMBALADA. Diga-se a bem da verdade, realizada pelo seu mais lídimo representante. Justamente o homem que dali foi enxotado nos anos 40-50, ainda criança, por uma das “marés” de seca que periodicamente ali comparece.

    Claro que falsos profetas, vendilhões da fé e dos indômitos empreendedores da rendosa indústria da seca. Daqueles que sempre torceram seus ricos narizes amaldiçoando essa, para eles, obra do cão. Evidente que a grandiosa obra é assim considerada, mais, pelos enormes desafios para a engenharia hidráulica, assim como, pela soma de recursos necessários para  sua execução. Obras dessa natureza, via de regra, são vistas como gastos descomedidos.

    Todavia, nada disso chega perto do extraordinário, quando confrontado aos benefícios levados aos seres humanos e demais seres viventes daquelas secas regiões. Apenas consigo identificar dois tipos, a quem se pode conceder discordar desse projeto sem magoar o que há de mais profundamente humano nos seres tidos como tal. São eles: os insensíveis, e, os ignorantes.

    Nunca compreendi os que vituperavam contra a retirada das águas do Velho Chico. Retiravam pra jogar fora? Como? Se as mesmas continuariam correndo para o mar? Como aliás, sempre o fizeram e, naturalmente continuarão a fazer. O projeto que chamam de “transposição,” apenas, desloca ínfima parte do manancial de seu curso natural, fazendo as águas do Rio S. Francisco passearem, matando a sede de plantas, bichos e gente, ao longo dos novos caminhos criados. Apenas, repito, alongando seu percurso, antes de, inexoravelmente desaguarem no Oceano Atlântico, seu destino final.

    Orlando

     

  4. Se alguem me dissesse que o

    Se alguem me dissesse que o Supremo dos EUA teve que ser acionado pra “autorizar” obra arquitetonica de infraestrutura eu morreria de rir.

    O Brasil nao tem vergonha nao?  O cha de simancol ta caro assim pro supreminho de merda brasileiro?

    Isso eh assunto constitucional?

    Va lamber cu de porco, filhos da puta.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome