Pesquisa mostra que 1/3 defende fechar STF e Congresso; Flávio Dino culpa “arroubos autoritários”

Diante da frase “Em algumas circunstâncias, um governo autoritário pode ser melhor”, 23% concordam, mas outros 55,3% afirmam que “a democracia é preferível a qualquer outra forma de governo”

Tomaz Silva/Agência Brasil

Jornal GGN – Pesquisa divulgada pelo site JOTA em parceria com o Ibpad (Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados) mostra que cerca de um terço da população brasileira apoia o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal.

Reagindo ao estudo, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), chamou atenção para os “arroubos autoritários” do ministro da Justiça Sergio Moro.

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

No final de junho, manifestantes bolsonaristas ocuparam as ruas em apoio à Lava Jato, que enfrenta uma crise em decorrência de vazamentos de mensagens de Telegram trocadas entre membros da força-tarefa com o ex-juiz de Curitiba. Na internet, Moro se manifestou sobre os atos: “Eu vejo, eu ouço”, escreveu, em alusão a uma passagem bíblica.

“Aí estão os resultados de arroubos autoritários, em que o vale-tudo rasga a legalidade”, disparou Dino. “Por isso, defendo com tanta convicção o liberalismo político verdadeiro. Ele é profundamente atual e necessário para conter o extremismo no Brasil”, acrescentou.

Segundo o Jota, 34,9% dos entrevistados disseram concordar com a frase “Em algumas situações, o governo deve fechar o Congresso”.

Outros 32,9% concordam com a frase “Em algumas situações, o governo deve fechar o Supremo Tribunal Federal”.

A maioria, contudo, ainda discorda de que as instituições podem ser fechadas ao sabor da crise: 50,9% em relação ao Congresso e 54,2%, sobre o STF.

Leia também:  Acusação sem base levará Petrobras a pagar indenizações milionárias a servidores

Quando a frase é “Em nenhum situação é aceitável fechar o Congresso ou o Supremo”, 42% concordam em 40,9% discordam.

Sobre a sentença “A democracia pode ter problemas, mas é o melhor sistema de governo”, 79,3% concordam e 14%, discordam.

Diante da frase “Em algumas circunstâncias, um governo autoritário pode ser melhor”, 23% concordam, mas outros 55,3% afirmam que “a democracia é preferível a qualquer outra forma de governo”.

De acordo com os dados do Jota, quanto mais identificado com o bolsonarismo, maior a tendência do entrevistado em concordar com o fechamento das instituições e com o regime autoritário.

Leia a pesquisa completa no Jota:

Pesquisa JOTA: 34% dos brasileiros aceitam fechar o Congresso e 32%, o STF

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Certa vez, Allah O Misericordioso, resolveu premiar um homem que se dedicava, com todas suas forças, a ajudar seus semelhantes. “Diga-me o que desejas, meu filho”, exortou O Onipotente. O homem santo, pensou demoradamente como deveriam fazer os sábios, e pediu humildemente: “Queria apenas livrar-me da língua dos homens”. O Onisciente se curvou ao seu ouvido e sussurrou: ‘Meu filho, queres ser melhor que eu?”.
    Não que os políticos, juízes e promotores sejam homem santos. Também tenho pouca notícia que em sua maioria sejam sábios. Humildade então, é algo praticamente inexistente. Apesar disto, muitas vezes acredito que a língua seja muito cruel para com eles.
    Especialmente a língua ferina da imprensa, que incutiu a verdade de que ninguem presta. Nenhum humano, sob as lentes poderosas dos jornalistas, escapa aos defeitos reais ou imaginários que observarem.
    Por outro lado, políticos, juízes e promotores, encastelados em seus trajes e privilégios, desprezam a quem deveriam servir. Têm certa razão. O Povo é volúvel, vingativo, irresponsável. Como fonte de poder, adora humilhar e destruir ídolos.
    Por causa disto, inventamos ética, lógica, moral. Ideias que deveríamos respeitar para que evitássemos certas paixões, vícios que corrompem.
    Mas parece, que tais ideias jamais conseguem penetrar a dura vaidade humana.
    O que temos são políticos, juízes, promotores, povo, todos preocupados com seus interesses particulares. Com seus ódios. Com seus ressentimentos.
    Não há cura para isto, porque nenhum quer se reformar. Nenhum quer melhorar.
    Que então se entreguem às destruições, que logo chegarão. Não haverá futuro brilhante para nós humanos. Nosso ódio em breve, nos levará à guerra. Destruiremos o pouco avanço que geramos.
    Talvez seja melhor assim.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome