“Fundação Dallagnol” e relações com FBI precisam ser investigadas, diz Gilmar Mendes

"Essa questão das investigações internacionais, isso precisa ser esclarecido. Se tiver nulidade, terá de ser enfrentado", comentou Gilmar

Jornal GGN – O ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, disse em bate-papo com os advogados do grupo Prerrogativas que o caso da “Fundação Dallagnol” ainda “não se exauriu” e que as relações da força-tarefa da Lava Jato com agentes dos Estados Unidos também precisam ser investigadas.

Gilmar afirmou que a tentativa de se criar uma fundação com R$ 2,5 bilhões, frutos de multa que a Petrobras aceitou pagar para se livrar de um processo nos Estados Unidos, é um “episódio lamentável que mostra a autonomização exagerada” do Ministério Público.

Segundo Gilmar, por trás da fundação “havia um projeto político”. “O sonho de muitas dessas figuras era ganhar dinheiro. Portanto, eles invejavam as pessoas que estavam investigando e queriam ganhar dinheiro” com “palestas”, lembrou.

“Isso é muito grave e esse caso não se exauriu, isso precisa continuar sendo investigado”, disse o ministro.

O magistrado também lembrou das mensagens de Telegram que confirmam relacionamento promíscuo entre a turma da Lava Jato e agentes do FBI e outros órgãos dos EUA. “Essa questão das investigações internacionais, isso precisa ser esclarecido. Se tiver nulidade, terá de ser enfrentado”, adicionou Gilmar.

Assista a partir de 1h20m.

Leia também:

Xadrez do pacto que garantiu R$ 2,5 bi para a fundação da Lava Jato

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Fachin ajuda a Lava Jato derrubando acesso aos dados pela PGR, determinado por Toffoli

2 comentários

  1. É, GM tá afiadão.
    Nulidade, uma palavra muito interessante. Nulidade nos processos tresloucados deste grupo de curitiba poderá significar um #Lulalivre?
    #TamojuntoGM.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome