Custo de prorrogação do auxílio emergencial será menor que o estimado

Medida custará R$ 67 bilhões, segundo Ministério da Economia; projeções de Paulo Guedes indicavam cifra próxima dos R$ 100 bilhões

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O custo para a prorrogação do auxílio emergencial será menor do que o esperado pelas autoridades: o Ministério da Economia informou que a medida custará R$ 67 bilhões aos cofres públicos, valor abaixo do projetado pelo próprio ministro Paulo Guedes, que considerava um valor próximo de R$ 100 bilhões.

Atualmente, o custo mensal do auxílio é de aproximadamente R$ 51,5 bilhões, e a expectativa era que a cifra caísse pela metade com o corte do valor de R$ 600 para R$ 300 – ou seja, perto de R$ 25 bilhões/mês e não para cerca de R$ 16,7 bilhões/mês.

Segundo o jornal Correio Braziliense, um dos fatores que explica a redução é o pente-fino que será feito nos próximos pagamentos do auxílio – a ideia é evitar que o pagamento não seja feito para quem não precisa mais do apoio público, como quem conseguiu um emprego durante a pandemia.

Outro fator envolve um melhor aproveitamento dos recursos do programa Bolsa Família: até então, os segurados recebiam os R$ 600 do auxílio. Agora, vão receber o valor usual do programa e a complementação do auxílio, até o valor de R$ 300.

 

 

Leia Também
Bolsonaro cancela urgência para reforma tributária de Guedes
Maia diz à Globo que “encerrou a interlocução” com Paulo Guedes
“Ainda passa muita água embaixo da ponte”, diz Lula sobre popularidade de Bolsonaro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora