Bolsonaro cometeu “crime duplo” atacando jornalista, diz Miriam Leitão

Constança Rezende, atacada por Bolsonaro, é filha do jornalista de O Globo, Chico Otávio, que vem assinando reportagens a respeito dos milicianos que estão envolvidos na morte de Marielle Franco. A repórter fez matérias especiais a respeito do caso Coaf, que envolve Fabrício Queiroz

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – A jornalista de O Globo Miriam Leitão afirmou nesta terça (12) que Jair Bolsonaro cometeu “crime duplo” ao atacar uma jornalista do Estadão porque não sabe lidar com críticas e reportagens negativas. Mais do que apenas voltar sua militância digital para a repórter, Bolsonaro fez isso no exercício do cargo de presidente da República. “(…) a Presidência tem poderes que não podem ser usados com essa leviandade”, disse Leitão.

Para a jornalista, a atitude de Bolsonaro decorre do fato de que ele não “gosta dos jornais e jornalistas que não lhe seguem cegamente e de forma acrítica.”

Ela ainda lembrou que, com José Dirceu na Casa Civil, o PT quis “inventar uma agência” para “controlar” a imprensa e, agora, Bolsonaro se supera com “milícias digitais que simulam o movimento natural da opinião pública, e às quais ele pessoalmente dá a senha de atacar.”

“A propósito, quem ameaça o senador, filho do presidente, é ele próprio e seu amigo Fabrício Queiroz. Quando esclarecerem as movimentações bancárias estranhas, cessará o problema”, disparou a jornalista.

Há ainda um agravante na história toda: Constança Rezende, a repórter atacada por Bolsonaro com base em fake news, é filha do jornalista de O Globo, Chico Otávio, que vem assinando reportagens a respeito dos milicianos que estão envolvidos na morte de Marielle Franco. Constança também perseguia matérias sobre o caso Coaf. O elo revela tentativa de intimidação por parte da família presidencial.

Nesta terça, por exemplo, Otávio publicou com colegas uma matéria detalhando o perfil do miliciano Ronnie Lessa, um dos presos pela Operação Lume, acusado de participar ativamente da chacina que vitimou Marielle e seu motorista, Anderson Gomes.

Leia também:  Facebook identifica empresa israelense que espalhou fakenews nas eleições brasileiras

Lessa, além de ex-PM, mora no mesmo condomínio de Bolsonaro.

A imprensa vem mostrando a relação da família presidencial com milicianos do Rio de Janeiro.

6 comentários

  1. Das notícias de hoje e dos silêncios do passado…
    crime duplo é ter poder tanto para construir um Bolsonaro, como para destruí-lo

    nenhuma novidade no que ele está fazendo com o país, com a imprensa, pobres e trabalhadores

    quem tira a credibilidade de um, da política e dos políticos verdadeiros, entrega a outro, como Bolsonaro, que já vinha mostrando não ser nada disso

    o nascedouro do Bolsonaro foi o mensalão

  2. O que dizem as redes sociais:

    “Eles admiram milicianos, eles homenageiam milicianos, eles empregam milicianos, eles contratam milicianos, eles tem a vida financeira administrada por milicianos, eles andam com milicianos, eles são vizinhos de milicianos, eles são apoiados por milicianos: eles são uma faMILÍCIA. Voz do povo, voz de Deus: “Doutor, eu não me engano,/ o Bolsonaro é Miliciano. /Eu não sabia, mais o que dizer,/ em casa noticiam, a culpa é do PT./ Ah doutor! eu não me engano,/ oh Bolsonaro eu não vou passar o pano!”

  3. Bolsonaro é produto da miriam. E da globo, e da direita.
    Já devem estar procurando alguém tão entreguista como o bozo, mas não tão idiota.

  4. Pô caneta de aluguel, usar jornais e tv para atacar o PT manipulando verdades em conluio com o moro e seus evangélicos gananciosos, isto você chama de jornalismo?
    O Dirceu “queria” uma agencia para fake news e a geradora das fake news, a globo da Leitão, desapareceria do mapa, que pena não ter conseguido, quem sabe que a caneta bic tenha mais força agora.
    Com o teu apoio saiu finalmente o “vale Lula” 2,5 bilhões para os beatos de bíblia de sovaco de Curitiba.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome