Estadão descobre, finalmente, que nunca foi uma escolha difícil, por Eliara Santana

Quatro anos e muita, muita destruição depois, o Estadão chega finalmente à conclusão de que NUNCA FOI UMA ESCOLHA DIFÍCIL.

Foto: Agência Brasil

Estadão descobre, finalmente, que nunca foi uma escolha difícil

por Eliara Santana

“A derrota de Jair Bolsonaro parece ter livrado o País das amarras que o modus operandi do presidente impunha ao funcionamento das instituições de Estado. Já se sabia dos efeitos do descalabro bolsonarista em políticas públicas voltadas ao meio ambiente, educação, ciência e cultura, mas o que surpreende é o quão bem-sucedido o governo foi em destruir áreas que não pareciam estar na mira presidencial, como saúde e assistência social”.

Por mais incrível que possa parecer para quem acompanhou de perto todas as artimanhas da mídia hegemônica ao longo desses últimos seis anos, este trecho acima é de um editorial do jornal Estado de São Paulo. Foi publicado no dia 30 de novembro, um mês depois do segundo turno que deu vitória a Lula. 

Em 2018, às vésperas do segundo turno, disputado entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, o Estadão cunhou a pérola de editorial que ficaria como uma marca da nefasta ideia de que havia polarização entre o candidato da extrema-direita (Bolsonaro) e o candidato petista (Haddad). Acima das fotos dos dois candidatos, o título: “Uma escolha muito difícil”.

Quatro anos e muita, muita destruição depois, o Estadão chega finalmente à conclusão de que NUNCA FOI UMA ESCOLHA DIFÍCIL. Nós avisamos, e como avisamos. Nesse período, produzi a série de artigos “Uma escolha difícil” para o Jornal GGN (chegamos ao número 9), pois o Estadão insistia em fazer comparações totalmente descabidas entre Jair e os candidatos petistas. Nessa versão que encerra a série, no editorial do dia 30/11,o jornal paulista chega à conclusão de que não dá pra colocar no mesmo rol, sob o nome de “polarização”, propostas tão distintas de país – se é que podemos dizer que Bolsonaro teve alguma proposta para o Brasil que não a destruição.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

No editorial do dia 30/11, o Estadão enumera algumas das loucuras do governo e chama a atenção  para a destruição provocada por Bolsonaro e pelo bolsonarismo. Cito alguns trechos:

1 “Ainda na campanha, a apresentação do Orçamento de 2023 já era um prenúncio de tempos difíceis, com tesouradas brutais em programas como o Farmácia Popular e a ausência de recursos para garantir o piso do Auxílio Brasil”

 2 Com quase 700 mil mortes, uma nova onda de casos e cobertura vacinal insuficiente, o País pode ter de descartar 13 milhões de doses de imunizantes contra a covid-19 com prazo de validade prestes a expirar. O prejuízo, segundo o Tribunal de Contas da União (TCU), pode chegar a quase R$ 2 bilhões.

 3 O jornal Valor mostrou que beneficiários do Auxílio Brasil têm tido os pagamentos bloqueados sem motivo aparente. Solucionar o problema exige meses de espera para agendar um atendimento presencial nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) – filas que devem explodir com a tardia investigação sobre o crescimento de famílias unipessoais no Cadastro Único (CadÚnico), convenientemente iniciada somente depois do segundo turno.

4 A substituição da figura agressiva, vingativa e desagregadora de Bolsonaro pelo vulto apático que o revés eleitoral evidenciou parece ter encorajado muitos servidores até então silenciados a colaborar na descrição das consequências práticas da balbúrdia a que o País foi submetido nos últimos quatro anos.

Por fim, o jornal reconhece:

“Diante dos péssimos resultados que o País colheu, cabe perguntar como Bolsonaro conquistou quase metade dos votos na disputa presidencial, bem como refletir sobre o que isso revela sobre as noções brasileiras de cidadania e coesão social.”

Acho que cabe perguntar também como e por que a mídia tradicional hegemônica embarcou na canoa do bolsonarismo em 2018. O editorial é, sem dúvida, contundente e arremata bem o que foram esses quatro anos de horror. Mas igualmente deixa em branco o papel também péssimo que a mídia hegemônica teve nestes últimos seis anos, desde o golpe contra Dilma Rousseff. Bolsonaro nunca escondeu o que ele era, nunca camuflou o machismo, o racismo, a incompetência, a misoginia, a pulsão pela destruição. Sempre se mostrou bem às claras. A imprensa brasileira, Estadão incluído, NATURALIZOU esse candidato, tornou ele alguém palatável e normal, um candidato como outro qualquer do campo democrático. Mas sabíamos, e agora isso tudo se confirma, que Bolsonaro nunca foi um candidato normal ou pertencente ao campo democrático.

Nunca foi uma escolha difícil, portanto. Desde aquele momento de 2018. E perceber isso, assumir isso, mesmo com críticas ao PT e ao candidato Haddad, teria poupado o Brasil de viver um dos piores momentos de sua história republicana. Por isso, quando ressalto nas aulas, nos cursos, nas palestras e nos seminários a importância de discutir o papel da mídia, é para de fato colocar e marcar a centralidade dessa ação, a centralidade da construção midiática para a democracia.

O editorial do Estadão faz um reconhecimento importante neste momento, não há dúvida, mas é preciso que haja um reposicionamento da mídia e é fundamental que a sociedade civil entenda o papel desse discurso, dessas construções. Para o bem de nossa tão combalida democracia. E para que não tenhamos de viver novamente esse horror todo. 

Eliara Santana é uma jornalista brasileira e Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), com especialização em Análise do Discurso. Ela atualmente desenvolve pesquisa sobre a desinfodemia no Brasil em interlocução com diferentes grupos de pesquisa.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected].

Eliara Santana

Eliara Santana é uma jornalista brasileira e doutora em Linguística e Língua Portuguesa, com foco em Análise do Discurso. Ela é pesquisadora do Observatório das eleições (INCT IDDC UFMG) e pesquisadora colaboradora do IEL/Unicamp. Desenvolve pesquisa sobre desinformação, desinfodemia e letramento midiático no Brasil.

5 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. NINGUÉM… absolutamente ninguém tem autoridade para chamar Bolsonaro desonesto politicamente ou corrompido. Ele jamais se corrompeu à decência. Jamais! Jamais negou que se manteria fiel ao que sempre foi. Jamais. Cumpriu cem por cento do que se esperava dele: NADA que preste. Foi o agente de guerra híbrida perfeito. Quando se esperou que se corrompesse e fosse um pouquinho… digamos racional, polido, ele gozou de um agonizante à beira da morte devido a covid. E TODO MUNDO JÁ SABIA QUE SERIA ASSIM. Portanto…

  2. Muito relevante a discussào proposta pela Profa. Eliara Santanna sobre o papel determinante da mîdia na evolucao dos acontecimento polîticos do paîs. Essa discussào precisa ser colocada de forma clara, contundente, para que a sociedade brasileira realmente compreenda o papel desempenhado pelos canais mais poderosos em termos de audiencia em nosso paîs. E sobretudo para que as pessoas consigam entender o que de fato aconteceu nas ûltimas dêcadas em relacao a lavagem cerebral feita principalmente pela TV Globo contra o PT e o Lula. As pessoas precisam saber de onde vem o anti petismo e quais os motivos da campanha construida por essa emissora.

  3. Ideal seria se essa mesma midia que ajudou esse assassino a se eleger pagasse de uma forma clara e firme pelos seus erros. Como? Ora, cobrando diariamente a Justiça brasileira e cafajestes como Aras e Lindora e Lira e Moro e Dalagnol no sentido de que criminosos sejam julgados e condenados. Quais criminosos: Obvio: Boçalnaro e seus filhos corruptos, Moro e Dalagnol e desembargadores do TRF4 pela justiça mentirosa e assassina que realizaram, Aras, Lindora e Lira pelo apoio aos crimes bolsonaristas. O assassino Brochanaro matou milhares de covid por sua defesa da não vacinação e pelo charlatanismo da hidroxicloroquina e ivermectina, pelo desmatamento recorde e incentivo ao genocidio indígena assim como pelas mudanças climáticas e grandes desaatres ambientais consequências do desmatamento da amazonia, pantanal, etc. Assassino por sua política armamentista que tantos crimes causou até agora….e, claro, pela corrupção de sua familia e de pastores aliados de michele…

  4. A mídia golpista sempre foi e sempre será parte do golpe. É da sua origem,elitista e golpista.
    Agora,tão importante quanto a análise do papel da mídia golpista é o papel da apropriação cultural feito por essa mídia no sentido de tornar possível que as inverdades sejam verdades absolutas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador