Moro se apropria de parecer de Temer para travar demarcação de 17 terras indígenas

Ministro devolve processos à Funai baseado em tese não prevista na Constituição

Foto: Lula Marques/AgPT

Jornal GGN – Seguindo as ordens do chefe, Jair Bolsonaro (sem partido), que já anunciou diversas vezes que não demarcará mais “nenhum centímetro” de terra indígena no país, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, recorreu a um parecer aprovado por Michel Temer (MDB) para devolver à Fundação Nacional do Índio (Funai) 17 processos de demarcação de terras indígenas. 

Os processos estavam à espera de uma decisão do ministro, que reconhece a devolução de apenas cinco processos, de acordo com informações da pasta apuradas pelo jornal Folha de S. Paulo. 

Com a decisão de Moro, as demarcações irão demorar ainda mais, ocasionando o surgimento de mais dúvidas sobre as terras e municiando partes contrárias às demarcações, acrescenta a reportagem.

Nas devoluções enviadas à Funai, Moro alega que a consultoria jurídica do ministério “sugeriu a devolução” dos processos para a Fundação Nacional do Índio “avaliar, ponto a ponto, o cumprimento das diretrizes fixadas no parecer” assinado por Temer em 2017 a partir de uma manifestação da Advocacia-Geral da União (AGU).

O parecer de Temer impõe sobre as demarcação de terras o chamado “marco temporal”, uma interpretação jurídica não prevista na Constituição. A medida só assegura o direito sobre a terra “desde que a área pretendida estivesse ocupada pelos indígenas na data da promulgação da Constituição Federal”, em outubro de 1988. Caso contrário, ainda que existam registros antropológicos demonstrando que antepassados lutaram e ocuparam a terra, os indígenas não teriam mais direito algum sobre a região. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Erro do governo Bolsonaro deixa 923 mil sem auxílio emergencial e Bolsa Família em agosto

5 comentários

  1. Esse fdp (extensivo ao Temer) chegaram aqui no Brasil (seus familiares) há pouco mais de 100 anos, pegaram um país com as fronteriras todas demarcadas à custa de muito sangue, principalmente indígena e negro, e agora age como se fosse o dono do pedaço (extensivo a seu chefe).

  2. Não demarcar com uso dessa interpretação é liberar invasão seguida de genocídio…
    pois é o ser da terra, e todo indígena é, que garante e obriga a demarcação, e não o ter direito sobre esta terra antes ou depois de determinada dada

    os indígenas sempre foram da terra, estando ou não no local, nesta ou naquela data

  3. A esquerda namaste vai soltar uma notinha indignada e seu lider vai escrever uma coluna naquele jornal golpista criticando a Dilma e elogiando o fhc

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome