Aos 78 anos, Francineth Germano lança álbum com Batuqueiros e Sua Gente

Foto: Osmar Moura

Jornal GGN – Conhecida como a dama do samba e integrante do grupo “As Gatas” nas décadas de 70 e 80, Francineth Germano está de volta à cena musical e acaba de lançar um álbum ao lado do grupo Batuqueiros e Sua Gente. Foi depois de diversos encontros por São Paulo, que a musicista, hoje com 78 anos, e 16 jovens resolveram dar vida a este trabalho marcado pela herança da música popular brasileira.  

O CD com direção musical de Gian Correa e Henrique Araújo, tem arranjos dos Batuqueiros e conta com as participações de João Camarero, Nailor Proveta e Zeca Pagodinho. No repertório, o destaque fica por conta da canção “Amor Inesquecível”, a primeira composição de Dona Ivone Lara que foi gravada por Francineth na década de 70 e que neste lançamento vem acompanhada por depoimento da compositora sobre Francineth.

Outro destaque é a interpretação da música “Tal dia é o batizado”, um dos clássicos da Portela, na voz de Zeca Pagodinho. O lançamento traz ainda uma composição inédita da própria Francineth, “Amor Infinito”, e o samba de Douglas Germano,  “Sacerdócio”, composto especialmente para Francineth com versos que  sintetizam seu legado e a construção coletiva de seu trabalho.

Na trilha do novo álbum também estão as canções “Império do Samba” (Zilda do Zé / Zé da Zilda), “Rio Seco” (Toninho Nascimento . Romildo), “Nossos Momentos” (Ary Vidal / Luiza Reis), “Nasci para sonhar e cantar” (Dona Ivone Lara / Délcio Carvalho), “Cambão” (Luiz Vieira) e “Tristeza sem Fim” (Germano).

A estrela dessa nova obra, Francineth Germano, nascida em Santa Cruz do Inharé, no interior do Rio Grande do Norte, começou a cantar aos 14 anos e a se apresentar na Rádio Poti, em Natal, com o trio de forró que formou com suas irmãs, as Irmãs Ferreira. Anos mais tarde, no Rio de Janeiro, na boate Bom Gourmet, Francineth foi ouvida por Elizeth Cardoso, que imediatamente ‘amadrinhou’ e a levou para cantar na Orquestra do Maestro Moacyr Silva.

A partir de então, Francineth lançou alguns trabalhos pela Copacabana Discos e gravou dois importantes LPs. Um deles produzido em 1963, nomeado de “Convite à Música Nº3”, em que Francineth dividiu o repertório com o conjunto do Maestro Moacyr Santos.

Já o outro LP é o  “Viva o Samba” que contava com um quarteto composto por Elizeth Cardoso, Ciro Monteiro, Roberto Silva e Francineth Germano, cantando os sambas de quadra das maiores Escolas de Samba do Rio de Janeiro.

É com toda esta bagagem que a dama do samba se une ao  grupo dezesseis músicos criado em 2015. Os Batuqueiros e Sua Gente é marcado pelo samba e se dedica a transmitir a tradição centenária das rodas de samba, em que artistas – os Batuqueiros – e público – a sua Gente – cantam em uma sua voz.  

Leia também:   Hoje a casa caiu. Glenn te viu, Glenn te vê

E quem leva este legado a adiante são os músicos Junior Pita (violão), Henrique Araújo (cavaquinho), Marcelo Martins (cavacolim), Vitor Casagrande (bandolim), Allan Abbadia (trombone), Pedro Moreira (trombone), Rafael Toleto (percussão), Alfredo Castro (repique de anel), Tiganá Macedo (tamborim), Raphael Moreira (surdo), Xeina Barros (percussão, Roberto Amaral (pandeiro), Jorge Garcia (tamborim), Geraldo Campos (Tamborim) e Sidnei Padeirinho (cuíca).

https://www.youtube.com/watch?v=hWxnlFuyMy0 width:600 align:center

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome