ABI, uma instituição que ameaça naufragar, por Lygia Jobim

da Carta Maior

ABI, uma instituição que ameaça naufragar

por Lygia Jobim

Termos da nota em que “expressa profunda preocupação” com o ocorrido não são condizentes com a tradição de luta que caracterizou a Instituição

Se o presente da ABI já é preocupante, seu futuro inspira temor. A única coisa pior do que o silêncio dos últimos anos – em apoio ao Golpe de 2016 – e, nos últimos dias, sobre o gravíssimo episódio em que a jornalista Malu Franco se viu autora de um texto que não escreveu e que, em muito, poderia incriminá-la por botar em sua boca palavras e acusações que jamais fez, foi a Nota (clique aqui)em que se manifesta sobre o tratamento dado à imprensa pelo novo governo na posse do Presidente.  
Os termos da nota em que “expressa profunda preocupação” com o ocorrido não são condizentes com a tradição de luta que caracterizou a Instituição. Ela não tem que se preocupar, tem que se indignar. Tem que vir a público afirmar em alto e bom som que qualquer agressão a jornalistas é uma agressão à democracia e que fakenews a respeito de profissionais da imprensa não serão toleradas.

Ao chamar funcionários públicos que no exercício de suas funções, cumpriam ordens, de “criadagem” e “serviçais” parece ter se inspirado no discurso presidencial, feito no parlatório, onde Jair Bolsonaro promete libertar o povo do socialismo e do politicamente correto. 

O ser politicamente correto nada mais é do que uma forma de não ofender os sentimentos alheios, mas a direção da ABI parece ter captado e aprovado bem o espírito do se liberar do mesmo e não se privou de utilizar o incorreto.Não é ridicularizando os demais nem nos omitindo diante de fakenews contra nossos colegas que poderemos cumprir nosso papel. Estaremos apenas sendo coniventes com o achincalhe e a mentira.

Leia também:  Crônica de dois generais brasileiros, por Rui Daher

Mais do que nunca nossa democracia dependerá da imprensa cabendo a ela um papel importante em sua defesa. O novo governo não se vale de meias palavras ao declarar, desde a campanha que o levou à vitória eleitoral, seu ódio e desprezo ao que sabe ser o Quarto Poder. 

Cabe à ABI defendê-la como fez Barbosa Lima Sobrinho e tantos outros que souberam honrar a presidência que ocuparam.

Esperamos que a Casa passe a desempenhar o papel que sempre lhe coube na história do país com mais respeito, independência e dignidade para não se ver tragada pelo tsnunami que nos ameaça.

Lygia Jobim é jornalista e advogada, ex-presidente do Conselho da ABI
 

 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Os Russos Tão Chegando

    “Itabira é apenas um retrato na parede. Mas como dói!” — Drummond

    Nassif: não sei por quê tanto alarde. Os VerdeSaúva (AttaLaevigataCaesernorium, variedade com saldado de cabeça lisa, mas nada brilhante) já decidiram que a entidade haverá de sofre outra denominação, adaptada aos novos tempos — ABI (Associação Bolsonarista de Imprensa). E que de Barbosa Lima Sobrinho só o retrato na parede. Por enquanto…

  2. PIG

    Se a Associação Brasileira de Imprensa não naufragou ainda, perdeu a credibilidade ha muito tempo. O tratamento recebido pelos jornalistas na posse de Jair Bolsonaro é aquele que ela mesma se auto-reservou durantes esses ano, mostrando-se subserviente ao patronato e não questionando a falta de pluralidade em seus veiculos e a perda de democracia em que o Pais avança todo dia um pouco mais. O chiqueirinho foi a forma tosca com a qual esse governo indica aos jornalistas que eles não passam de porcos. 

  3. “La prensa”

    Quando o governo trata bem a imprensa, ela mente e fala mal do governo.

    Agora, que o governo trata mal a imprensa, ela estará falando a verdade quando falar mal do governo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome