Nicolelis: Brasil deve estocar equipamentos e preparar população para nova quarentena

Para cientista, País precisa se antecipar à segunda onda e informar à população sobre a hipótese de retomada das restrições mais duras

Foto: Jailton Garcia

Jornal GGN – O neurocientista Miguel Nicolelis, coordenador do Comitê Científico do Consórcio Nordeste, afirmou em entrevista ao Globo desta terça (20) que o Brasil deve se antecipar à segunda onda do novo coronavírus, começando a estocar medicamentos, EPIs (equipamentos de proteção individual), testes e outros insumos necessários ao enfrentamento da pandemia.

Para o cientista, também está na hora de preparar a população para a possibilidade da retomada das restrições sociais mais rígidas, como o fechamento dos serviços não essenciais.

O Brasil registra hoje 5,2 milhões de casos de Covid-19 e 154 mil mortes. Uma projeção da Universidade de Washington aponta que o País chegará a 175 mil mortes no começo de janeiro, quando a média móvel de óbitos deve cair para o patamar de 160 mortes ao dia.

Apesar da tendência de queda nos números da pandemia, Nicolelis diz que o cenário internacional é preocupante e pode afetar o Brasil. A Europa já vive uma segunda onda – a Irlanda foi o primeiro país a retomar o lockdown nesta semana – e os Estados Unidos atravessam um terceiro pico. Para Nicolelis, é preciso fechar aeroportos de novo antes que seja tarde.

“Temos que nos preparar agora. Isso significa pensar em fechar o espaço aéreo brasileiro, reabastecer de máscaras, testes, EPIs, medicamentos. Tudo que faltou no primeiro momento da nossa crise. E tem que preparar a população para a possibilidade de retorno de restrições mais rígidas como está acontecendo na França, Alemanha e Portugal”, disse.

Nicolelis lembrou que, no começo da pandemia, o Brasil sofreu por falta de equipamentos de proteção. Em entrevista ao Roda Viva, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta disse que não usou os agentes comunitários de saúde numa estratégia nacional para rastrear casos e conter as cadeias de transmissão do vírus justamente por falta de máscaras, testes e outros EPIs. “Isso tudo vai sumir do mercado internacional de novo”, disse Nicolelis.

Para o cientista, no Brasil as “pessoas estão contando com a vacina e não temos nada concreto ainda.”

Leia também:  Total de congressistas eleitos em eleições municipais é 60% menor

[+ ‘Saco cheio’ é compreensível, mas pandemia ainda não acabou, diz Natália Pasternak]

“Eu já estou pensando no final do ano. Nas festas que, em teoria, não deveriam ocorrer. Deveriam ser coisas familiares, restritas. Se a maioria de lugares cancelou o carnaval, o réveillon é a próxima bomba relógio”, disparou.

Na Europa, a segunda onda apresenta um número de casos várias vezes mais alto do que na primeira onda, apesar da mortalidade estar reduzida.

“Tem que ter um olhar global. É uma pandemia, o próprio nome já diz. Não pode fazer planejamento do Nordeste, do Brasil sem acompanhar a situação mundial. Isso é determinante para a atuação local.”

BRIGADAS. Ainda de acordo com Nicolelis, uma das recomendações aos estados é a adoção de “brigadas emergenciais de saúde. É um grupo de profissionais de saúde que vão nas casas das pessoas para atender casos suspeitos”, conforme sugeriu o Comitê Científico do Nordeste. “No nosso último relatório, o estado que melhor se saiu nessa atuação foi o Piauí.”

Leia também:

Brasil nunca se preparou devidamente contra a Covid, diz Miguel Nicolelis ao GGN

Vídeo recomendado:

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Os entenddos querem antecipar o pânico daquilo q nem sabem.pq não APROVEITA E EXPLICA O PQ DO VÍRUS SER DIFERENTE DO DA ESPANHA Q É DIFERENTE DO DA ITÁLIA Q É DIFERENTE DA DOS EUA(CEPAS)?NÃO É UMA PANDEMIA?(termo utlizado para um mesmo tiipo de vírus acontecendo no mundo,então não é uma pandemia,oras!)
    Obs.:Engraçado q pouco tempo antes desta “epidemia”nestes países,houve vaci.nação das faixas etárias q mais morreram e…TENHO CERTEZA Q A VÁ.CINA É Q NÃO FOI,FOI O VÍRUS LETAL,ISTO É SOMENTE MERA COINCIDÊNCIA !!!!

    3
    50
      • Homero lhe mando um belo MUUUUUUUUU !!!!!
        OBS:Aproveita e já pega senha para a vá.cina,será ultraconcorrido,vai ficar sem a sua se não ficar ligeiro,começa pela sua maezinha idosa !!!

        4
        20
    • Ah..pois é…esta reportagem carrega a opinião de um neurocientista…ele deve ser só mais um “entendido”…deve saber de nada não…ele está errado e vc é que está certo! Boa sorte!

      23
  2. Eu quero mais que vocês eleitores de Bolsonaro e negacionistas, que estão criticando o médico da entrevista, se fodam, que vocês morram no inferno junto com o covid.

    7
    2

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome