Coronavírus: Europa tenta conter segunda onda sem quarentenas

Casos registrados superam o visto no começo do ano; estratégia considera adoção de restrições localizadas para evitar lockdowns

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A Europa tem registrado mais casos de covid-19 atualmente do que o visto nos piores momentos da pandemia, em março e abril, segundo avaliação realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Os países da região tentam adotar estratégias localizadas para conter o avanço do vírus, sem a adoção de novas quarentenas.

Apenas na última sexta-feira (18/09), foram registradas 11,2 mil infecções na Espanha, enquanto os casos diários na França chegam a 10,6 mil. Segundo o jornal O Globo, os dois países voltaram a adotar restrições, assim como ocorreu no Reino Unido (os casos na Inglaterra praticamente dobraram em uma semana).

Entre os fatores que contribuíram para o avanço da doença, estão a retomada das atividades após o final dos lockdowns – bastou um relaxamento para que as taxas de infecção voltassem a ocorrer.

Embora o cenário seja considerado grave pelos analistas, ele é diferente do que era há seis meses: hoje se aplicam mais testes do que no ápice da pandemia, e o número de óbitos e internações cresce em ritmo menos lento do que no começo do ano.

O confinamento é um fator importante para conter a infecção e o número de mortes, mas também causou a maior crise econômica desde o final da Segunda Guerra Mundial. Agora, os países tentam evitar um novo lockdown a todo custo, adotando medidas locais e direcionadas, além de campanhas de conscientização sobre a necessidade de se respeitar as diretrizes sanitárias.

 

Leia Também
Boris Johnson quer anular acordos da Brexit e UE acusa infringir direito internacional
O que a Alemanha pode ensinar ao mundo em uma crise, por John Kampfner
Relator da ONU aponta violações de Bolsonaro na pandemia

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora