Giro GGN Queimadas: Mato Grosso teve 55% mais focos que no ano anterior

Mato Grosso do Sul, mesmo zerado no dia 27, teve um aumento de 26% na comparação com 2019. Amazonas teve um aumento de 36% e o Pará, 61%, isso comparando com o ano anterior.

Jornal GGN – Apesar de uma leve queda no número de queimadas no país, a situação continua preocupante visto que o governo federal não interrompeu a política de desmonte da contenção. Ricardo Salles permanece no cargo e o seu atuar não mudou em nada. Ibama manteve os brigadistas no combate aos incêndios mas a questão não teve uma solução, é apenas um paliativo para calar a grita contra a retirada dos profissionais das frentes de combate.

O Pantanal foi, com certeza, o bioma mais atingido nesta temporada de queimadas. Enquanto Mato Grosso continua com vários focos, Mato Grosso do Sul, no dia 27, conseguiu zerar os focos, de acordo com o satélite do Inpe. Mato Grosso teve 55% mais focos que no ano anterior e Mato Grosso do Sul, mesmo zerado no dia 27, teve um aumento de 26% na comparação com 2019. Amazonas teve um aumento de 36% e o Pará, 61%, isso comparando com o ano anterior.

Goiás, mesmo tendo enfrentado muitos focos, teve uma incidência menor de casos este ano, na comparação com 2019. Foram 17% menos focos, depois de uma explosão em 2019, que foi 130% maior que em 2018.

Dos países da América do Sul, Argentina e Guiana Francesa foram as que mais sofreram este ano em aumento de focos. Argentina aumetou 160% e Guiana Francesa, 146%. O Brasil aumentou 22%, mas já vinha sofrendo desde 2019, quando o aumento foi de 45% em relação a 2018.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora