“A alegação do réu não basta”: O dia em que delação deixou de ser prova para Dallagnol

Procuradores de Curitiba agora adotam como estratégia a "inversão do ônus da prova": o réu que quiser ver seu processo migrar da Justiça Federal para a Justiça Eleitoral terá de apresentar provas documentais do crime de caixa 2. Delação não basta

Jornal GGN – Palavra de réu agora não é mais vista como prova pela turma de Curitiba. É o que mostra reportagem da Folha de S. Paulo desta segunda (18), sobre as “estratégias” discutidas por Deltan Dallagnol e equipe para evitar que processos da Lava Jato migrem da Justiça Federal para a Justiça Eleitoral.

Essa possibilidade tornou-se palpável após o Supremo Tribunal Federal impôr uma grande derrota à Lava Jato, reconhecendo a competência da Justiça Eleitoral para investigar e processar crimes de caixa 2.

Contrários ao julgamento, Dallagnol e equipe têm dito à imprensa que a decisão do Supremo compromete o sucesso da Lava Jato. Isto porque as denúncias construídas pelos procuradores nos últimos anos misturaram, muitas vezes, o crime eleitoral com a narrativa de corrupção e lavagem de dinheiro.

Para evitar que processos sejam julgados em tribunais não ligados à turma da Lava Jato, Dallagnol traçou como estratégia a “inversão do ônus da prova”. Ou seja, quem praticou crime eleitoral tem de apresentar provas “materiais”, porque só a delação – exaustivamente apresentadas pelos procuradores como prova, até aqui – já não basta.

“A alegação do réu não basta. Você precisa de documentos materiais que comprovem aquilo, sob pena de que a competência seja determinada pela livre vontade do réu”, disse à reportagem o procurador Deltan Dallagnol.

Se essa estratégia não tiver sucesso, os procuradores pretendem contar com a colaboração da Justiça Eleitoral em arquivar casos de caixa 2 que tenham prescrito e enviar o processo novamente à Justiça Federal.

Dallagnol ainda disse ao jornal que a decisão do STF traz à Lava Jato a “barreira das discussões formais de nulidade”. “Voltamos à era pré-Lava Jato. Isso vai drenar energia que poderíamos estar dedicando às investigações e ainda gerar risco de prescrição.”

Leia também:  J’Accuse, por Wilson Ramos Filho

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

13 comentários

  1. Será que isto é só uma revisão ou estão revoltados com os antigos apoiadores que os estão largando: mídia golpista e parte do judiciário que insurge contra os desmandos da operação?
    Deste jeito em que vão, só de pirraça, vão liberar o Lula assumindo que faltam provas para condenação.

  2. Quando será que os crimes cometidos pela república de Curitiba serão julgados ?
    Penso que somente Gilmar Mendes tem coragem para enfrentar esses criminosos.

  3. Eu não sei de qual delírio de megalomania o procurador das bochechas rosadas tirou que é só a 13a vara de curitiba que faz justiça… A justiça eleitoral para ele não faz justiça? O STF para ele não é digno de tomar decisões com base na CF88?
    “Voltamos à era pré-Lava Jato. Isso vai drenar energia que poderíamos estar dedicando às investigações e ainda gerar risco de prescrição.” Dane-se o devido processo legal, se para condenar quem eu quero e estou convicto de que é culpado eu precisar passar por cima de qualquer garantia, eu vou dar um jeito, eu estou certo, eu sou honesto, as outras instâncias de de mim discordarem, são corruptas, ineficientes e incompetentes.
    Se ele tem tanto culhão assim com o PT e a esquerda, porque ele não vai abocanhar o processo do laranjal da familícia e prova que “o Brasil está mudando” ?

  4. Engraçado ele falando de energia. Toda a energia é pra procurar petista. Não gastam um joule de energia com os demais. Parace até o Ibama que proíbe engaiolar tucanos.

  5. TAÍ A DICA PARA A DEFESA DO LULA: SE OS BANDIDOS DE CURITIBA, ENERGÚMENOS COMO SÃO, DECIDIRAM QUE SÓ DELAÇÃO, SEM PROVAS, NÃO VALE, ENTÃO É SÓ RECORRER COM O MESMO ARGUMENTO. AFINAL,O ENERGÚMENO SERGIO MORO CONDENOU LULA SOMENTE COM BASE EM DELAÇÕES…E SE ELAS NÃO VALEM, OS PROCESSOS DE SUAS CONDENAÇÕES FAJUTAS PODEM SER ANULADOS………MAS COMO SÃO IDIOTAS OS DALAGNÓIS DA VIDA……VERMES FILHOS DE PUTAS.

  6. Esta proposição é tão absurda quanto a cabeça de Dallagnol. Se eu entendi o absurdo, ele quer que o suspeito confesse e prove que fez caixa 2. Me parece que tem um item na constituição que diz que ninguém é obrigado a apresentar provas contra a própria inocência.
    Dallagnol parece que não consultou a constituição. Em mais uma demonstração de incoerência e inconsistêntica, a delação agora não vale mais como prova. Há pouco tempo Dallagnol estava gritando aos quatro ventos que delação é a verdadeira prova. Aliás no que concerne a investigação, a trupe de Curitiba já confessou a incompetência quando afirmou que para certos crimes eles não conseguem produzir provas. Segundo ele é porque os criminosos são muito maléficos escondem as provas. (Esta última frase é um primor …..) Me parece que em todos os outros crimes os criminosos não escondem provas. No fundo o que Dallagnol não quer é investigar e produzir provas , pois dá muito trabalho .

  7. LAVA JATO SÓ SERVIU PARA COLOCAR GENTE DO PT NA CADEIA, ESPECIALNENTE LULA. NAQUELA ÉPOCA TUDO ERA VÁLIDO, FOSSE LEGAL OU NÃO. ESPERO ANSIOSA O DIA QUE ESSE CARA FOR PARAR NA CADEIA.

  8. “A alegação do réu não basta. Você precisa de documentos materiais que comprovem aquilo, sob pena de que a competência seja determinada pela livre vontade do réu”. – Prucurador Federal Deltan Dallagnol.

    A confissão é um meio de prova mas, doravante, para que a Lava Jato continue tendo sucesso, o réu confesso tem que provar a sua confissão. É a prova da prova.

    Porque a confissão do acusado não pode ser provada através de provas testemunhais, mas apenas através de provas documentais?

  9. O Crepúsculo dos Deuses de Curitiba! Esse Dallagnol deve estar dando nós nos miolos para encontrar justificativas para o próprio os desmandos do próprio ego.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome