Caso Marielle: porteiro terá de dar novo depoimento

Investigadores pretendem apurar se funcionário do condomínio Vivendas da Barra deu falso testemunho ao citar nome de Bolsonaro

Jornal GGN – O porteiro do condomínio Vivendas da Barra deve ser novamente ouvido pelos investigadores da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

Segundo informações do jornal O Globo, o objetivo do novo depoimento é verificar se o funcionário cometeu falso testemunho ao declarar que alguém da casa de número 58 (que pertence ao presidente Jair Bolsonaro) autorizou o acesso ao condomínio do ex-policial militar Élcio de Queiroz, um dos suspeitos do crime. O sargento reformado da PM Ronnie Lessa, que também mora no condomínio, é outro suspeito.

O porteiro do condomínio declarou em dois depoimentos que foi atendido no interfone por alguém que se identificou por “seu Jair” – o que levou parte da investigação ao Supremo Tribunal Federal (STF). Mesmo assim, os investigadores entendem que não existe impedimento para ouvir o porteiro mais uma vez, já que ele não tem direito a foro especial.

O pedido foi feito após a repercussão negativa do resultado da perícia dos áudios da portaria, divulgado em 30 de outubro em entrevista coletiva das promotoras do caso e duas horas e 25 minutos após sua conclusão.

Outro agravante foi a declaração do presidente Jair Bolsonaro no último final de semana, que afirmou ter pego os áudios da portaria do condomínio “antes que eles fossem adulterados”. Contudo, o presidente negou em entrevista à TV Record neste domingo que tenha cometido obstrução de Justiça.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Lula enfrenta primeiro interrogatório, desde que está em liberdade

7 comentários

  1. Existe nesse momento no país, o momento ápice do maior agravante da História do Jornalismo brasileiro. A total cumplicidade da imprensa com o noticiário sobre a obstrução à justiça realizada por um Presidente da República em pleno exercício do cargo.

    O Silêncio de cumplicidade da grande mídia, frente a um pavoroso escândalo de envolvimento do Presidente da República, lembra a tentativa do assassinato do Carlos Lacerda, no governo de Getúlio Vargas.

    O caso é gravíssimo, e a mídia assina embaixo seu alinhamento com todo o sistema de golpe político, não sobrando a menor dúvida que está dentro desse golpe, e “in inforcement” para jogar panos frios a um suspeição horrossa de um assassinato de uma líder política, feminina, mulher brasileira.

    É uma grande vergonha para o país a atual situação das instituições jornalísticas.

  2. Se já sumiram imagens de câmeras de algo grande como as do sistema de trânsito do município do RJ; se um dos suspeitos já declarou ter pego provas, como os tais áudios (mas o condomínio parece que tem imagens internas em vídeo e também já que o porteiro disse que viu o acusado ir para outra casa – cadê os vídeos?); se a PF que ajudou na eleição de Bolsonaro, já foi convocada para entrar no caso; se o porteiro, já foi declarado – pela procuradora que fez campanha e vestiu camiseta do presidente – como mentiroso, pondo em risco seu emprego e sua vida; só podemos constatar em todo este contingente de coincidências e conveniências que de antemão, o suspeito é declarado insuspeito, limpo, honesto e foi acusado desmerecidamente. Pedimos desculpas e continuemos apostando que o país da LJ é livre de criminosos.

  3. Nassif: palavra de porteiro só tem validade para o TogaSuja e catrefa se é de condomínio do Guarujá. O de lá falou “Lula” e ganhou dinheiro, fama, candidatura pra vereador, casa e uma pensão vitalícia de 3 salários mínimos. Esse desenfeliz caiu na armadilha do governador e daqueles do JardimBotânico, tendo a desfaçatez de dizer “Jair”. Os VerdeSauvas estão reunidos na QuerênciaDeCruzAlta esperando instruções das AgulhasNegras. Sei não, mas dizem as Milícias do Queiroz sabem fazer um “micoro-ondas” como ninguém…

  4. O porteiro do condomínio Vivendas da Barra deve sair do Brasil e o país mais seguro hoje na América do Sul para ele seria o Chile (só que não).
    Mas pensando bem, lamentavelmente como o porteiro se envolveu como testemunha de informação na solução de um crime, em que envolve a milícia do Rio de Janeiro, achamos que ele não tem pra onde fugi.
    Contudo o Bolsoraro deve cuidar para que o porteiro não apareça morto, porque, se isso acontecer a família Bolsonaro vai se complicar mais ainda neste caso.

  5. A Nasa está a procura do porteiro :
    Pois o mesmo confirma/lembra – 19 meses após atender alguém na portaria de um condomínio, com mais de 50 casas,em horário de pico ( 17 horas), da voz que autorizou a entrada de um visitante. Vale lembrar que este visitante – Elcio Queiroz, só foi indiciado em março do ano seguinte. E que a esposa do outro meliciano – Lessa , em janeiro 2019, ou seja, antes de o marido estar preso, avisa outro meliante pelo celular/wats , apreendido pela policia, que os registros da portaria poderiam incriminá-los. Coitado deste porteiro, qto ameaçado não foi para entregar esta planilha de anotações para os meliantes. Por um milagre não o mataram ainda.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome