Gilmar Mendes aponta responsabilidade da mídia como ‘coautora’ de malfeitos da Lava Jato

"Esse fenômeno de violação institucional não teria ocorrido de forma sistêmica não fosse o apoio da mídia. Portanto, são coautores dos malfeitos", diz magistrado

Ministro Gilmar Mendes. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Jornal GGN – “Quando alguma autoridade se investe de um poder incontrastável ou soberano, ela de fato ameaça a democracia. Quando se diz que não se pode contrariar a Lava Jato, que não se pode contrariar o espírito da Lava Jato —e muitos de vocês na mídia dão um eco a isso—, nós estamos dizendo que há um poder soberano. Onde? Em Curitiba”. A declaração é do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, em entrevista ao um programa produzido em parceria pelos jornais UOL e Folha de S.Paulo.

“Que poder incontrastável é esse? Aprendemos, vendo esse submundo, o que eles faziam: delações submetidas a contingência, ironizavam as pessoas, perseguiram os familiares para obter o resultado em relação ao investigado. Tudo isso que nada tem a ver com o Estado de Direito”, prossegue o magistrado.

“Vamos imaginar que essa gente estivesse no Executivo. O que eles fariam? Certamente fechariam o Congresso, fechariam o Supremo. Esse fenômeno de violação institucional não teria ocorrido de forma sistêmica não fosse o apoio da mídia. Portanto, são coautores dos malfeitos”, completa Gilmar.

O ministro concedeu a entrevista às vésperas de liberar para julgamento o pedido de suspeição do ex-juiz Sergio Moro, proposta no Supremo pela defesa do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva.

O debate foi retirado da pauta de votação da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal em junho. O pedido de habeas corpus de Lula, que aguarda decisão da Corte há meses, não foi baseado nas mensagens entre o ex-juiz Sergio Moro e o procurador da República Deltan Dallagnol reveladas pelo site The Intercept Brasil, mas as conversas foram incluídas no pedido de suspeição.

Leia também:  Ao Vivo: Advogado de Lula fala sobre os próximos passos da defesa

O ex-juiz e atual ministro da Justiça protagoniza o que pode ser o maior escândalo político da história do país: a troca de mensagens entre ele e o procurador da República Deltan Dallagnol, com a finalidade de prender o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e impedir que seu partido ganhasse na última eleição presidencial.

Em um dos trechos divulgados pelo Intercept, o coordenador da Lava Jato no Ministério Público Federal, Dallagnol, mostra que tem dúvidas quanto a consistência das provas contra Lula. Moro, por sua vez, orienta o procurador, adianta decisões do seu julgamento e da dicas de testemunhas para serem incluídas no processo.

Sob a constituição do Brasil de 1988 os juízes devem ser árbitros neutros. Na prática, isso quer dizer que os juízes não podem trocam informações com os promotores. E foi exatamente essa relação ilegal que o Intercept revelou, a partir de materiais recebidos de uma fonte anônima.

Acontece que, mesmo após uma série de reportagens apontando para essas revelações, publicadas inclusive por outros jornais, a popularidade de Moro continua em alta. Quanto à isso, Gilmar respondeu que “se um tribunal passar a considerar esse fator”, “tem que fechar, porque ele perde o seu grau de legitimidade”.

“A população aplaude linchamento. E a nossa missão, qual é? É dizer que o linchamento é legal porque a população aplaude? A volúpia, a irracionalidade leva a desastres”, prosseguiu.

“No caso do juiz, isso é mais grave porque ele tem que aplicar a lei. Do contrário, a nossa missão falece. Se é para sermos assim legitimados, entregamos, na verdade, a função ao Ibope”.

Leia também:  Bolsonaro estuda recorrer ao TSE para que PSL seja obrigado a abrir suas contas

“O processo penal, em geral, não envolve Madre Teresa de Calcutá. Envolve pessoas que podem ter cometido crimes. Ainda assim, elas têm direitos e esses direitos precisam ser respeitados”, destacou.

Em relação aos ataques que o Supremo passou a sofrer, Gilmar também apontou responsabilidade da imprensa.

“O país entrou, de uns tempos para cá, isso não é de agora, num processo de acendrada polarização, no final do primeiro governo Dilma [Rousseff] e no início do segundo governo Dilma”, explicou.

“O tribunal, em geral, ficou isolado. A mídia fez esse tipo de eco. O Supremo foi muito vilipendiado nesse contexto, embora o tribunal tivesse um ativo consigo. Foi o tribunal que condenou os mensaleiros, foi o tribunal que levou a cabo sem produzir diatribes processuais, sem produzir violações. Só mandou prender depois do trânsito em julgado”, pontuou.

Ele ainda ressaltou a fragilidade da Democracia no Brasil, portanto a necessidade de todos os agentes de influência, públicos ou não, agirem com responsabilidade.

“Considerando os nossos antecedentes históricos, devemos sempre ter cuidado. Comemoramos no ano passado 30 anos de normalidade institucional, 30 anos de democracia sob a Constituição de 1988, e acho que devemos prosseguir nesse trabalho de construção e reconstrução institucional”.

“Temos que fortalecer a democracia. E devemos, de fato, criticar fortemente aqueles que, de alguma forma, por discurso, por prática, a ameaçam. Devemos estar atentos e, a cada sinal, especialmente partindo de pessoas com responsabilidade institucional, devemos criticar ou mesmo reprimir. Clamar pela restauração do regime militar é um crime contra a democracia, contra a segurança nacional”, considerou.

Sem citar os nomes de Moro ou do coordenador da Lava Jato em Curitiba, o procurador Deltan Dallagnol, o ministro do Supremo disse que o país precisa “encerrar o ciclo dos falsos heróis” e ainda que a cúpula da força-tarefa precisa assumir que cometeu erros para que “saia de cena”.

Leia também:  Encontro secreto de Deltan envolveu bancos réus na class-action da Petrobras

“Simplesmente dizer: nós erramos, fomos de fato crápulas, cometemos crimes. Queríamos combater o crime, mas cometemos erros crassos, graves, violamos o Estado de Direito.”

*Clique aqui para ler a entrevista de Gilmar na íntegra.

O GGN prepara uma série de vídeos que explica a influência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto? Clique aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

14 comentários

  1. Palmas, ministro. Deu a mão à palmatória e mostra coragem ao recolocar claridade aos fatos. Agora, se são coautores de malfeitos, os malfeitores serão julgados e apenados na forma da lei? Não a lei furreca e falseadora deles.

    8
    1
  2. E Gurgel que não me sai da cabeça…
    com pareceres tais como, não podemos isso, não podemos aquilo, não podemos acreditar em denúncias sem pé nem cabeça, nem selecionar, nem permitir abusos, nem esconder provas que inocentam, e etc , e se nem etc, que dirá etc e tal

    e mensalão deu no deu ou exatamente como os abusos de agora couberam na lava jato, assim como tão bem, digo, também, nos golpes seguidos

  3. só não confesssa que erraram tb no falacioso
    julgamwnto do famigerado mensalão….
    mas admitir os últimos erros
    pelo menos já é um começo….

  4. Eu aplaudia, hoje estou indignado com tudo aquilo que o Intercept divulgou e continua divulgando. Vergonha o nosso Ministério Publico, inclusive a justiça.

  5. “Coautores”, ministro? Então passe das palavras à ação e denuncie as firmas de comunicação social à PGR, como ministro ou mesmo como cidadão. E peça para que a denúncia seja anexada às denúncias que pesam sobre os golpistas Moro e Dallagnol, já são parte do mesmo crime.

    Faça isso ou continuaremos achando que o sr. é, afinal, não um homem de palavra e sim um homem de palavras, muitas palavras. E pouca ação.

  6. Parabéns, Ministro, pela sua coragem e coerência a denunciar esse desvio de conduta, grave, da imprensa alinhada com as infrações constitucionais, cometidas por esse grupo de servidores públicos que, se tivesse sido imparcial e justo, certamente, seria sim, orgulho para o Brasil.
    Acho, como cidadão brasileiro, leigo em assuntos jurídicos que, por questão de honra, o Poder Judiciário do Brasil, face os graves prejuízos diversos, deu à nossa nação e aos empregadores e trabalhadores do país, esses representantes e concessionários de meios de comunicação públicas, dependendo dos tipos de processos gerado dos a partir de suas denúncias suspeitas, deveriam sim, terem sido arrolados oficialmente, como testemunhas de acusação ou de coautoria, conforme caso, como diz o Ministro.
    Mais ainda é tempo, da justiça brasileira mostrar ao mundo, que ela mudou e que é que, daqui para a frete, ela será ágil, justa, imparcial e guardiã ética da Constituição Federal, da República Federativa do Brasil, como todo cidadão aguarda e exige.
    Vamos esperar prá ver, o Brasil, mais do que nunca precisa disso.
    Sebastião Farias
    Um brasileiro nordestinamazônida

  7. Outro Barrichello? Piada de mau gosto. Receba essa de hoje, ministro: para a lava jato você vale tanto quanto Lula. Ironia fina.

  8. Ao impedir Lula de ser Ministro Chefe da Casa Civil de Dilma, foi peça fundamental do golpe. Não devemos esquecer de nada… de todos os envolvidos neste Golpe de Estado. De toda a mídia e seus jornalistas. O que ocorreu em 2016 vai demorar mais de 50 anos pra ser corrigido.

  9. Gilmar do céu…o maior corneteiro do mensalão aforante o afro descendente era o senhor com a fake acusação da corrupção do dinheiro do BB.
    Sabe-se que no palácio do moroni o lema “lavou tá nova” não se aplica na justiça falha e tardia.

  10. Continuo a pensar que, apesar das supostas manobras, erros, perseguições e oposição aos governos do PT cometidas pelo GM, não cabe agora ficar batendo na mesma tecla. O que importa é que ele, o GM, começa a enxergar que até ele era alvo da bandidagem institucionalizada. Agora, mais uma vez, o que importa é contarmos com mais um Ministro com a visão clareada pelos fatos e com sua ajuda libertarmos o mais injustiçado da história: Lula.

    • Esse ministro, assim como todo mundo, sempre soube que é golpe e sempre soube que as firmas de comunicação são um dos braços desse golpe. Pode até ser que ele vote pela soltura de Lula; pela absolvição, tenho minhas dúvidas e pela anulação do processo, aí é impossível. Mas com toda certeza ele não vai interromper o golpe, anular a eleição por abuso de poder econômico… nada disso. Como palpite eu diria que Mendes só votará a favor de Lula se os votos anteriores ao dele somarem contra. Os golpistas – entre eles esse senhor – farão isso só para a galera desanimar, diminuir a moral, desistir de continuar. O julgamento será apenas mais uma paulada na oposição: a primeira, para roubar as instituições; a segunda, para não reclamar da primeira. E assim vai…

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome