“Estão usando as Forças Armadas como partido e isso é uma grave ofensa”, diz Gilmar

O ministro do STF também chamou atenção sobre as falas do presidente sobre armar a população, questionando se é favorecimento a milicianos

Do Conjur

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, concedeu na noite desta segunda-feira (25/5) uma entrevista ao colunista da revista Época e da CBN, Guilherme Amado. A conversa aconteceu no perfil do Instagram do jornalista.

Gilmar Mendes, entre outras coisas, analisou a relação entre os três poderes da República durante a epidemia e criticou a postura do presidente Jair Bolsonaro e de seus ministros na reunião de 22 de abril — cuja gravação foi divulgada na última sexta-feira (22/5), por decisão do ministro Celso de Mello.

“Fiquei um pouco triste de um tempo tão precioso de pessoas com tanto poder de decisão ser usado para assuntos de pouca relevância ou agressões a pessoas. Foi um episódio singular. Eu nunca vi nada igual”, disse sobre o vídeo da reunião do presidente Jair Bolsonaro com os seus ministros.

O ministro lembrou que não se falou nada sobre o número de mortos durante a epidemia e comentou que seria interessante saber quais proposições saíram daquela reunião.

Gilmar Mendes também comentou o serviço de informações próprio citado pelo presidente. “Isso foi dito diante do ministro da Defesa e do ministro da Justiça. Estavam o general Ramos e o general Braga Neto. Isso precisa ser explicado. Que tipo de serviço é esse? Temos visto nessas manifestações a bandeira de Israel. Será que existe alguma conexão? Isso é um fato que precisa ser esclarecido”, comenta.

O ministro também chamou atenção sobre as falas do presidente sobre armar a população. “O que significa armar a população para garantir a liberdade? O que é isso? Vamos fornecer armas para quem? Para milicianos? É tudo muito peculiar e as pessoas devem ter uma conduta em que elas possam se olhar no espelho”, disse.

Leia também:  Aras usa inquérito contra bolsonaristas para salvar imagem dentro da PGR e STF

Papel das Forças Armadas
Questionado sobre o papel das Forças Armadas no atual governo, Gilmar Mendes apontou que elas servem ao Estado Brasileiro e não a um partido político. “Quando se diz que vamos fechar o STF usando um soldado e um cabo está se fazendo um vilipêndio. Uma ofensa às Forças Armadas. Está se usando as Forças Armadas como se fossem milícias de um partido político. Isso é indigno. Isso é uma grande ofensa”, comenta.

Gilmar também criticou a leitura que se está fazendo do artigo 142 da Constituição Federal de 1988. “Nada tem a ver com a leitura irresponsável que se vem fazendo. As Forças Armadas devem garantir os poderes constitucionais a requerimento de qualquer deles. Elas não servem para fechar um poder da República”, explica.

Gilmar também comentou a manifestação do ministro-chefe do GSI, General Heleno, para quem, caso houvesse uma busca e apreensão do telefone do presidente, isso poderia ter consequências imprevisíveis. “Tenho a impressão de que estamos vivendo uma grande confusão. E acredito que alguns por entenderem mal esse momento acabam talvez tomando atitudes precipitadas. Não houve qualquer decisão. É da rotina do processo decisório do STF ao receber uma notícia-crime encaminhar à Procuradoria-Geral. O ministro Celso não cogitou e não mandou apreender o telefone do presidente da República. As medidas que tomou foram dentro dos marcos legais”, explica.

O ministro também defendeu o levantamento de sigilo da reunião ministerial. “É impróprio falar em crime de abuso de autoridade. A divulgação do vídeo da reunião ministerial foi absolutamente normal. Não se pode falar em vazamento ou crime”, afirmou. Por fim, Gilmar disse que acredita que o inquérito sobre a suposta interferência do presidente na PF deve ser concluído até novembro.

Leia também:  Enfim, o populismo de direita, por João Feres Jr.

Sobre a fala do ministro Abraham Weintraub, para quem todos os ministros do STF estariam presos, Gilmar Mendes imaginou o que diria a defesa do ministro no tribunal: “Talvez ele devesse dizer que se trata de um caso de inimputabilidade”, comentou.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

15 comentários

  1. Já usaram como partido politico a Midia, o Judiciario, o MP, as polícias, e até as Igrejas! Os militares vão ficar de fora?!

    Até parece que essa conversa mole vai comover, sensibilizar…

  2. Primeiro levaram os comunistas,
    Mas não falei, por não ser comunista.

    Depois, perseguiram os judeus,
    Nada disse então, por não ser judeu,

    Em seguida, castigaram os sindicalistas
    Decidi não falar, porque não sou sindicalista.

    Mais tarde, foi a vez dos católicos,
    Também me calei, por ser protestante.

    Então, um dia, vieram buscar-me.
    Nessa altura, já não restava nenhuma voz,
    Que, em meu nome, se fizesse ouvir.

    Martin Niemoller

    #ExercitoApoiaBandidos.
    O Ministro Apoiu a perseguição ao PT, sem problemas. E agora, Ministro, como colocar o gênio de volta na garrafa?
    O Sr. Ministro deve desculpas à nação.

    6
    1
  3. Beiçudo de estimação, chegamos aqui com a tua inestimável ajuda. Fique de olho na janela do confortável stf e verificar a chegada do jipe com o cabo e o sargentão para fechar o teu omisso cercadinho. Melhor talvez, vá para atua fazenda carregar os trabucos e se preparar para…..defender a democracia e liberdade se for a mesma do bozo.

  4. Enquanto uns falam, falam e falam, outros agem…
    BolsoNero (®The Economist) agora, além dos “exércitos”, transformou a PF numa Guarda Pretoriana.

  5. Prezado ministro, por favor veja se concorda:
    1) O sr ficou um “pouco triste” com o desperdício de um tempo caríssimo por aquele grupo dantesco, onde morte de pessoas nao importou?
    Era pra ficar indignado senhor ministro, não “um pouco triste”.
    2) o sr acha interessante saber quais proposições saíram daquela reunião? Ministro, de onde não se espera nada não vem nada mesmo. Afinal o lider da reunião tem sido um pária na vida, nunca produziu nada na politica ou no quartel.
    3) sobre a ameaca do general, o sr “acredita que alguns por entenderem mal esse momento acabam talvez tomando atitudes precipitadas?”
    Nao há nada precipitado aqui excelência. O que existe é um bem pensado plano de destruição da democracia, com implantação de um regime de terror através de milícias com a bênção de alguns generais.
    4) Sobre o inacreditável Weitraub a ameaça de colocar vagabundos na cadeia começando pelo STF, o senhor recomenda que na hipótese de um tribunal os advogados dele ” alegassem que se trata de um caso de inimputabilidade”?
    Jura sr ministro? Dando uma saida para um marginal que ameaça à democracia?

    Sr ministro estamos diante de um projeto violento de poder, que será implantado pelo terror. Espero que o V.Ex lembre de um outro, democratico e legitimo, que o sr, ao transformar equivocadamente em algo doloso, impediu que uma presidente nomeasse, dentro de suas atribuições, um ministro de estado, na ocasiao um grande passo para transformar o país neste esgoto no qual hoje nos encontramos.

  6. Todo apoio ao GM na sua crítica ao uso das FFAAs como partido político, mas…quando o Poder Judiciário foi usado de alto a baixo, ou melhor de baixo até a mais alta corte? Aí tudo bem GM?

    Por que desde o mensalão o PJ (Partido Judiciário, não da Justiça) vem tendo esta finalidade e o GM foi até meados da lavajato um aguerrido militante desse partido. Assim que acabou a razia entre os quadros do PT, aí voragem se esgotou e achou que já era hora de colocar o monstro na caixinha. Conseguiram? Ele tá aí, livre leve e solto cooptando militantes nos quarteis, na reservas…agora não pode? Devia ter visto isso anos atrás né não? Ah más lá era contra o PT,PT,PT, tudo bem…

  7. Ofensa que começou, diga-se de passagem, com este beiçola impedindo o presidente Lula de assumir o posto de ministro sem ter nenhum impedimento para tal.
    O beiçola, que está repercutindo uma fala de seu ídolo, o mais penudo dos bibicudos, podia tratar de pedir desculpas ao presidente Lula e ao povo brasileiro por ter legitimado isso que hoje finge ser ofensa.

  8. Não li sobre pergunta a respeito da participação dele no golpe e na perseguição ao Lula e PT. Deu errado e elegeram o bozo.

  9. O nosso fantástico presidente engrenou e pisou no acelerador rumo à ditadura, e o pior, ele não faz a menor questão de esconder a programação do próprio voo.
    Depois de implodir com a ótima imagem do país no exterior, agora é a vez de arrebentar com as exportações de diversos itens para a zona do euro, sendo possível imaginar, isto graças à inteira aversão do nosso fantástico pelo meio ambiente, outras regiões do planeta agindo da mesma maneira para evitar comer produtos repletos de agrotóxicos, além de reprovarem a matança deliberada nas centenas de tribos indígenas localizadas na Amazônia.
    Não é compreensível a ausência de freios para diminuir o tamanho do desastre, que é inevitável.

  10. Estão usando as FFAA como partido?
    Eles sempre declararam estarem acima de todos. Acima.
    O general de quatro rodas, Vaselinas Boas, declarou
    publicamente que eles eram os mesmos de 64!

  11. Ministro, suas ponderações são muito sensatas e apoio seu pensamento atual, já tive muita contrariedade com o senhor, mas sua contribuição hoje, é importante, especialmente, porque o senhor conhece bem o que o ex juíz e ex ministro da Justiça – Sérgio Moro, fez no passado contra a democracia, a soberania do País e o sistema de Justiça, com a sua parcialidade e desrespeito à hierarquia do Judiciário. Como MJ, Sua omissão e blindagem nos crimes dos Bolsonaros, tem de ser investigada com rigor, tem de investigar a sua interferência na prisão de Ronaldinho no Paraguai. Quais seus interesses no caso?

  12. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome