Novo PGR não pode servir a propósitos pessoais, diz ANPR

"O PGR exerce, por óbvio, uma função de Estado e não de governo, não podendo ser indicado, por exemplo, em razão de 'alinhamento'", escreveu a entidade

Procuradores Mário Bonsaglia, Luiza Frischeisen e Blal Dalloul foram os eleitos da lista tríplice - Foto: Divulgação/ANPR

Jornal GGN – A Associação Nacional de Procuradores da República (ANPR) afirmou, nesta segunda-feira (19), que a escolha do novo procurador-geral não pode “servir a propósitos pessoais”. A manifestação ocorre quando o noticiário deu conta que o nome do subprocurador Antonio Carlos Simões Soares, de preferência de Flávio Bolsonaro, teria sido martelado.

“O PGR exerce, por óbvio, uma função de Estado e não de governo, não podendo ser indicado, por exemplo, em razão de “alinhamento” com os projetos e ideias defendidos por aqueles que compõem quaisquer dos Poderes da República”, escreveu a ANPR, em nota.

A entidade, que representa os membros do Ministério Público Federal, é a responsável por realizar as eleições internas que definem a lista tríplice, que são os mais votados pelos próprios procuradores para ocupar a PGR.

“Nas últimas semanas, o noticiário nacional veicula que diversos membros do MPF, que não participaram do debate público e não receberam votação para estar na lista tríplice, estariam buscando a nomeação por meio de conversas reservadas ocorridas na Presidência da República. Não sabemos, nós e a população brasileira, quais são seus planos, ideias e compromissos para comandar a instituição”, disse a associação.

[O GGN prepara uma série no YouTube que vai mostrar a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto pelo interesse público? Clique aqui]

“Tampouco pode-se cogitar que a escolha do PGR possa servir a propósitos pessoais. Qualquer tentativa de interferência indevida tem impacto negativo no combate ao crime, à corrupção, e na garantia dos direitos fundamentais”, acrescentou.

Leia também:  "Onde está a Justiça?", diz Preta Ferreira, presa há mais de 70 dias sem provas

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Que diga a Dilma e o Lula que foram escolher o famigerado PGR da lista tríplice!! Esta ANPR e máfia é a mesma coisa. Bolsonaro não é tão bobo como parece!

  2. Perseguiram o Lula que se pautou pelo republicanismo e fortaleceu o MPF, foram corporativistas e classistas para ferrar Lula de forma injusta, foram contra a defesa do interesse nacional para entregar o país aos EUA…..agora aguentem o tranco, talkei

  3. Será que se assinala, no friso textual “conversas reservadas”, a denúncia de (talvez) tentativa espúria, tirânica e ditatorial da (ainda) PGR para para sua própria recondução ao cargo?? [(aparentemente) (eminentemente) pisoteada (ou em marcha), por sua vez, pelo próprio aposentado (por balbúrdia e algo pior), e com patente, aos 33 anos, anti-idade do outro Messias …]

    Pior cenário: quem sabe (talvez) os atuais anúncios (talvez com certa pirotecnia), por (aparente) final de mandato da (atual) PGR, sejam fogos vencidos… e surpreendam-se todos os desavisados com uma espúria, tirânica e absolutamente ditatorial recondução da (hoje) PGR???

  4. Quem esse povo pensa que é? Ministério Público não é Poder, e a ANPR é um órgão corporativo que não pode impor à sociedade o nome de ninguém. Peguem seus votos e suas listas e queimem. Eu não aceito lista da ANPR e tenho que admitir, infelizmente, que Bolsonaro está certo.

  5. Institucionalistas! Pero no mucho.
    Expertos sobre la Ley! Todavia, no lo bastante.
    Hipocritas! Por lo que se bastan.
    Y ahora a ellos resta el consejo: “cuando fuiste martillo no tuviste clemencia, ahora que eres yunque, ten paciencia”.
    Em bom português: tem que ser muito burro para ignorar que subverteriam a lei por seus próprios interesses e a conta não chegaria um dia. Somente não imaginávamos, nós os demais, que seria tão cedo.

  6. A ANPR sabe qual o crime Bolsonaro deseja cometer ao nomear o PGR, ela tem experiência com Geraldo Gaveteiro, engavetador do FHC,e mesmo com a tríplice com Antônio Fernando, Roberto Gurgel, Rodrigo Janot etc.Quanta omissão hein! Quanta pequenez hein!Quanta falta de caráter hein! Quanta promiscuidade hein! Ficamos sem saber quem pode indicar um PGR para servir ao país! Tá difícil hein! Será o veio da Havan, o Moro, o Dallagnol, algum Marinho, o Aêcio, o japonês da federal, o Cunha direto da cadeia, o Youssef, o Skaf, o presidente do Paraguai,será o Luis Fux ? O povo não pode votar pois elegeu o presidente Bolsonaro, se deixar elegem alguém terrivelmente evangélico para a PGR.

  7. Tanto o que a ANPR indica quanto o que o Bolsonaro prefere, não é diferente do que o gato enterra. Como bem diria o Mino Carta, ANPR, Bolsonaro, 01, 02, ou 03, é tudo a mesma SOPA!!

  8. Não existe na Constituição Federal uma linha sequer que preveja lista tríplice para nomeação do PGR.
    Porque a CF segue o princípio da soberania popular. Como órgão do Estado, e não Poder do Estado, o Chefe do Ministério Público Federal será nomeado pelo Presidente da República, que foi escolhido pelo povo. Aliás, por desconsiderar este princípio, o PT deixou de nomear Eugênio Aragão, profundo conhecedor do Direito, identificado com o Estado social, para indicar corporativista tipo Janot, comprometido apenas com a corporação, e colaborador dos EUA.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome