O novo plano de Guedes: derrubar estabilidade de servidores

Ministro da Economia disse que Congresso pode incluir medida – que não está no texto original

Paulo Guedes, Ministro da Economia. Foto: World Economic Forum/Ciaran McCrickard (via fotospublicas.com)

Jornal GGN – A proposta de reforma administrativa do governo Jair Bolsonaro chegará em até duas semanas no Congresso, mas o ministro da Economia, Paulo Guedes, não está satisfeito com o texto final – e justamente por conta do item que não mexe na estabilidade dos servidores públicos.

Segundo informações do jornal Correio Braziliense, Guedes disse que a decisão de não se alterar a estabilidade do funcionalismo dos atuais servidores cria uma “restrição política” que “compromete a potência fiscal das mudanças”.

O ministro da Economia disse que a matéria que mexe nas regras de estabilidade, avaliação e remuneração do funcionalismo deveria ser válida para todos os servidores, apesar do impasse político. Na visão de Guedes, “a economia tem de estar próxima da verdade. Agora, o que é possível fazer politicamente é outro departamento”.

Pressionado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a apresentar logo o texto, Guedes sugeriu que não quer mais adiar o encaminhamento para evitar desidratação – e que a apresentação da proposta foi interrompida devido ao timing político, uma vez que o presidente Jair Bolsonaro preferiu ajustar o texto e “não quis dar pretexto para botar a desordem na rua” ao final do ano passado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Guedes diz que vai "para o ataque" das privatizações no que falta de governo Bolsonaro

3 comentários

  1. Guedes quer mesmo é destruir o Estado. Seu ideal é transformar o serviço publico numa empresa que dê lucro.. Seu ideal é ter uma universidade com professores temporários, seguindo so moldes de suas universidades particulares. E isto ele quer fazer não pela competitividade, mas sim para liquidar com a competição entre universidades publicas e privadas. Eles querem fatiar a Petrobrás, não para criar competição, mas sim para retirá-la da competição. Mas nossos liberais e seguidores repetem o mantra. Não se deve esquecer que para estes liberais retirar o dinheiro publico das atividades do estado significa direciona-lo para a ganancia empresarial e do tal mercado. No momento Guedes tomou conta do orgão das privatização que como no caso do terreno em Brasilia vai vender tudo a preço de banana para as palmas dos empresários e do mercado. Sem consulta a população, nem ao Senado, as riquezas minerais do país estão a venda. as terras estão a venda tudo esta a venda. Quanto ao funcionalismo ele quer mesmo é aniquilar, para que não haja possibilidade de retorno. Sua proposta visando atingir todos , atropela direitos e contratos, mas nossa imprensa, legislativo e judiciário irão provavelmente se calar. Será importante descobrir de onde virá o dinheiro para os votos. Creio que teremos contribuição privada para as campanhas.

    17
  2. Se passar, vai ser uma festa de demissões e contratações a cada mudança de presidência, ministro, prefeito, governador, sessão legislativa (mais ainda) e que tais.
    Nossa “elite”, além de ser privilegiada, consegue ser invejosa com o que possa parecer ser privilégio alheio.
    Na verdade eles pertencem a um bizzarro “capitalismo comunista” onde ao invés de elevarem um patamar decente para todos os brasileiros, com proventos e direitos de bom nível, uma aposentadoria digna, eles gostam mesmo é de nivelar para baixo, chicotear sempre que têm o chicote na mão.
    Pra eles, tudo, inclusive o poder de “moralizar” os “vagabundos” que lhes custam dinheiro, melhor aplicado em derivativos, negociatas e contas em refúgios fiscais.

    Esse Guedes (como sua curriola) é o Ó do borogodó!
    E vai queimar o resto do estoque…

    13
    2
  3. Conheço muito funcionário-otário que votou no Bozo porque o problema era a “corrupiçãodoPT”. Outros votaram convictos de que “qualquer coisa era melhor do que o PT”.
    Isso me leva a conclusão obrigatória de que Lincoln estava errado. Dizia o famoso ex-presidente dos USA que “era impossível enganar todos o tempo todo”. Errado. No Brasil a Globo et caterva mostraram que isso é mais do que possível… É possível, sim, enganar todos o tempo todo. Mais ainda: tratar os idiotas como idiotas sem eles perceberem que são idiotas. Talvez essa tenha sido o maior feito da Globo em toda sua história: tratar as pessoas como completas imbecis sem que elas se dessem conta disso….
    Daí deriva uma segunda conclusão obrigatória: essa é a pátria dos idiotas.

    11

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome