A história do mais famoso soneto de Shakespeare

Por Gilberto Cruvinel

Manuel Bandeira dizia que o soneto é uma composição poética de quatorze versos distribuídos em dois quartetos e dois tercetos. Mas o que faz o soneto, acreditava o poeta pernambucano, é antes um certo equilíbrio de volumes líricos genialmente esquematizado por essa divisão de dois quartetos e dois tercetos. Os poetas ingleses não respeitam muito essa estrutura do soneto, por eles tratado como um todo de quatorze versos. Para Bandeira, eram importante manter o esquema, tudo o mais era acessório: metro, rimas.

O soneto 18 é certamente o mais famoso na coleção de sonetos de Shakespeare e talvez seja o mais conhecido poema lírico em língua inglesa. Da obra do bardo inglês, talvez só o monólogo de Hamlet “Ser ou não ser” e o monólogo de Julieta “Ó Romeu, Romeu! Onde estás Romeu?” sejam mais conhecidos.

No tempo de Shakespeare, geralmente o soneto  era dito ou recitado ou escrito para grandes ocasiões, casamentos, nascimentos, celebrações. No caso do soneto 18, era uma elegia. Um poema lírico em tom terno e triste, uma canção de lamento.

Shakespeare tinha três filhos, um deles, um menino, chamado Hamnet. Hamnet, não Hamlet, a peça. Seu filho Hamnet ficou muito doente e Shakespeare estava em Londres trabalhando. E aqui, vemos um homem, um pai, com uma vida e problemas tal qual eu e você. É claro, ele tinha que ir ver o filho. Hoje em dia, se você tomar um carro a partir do centro de Londres até Stratford Upon-Avon, onde a família morava, não levará mais que 90 minutos. Naquele tempo, o dramaturgo inglês levou três dias.

Leia também:  Poema libertário ante a barbárie, por Dora Incontri

Então, Shakespeare partiu e foi até lá e quando chegou a Stratford, foi recebido por sua família e descobriu que seu filho estava morto e enterrado. Não havia nada a fazer. Mas, o que poderia ele fazer além de confortar sua família? Para superar isso, o que ele ia fazer? Vocês podem imaginar a dor. Podemos imaginar que, talvez, depois que todos tivessem ido dormir, ele ficava acordado, com uma vela e sua pena. E ele escreveu, ele fez o que Shakespeare podia fazer melhor.

E ele escreveu o soneto 18,  “Posso comparar-te a um dia de verão”, onde ele fala sobre a eternidade, “até onde homens puderem respirar e olhos puderem ver”, ele viverá para sempre. Ele congelou no tempo o pequeno Hamnet em sua mente, para ser imortal na vida de Shakespeare.

Soneto XVIII

Tradução de Ivo Barroso

Devo igualar-te a um dia de verão? 
Mais afável e belo é o teu semblante: 
O vento esfolha Maio inda em botão, 
Dura o termo estival um breve instante. 
Muitas vezes a luz do céu calcina, 
Mas o áureo tom também perde a clareza: 
De seu belo a beleza enfim declina, 
Ao léu ou pelas leis da Natureza. 
Só teu verão eterno não se acaba 
Nem a posse de tua formosura; 
De impor-te a sombra a Morte não se gaba 
Pois que esta estrofe eterna ao Tempo dura. 
Enquanto houver viventes nesta lida, 
Há-de viver meu verso e te dar vida.

Soneto XVIII

Tradução de Geraldo Carneiro 

Te comparar com um dia de verão? 
Tu és mais temperada e adorável. 
Vento balança em maio a flor-botão
E o império do verão não é durável. 
O sol às vezes brilha com rigor, 
Ou sua tez dourada é mais escura; 
Toda beleza enfim perde o esplendor, 
Por acaso ou descaso da Natura; 
Mas teu verão nunca se apagará, 
Perdendo a posse da beleza tua, 
Nem a morte rirá por te ofuscar, 
Se em versos imortais te perpetuas. 
Enquanto alguém respire e veja e viva, 
Viva este poema, e nele sobrevivas.

Sonnet 18

Leia também:  Que moça é essa, que moça?, 2. Por Romério Rômulo

Shall I compare thee to a summer’s day? 
Thou art more lovely and more temperate.
Rough winds do shake the darling buds of May,
And summer’s lease hath all too short a date.. 
Sometime too hot the eye of heaven shines, 
And often is his gold complexion dimmed; 
And every fair from fair sometime declines, 
By chance, or nature’s changing course, untrimmed; 
By thy eternal summer shall not fade, 
Nor lose possession of that fair thou ow’st, 
Nor shall death brag thou wand’rest in his shade, 
When in eternal lines to Time thou grow’st. 
So long as men can breathe, or eyes can see, 
So long lives this, and this gives life to thee.

……………………………………………………………………………..

Fontes:

1.      Shakespeare está em toda parte : Christopher Gaze em TEDxVancouver

2.      Geraldo Carneiro, O Discurso do Amor Rasgado poemas e fragmentos de William Shakespeare, p. 122, 123, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 2012.

3.      Shakespeare, William; in Barroso, Ivo (tradução e apresentação). “William Shakespeare 50 Sonetos.”. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011

4.     Shakespeare’s Sonnets

5.       Manuel Bandeira, “Andorinha, andorinha”, Organização de Carlos Drummond de Andrade, Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1966, 1ª edição.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Poema libertário ante a barbárie, por Dora Incontri

9 comentários

  1. Notinha rapida, Gilberto:

    “talvez só o monólogo de Hamlet “Ser ou não ser” e o monólogo de Julieta “Ó Romeu, Romeu! Por que és Romeu?” sejam mais conhecidos”:

    “Where are thou, Romeo?” = “aonde estas, Romeo?”.  Banido por obsolescencia ha muitos seculos, o “tu” ja existiu no ingles.  E ainda continua enchendo o saco no portugues!

  2. O Bardo.

    [video:https://youtu.be/S8Osse7w9fs%5D 

    Um bardo, ou aedo, na Europa antiga, era uma pessoa encarregada de transmitir histórias, mitoslendas e poemas de forma oral, cantando as histórias do seu povo em poemas recitados. Era simultaneamente músico e poeta e, mais tarde, seria designado de trovador. É a principal raiz da música tradicional irlandesa. O bardo usava frequentemente um alaúde para tocar suas melodias e músicas, que contavam na maioria das vezes uma história triste.

  3. Não sei quem é Arnaldo

    Não sei quem é Arnaldo Poesia, mas a tradução desse soneto XVIII de Shakespeare, para mim é a melhor das tres.

    Na tradução de Arnaldo Poesia, houve o cuidado e a preservação de manter o destinatário como uma pessoa do sexo masculino:

    Se te comparo a um dia de verãoÉs por certo mais belo e mais amenoO vento espalha as folhas pelo chãoE o tempo do verão é bem pequenoÀs vezes brilha o Sol em demasiaOutras vezes obscurece com frieza;O que é belo declina num só dia,Na eterna mutação da natureza.Mas em ti o verão será eterno,E a beleza que tens não perderás;Nem chegarás exausta ao triste inverno:Nestas linhas com o tempo crescerás.E enquanto nesta terra houver um ser,Meus versos ardentes te farão viver

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome