Guedes quer ganhar dinheiro ajudando as grandes empresas

Na gravação de reunião de 22 de abril, ministro da Economia diz que governo “vai perder dinheiro salvando empresas pequenininhas”

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A reunião de 22 de abril também mostrou a real intenção da equipe econômica de Jair Bolsonaro: acabar com os pequenos empresários para salvar as grandes empresas.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, usou seu pronunciamento para falar de iniciativas sobre microcrédito, salvamento de empresas de aviação e o uso de recursos para salvar grandes companhias, em detrimento das pequenas empresas.

“Nós atacamos em todas as direções. Primeiro, o Campos (Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central) reduziu os compulsórios em duzentos bilhões. Logo depois, nós não tínhamos espaço constitucional, fizemos antecipações de benefícios e diferimento de impostos, porque não tinha espaço constitucional. Logo depois tivemos espaço pelo Supremo e pelo, e pelo Congresso, entramos nas constitucionais. Gastamos trezentos e poucos bilhões, que não é muito. Pra terem uma ideia, o último déficit do governo Temer foi cento e sessenta. Nós gastamos trezentos. Não é? E não gastamos tanto assim, mas atingimos cinquenta milhões de brasileiros como diz lá o Pedro (Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal”.

Depois de se corrigir, falando que os programas atingiram 70 milhões de brasileiros, Guedes diz que foi montado um comitê de bancos junto com Gustavo Montezano, presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para fazer a reestruturação de empresas. E aí é possível ver a intenção real de Guedes.

“Não vai ter molezinha pra empresa aérea, pra nada disso. É dinheiro que nós vamos botar usando a melhor tecnologia financeira lá de fora. Nós vamos botar dinheiro, e… vai dar certo e nós vamos ganhar dinheiro. Nós vamos ganhar dinheiro usando recursos públicos pra salvar grandes companhias. Agora, nós vamos perder dinheiro salvando empresas pequenininhas”, disse o ministro da Economia.

Leia também:  Governo federal anuncia socorro de R$ 60 bi aos estados, mas pede apoio para congelar salário de servidores

 

Leia Também
Salles pede votação de legislação em meio à pandemia
Bolsonaro quer “todo mundo armado” para reagir a quem pensa diferente dele
A promoção da ignorância é a estratégia política da extrema-direita, por Luis Felipe Miguel
A vida pregressa de Moro: GGN investiga a trajetória do ex-juiz com ajuda de leitores

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Agora, entende-se o motivo para o crédito não chegar às micro e pequenas empresas.
    Quem votou no Bolsonaro deveria repensar e parar de imaginar que é elite pois tem mais gordura na sua carne de segunda.

  2. Guedes é um pulha, mas acho que a frase dele foi tirada do contexto. Entendi que ele quis dar a entender que salvaria as pequenas mesmo perdendo dinheiro. Mas, que seja. Afinal ele maltrata o vernáculo como é de praxe nesse governo. Lula também batia na língua mater, mas o fazia com a elegância dada pela humildade, pela absoluta franqueza ao falar da deficiência em sua educação escolar. Já Guedes tropeça na própria arrogância e é denunciado quando ao fazer citação em latim, por ocasião da mesma reunião, transformou pari-passu em paripaçú. Pera aí! paripaçu? sério? Entrar pelo latim e sair no tupi-guarani? Sim! e sem perder o rebolado. Essa anta é o símbolo máximo do capitalista brasileiro. Nada em dinheiro, estuda nas melhores escolas, conhece o mundo e não apreende xongas! C’est la crème de la crème de l’ignorance.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome