IGP-M encerra segundo decêndio do mês em alta de 4,57%

Taxa acumulada em 12 meses chega a 18,20%, segundo FGV; inflação ao produtor segue em alta, enquanto IPC e INCC não apresentam mudanças significativas

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 4,57% no segundo decêndio de setembro, ante 2,34% no mesmo período do mês anterior, segundo dados divulgados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Com este resultado, a taxa acumulada em um período de 12 meses passou de 12,58% para 18,20%. O segundo decêndio compreende o período de 21 de agosto de 2020 a 10 de setembro de 2020.

O destaque do período ficou com a inflação ao produtor, que segue em alta e disseminada pelos estágios de processamento: o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) subiu 6,36%, ante 3,15% no segundo decêndio de agosto.

Na análise por estágios de processamento, os preços dos Bens Finais passaram de 0,96% em agosto para 2,89% em setembro, puxado pelo subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 2,41% para 6,21%.

O índice referente a Bens Intermediários subiu 4,14%, ante 2,67% no mesmo período de agosto, puxado pela alta do subgrupo materiais e componentes para a manufatura, que passou de 2,27% para 4,13%.

A taxa do grupo Matérias-Primas Brutas foi de 5,60% para 11,31%, devido ao avanço dos itens minério de ferro (9,24% para 17,01%), soja em grão (4,73% para 12,53%) e milho em grão (4,33% para 14,27%). Em sentido oposto, destacam-se os itens leite in natura (12,40% para 9,29%), suínos (23,94% para 12,90%) e laranja (7,89% para 2,76%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou 0,38% no segundo decêndio de setembro, após subir 0,41% no mesmo período de coleta de agosto, devido à queda apurada em quatro das oito classes de despesa componentes do índice, com destaque para o grupo Saúde e Cuidados Pessoais (0,54% para -0,50%).

Leia também:  Óleo de cozinha aumenta 62% no ano e pressiona renda dos mais pobres e informais

Também foram computados decréscimos nas taxas de variação dos grupos Comunicação (0,38% para 0,01%), Vestuário (-0,50% para -0,73%) e Despesas Diversas (0,43% para 0,29%). Em contrapartida, os grupos Educação, Leitura e Recreação (-0,73% para 0,40%), Alimentação (0,50% para 0,80%), Transportes (0,92% para 0,94%) e Habitação (0,47% para 0,48%).

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 0,98% no segundo decêndio de setembro. No mês anterior, o índice havia variado 0,96%.

 

Leia Também
Uma em cada 4 empresas de serviços planeja demissões, diz FGV
População desocupada cresce e chega a 13,7 milhões de pessoas na pandemia
Imprensa fala a língua do especulador sobre a explosão dos preços dos alimentos
Banco Central mantém taxa de juros estável em 2% ao ano

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome