Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

– Ieu tô pensanu, mestre, cajienti pódi ir in grupo di dois. Pur éxempro, o grupo di Jarirí e Catarina, mais o grupo di Tuxo, anssim a jienti ganha tempo. Nem tantu ao céu, nem tanto à terra.

– Sim, Clódiu, ucê tá cá razão.

Entoncis, mestre Bódim chamô Cascatim i disse pá eile ficá ali purqui tinha di lévá uma carta pá sô Jair e Vardí. Adispois, pegô u papé i a caneta i cumessô:

“Queridos sô Jair i Vardí, éissa é uma otra carta daqui. Ieu récebí uma mensaji doutro mundo, dizenu pá jienti ir mais fundo. Dois isprito mi disseru pá sigui in frenti, pá conquistá otras jientis. Nuósso navio tem di navegá, a jienti num pódi maisi pará. Vinte pur cento ié bão, maisi a jienti pricisa di mais vinte in nuóssas mão. Os ispritu mi disseru anssim: Fala cos primero contatá as urtima jienti, preles conquistá otros valenti. Avisa u puóvo di Jarirí e Catarina, mais u di Tuxo, qui amanhã eíles vão aí, pá falá preles prosseguí. No bar du Aselmo, ponhem um ispião, pá avisá quarqué contramão.”

Maisi, in antis di terminá a carta, Cascatim cumessô a latí cuandu eile viu Véia Dita i Jano si aproximanu.

– O qui tá acuntecenu, Cascatim. Tem argém cheganu?

Indaí, eiles ficaru in silêncio, ispéranu pá vê si tinha arguém cheganu. I tinha mesmo. Inditráizi di Véia Dita i di Jano, viram sô Jair i Vardí aportanu.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora