Com dificuldades na Câmara, Moro pode enviar pacote anticrime ao Senado

Ideia foi sugerida por senadora Eliziane Gama, do PPS. Mas a senadora Simone Tebet, do MDB, lembra que o Senado é uma casa "revisora" e que caberia à Câmara iniciar a tramitação de um projeto de lei que propõe mudanças na legislação penal e outras

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O ex-juiz Sergio Moro recebeu a proposta de enviar para o Senado o pacote anticrime e prometeu discutir a alternativa com a Casa Civil e outros membros do governo Bolsonaro. A iniciativa ocorre após o ministro da Justiça entrar em conflito com Rodrigo Maia, presidente da Câmara, que quer dar prioridade à reforma da Previdência e tem criticado a insistência de Moro em ver seu projeto de lei tramitar em paralelo.

Segundo informações do Estadão desta terça (26), quem sugeriu a tramitação via Senado a Moro foi a senadora Eliziane Gama (PPS-MA).

Moro, porém, tende a enfrentar outros obstáculos: presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, Simone Tebet (MDB) lembrou que a Casa é “revisora” e projetos como o de Moro têm “que começar regimentalmente pela Câmara para depois vir ao Senado.”

A intenção é de dar “protagonismo aos senadores enquanto os deputados se debruçam nas discussões da reforma da Previdência.” Para Moro, a ideia é interessante porque Rodrigo Maia remeteu o pacote anticrime para um grupo de trabalho que analisará a proposta por 90 dias. Somente após isso é que o projeto de lei passará pelas comissões especiais da Casa.

Para ser analisada no Senado primeiro, um parlamentar terá de reproduzir o projeto de lei como se fosse de sua autoria. De acordo com o Estadão, a presidência do Senado discute as possibilidades em reunião nesta terça.

 

1 comentário

  1. é difícil ter de seguir normas, hein? Bons tempos de juiz ditador que largou para trás para entrar nesta roubada de desgovreno.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome