Austrália move soldados, aeronaves e navios do Exército para conter queimadas

Jornal GGN – As queimadas na Austrália, que já duram há mais de um mês, destruíram área maior do que a Suíça, desalojaram milhares de pessoas, resultaram na morte de 23, provocaram danos incalculáveis à fauna e flora exclusiva do local. A situação é tão grave e descontrolada que, pela primeira vez na história, o governo precisou mover aparatos militares para tentar conter os danos. É o que informa o jornal The New York Times neste domingo (5).

Segundo o jornal, “os incêndios também são tão quentes e tão grandes que eles estão criando seus próprios padrões climáticos”, o que dificulta qualquer tipo de operação que tenha sido tentada pelas autoridades locais.

“Cerca de 3.000 reservistas do Exército, juntamente com aeronaves e navios, estão sendo disponibilizados para ajudar nos esforços de evacuação e combate a incêndios”, e um navio da Marinha Australiana, o Adelaide, será usado para evacuar pessoas.

O Bureau of Meteorology informou, segundo o jornal, que uma cidade no oeste de Sydney atingiu 48,9 graus Celsius no sábado, se tornando “o lugar mais quente do mundo”. “No mês passado, a Austrália registrou seu dia mais quente em todo o continente.”

O alastramento do fogo tem deixado especialistas inconformados e sem saber o que esperar. “Cerca de 87% da fauna e flora australiana é endêmica no país, o que significa que ela só pode ser encontrada neste continente insular.” Milhares de animais já foram dizimados com a crise.

A cidade costeira de Mallacoota foi das devastadas, forçando mais de 1.000 moradores e turistas a mudar para Hastings, uma cidade perto de Melbourne. “As autoridades afirmam que essa era provavelmente a maior operação de resgate marítimo em tempos de paz da história da Austrália.”

“Milhares de pessoas já foram evacuadas, enquanto muitas cidades ainda estão ameaçadas com chamas ferozes que assolavam o campo no início da semana”, diz o jornal.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 comentários

  1. Sínodo da Austrália? A ONU está pensando na Internacionalização da Austrália para combater o Aquecimento Global e o Efeito Estufa? Algum pronunciamento de Greta? E de DiCaprio? E WWF ou GreenPeace? A Austrália não é dos Aborígenes ao invés de Latifundiários Brancos que querem transformar a Austrália em boi, cana e soja? Não é o futuro da Humanidade que está em risco? Ou o risco seria apenas da Hipocrisia? A Verdade é Libertadora.

    • disse tudo…
      estão impedindo até mesmo os ciclos de recuperação natural das áreas atingidas, coisa que os aborígenes sempre fizeram questão de preservar por serem períodos e locais de caça abundante, não predatória, caça para alimentação, não pelo simples prazer de se divertir ao matar animais e a própria floresta

      todas as clareiras naturais foram utilizadas para construção de bairros-condomínios, após terem sido vendidas pelos criadores de gado

      muito triste ver o desespero dos animais e dos aborígenes que ainda tentam sobreviver nestes locais

      e pela TV, tudo maravilha, que povo bom, gentil e cuidadoso para com os animais

  2. O que falta nas florestas australianas são clareiras…
    o principal método aborígene de controle de incêndios que foi praticamente abandonado pelo povo, incluindo, e principalmente, a retirada anual da camada de cascas e folhas que se acumula entre as árvores, maioria eucalipto

    nunca conheci povo tão preguiçoso, o australiano atual, a ponto de endeusar bombeiros só para não ter que trabalhar como os aborígenes trabalhavam

  3. Existe uma diferença entre os incêndios na Austrália, incontroláveis posto que espontâneos à ponto de influir no clima, e os da amazonia brasileira, localizados e controláveis, posto que provocados por canalhas, grileiros(*) e outros poderosos da região.

    (*) Aliás, aproveitando o espaço, segue mais um absurdo que beneficia apenas aos ladrões de terras:
    https://www.jb.com.br/pais/politica/2020/01/1021383-bolsonaro-anistia-grilagem–freia-novas-areas-indigenas-e-estaciona-reforma-agraria.html

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome