Promotores deveriam ter apresentado delação favorável a Lula ao juiz, diz Zanin

Em vez disso, Ministério Público tenta investigar "vazamento" da delação de ex-Odebrecht, argumentando, equivocadamente, que era sigilosa

Foto: Ricardo Stuckert

Jornal GGN – A delação em que Carlos Paschoal, da Odebrecht, diz ter sido “quase coagido” a apresentar uma narrativa sobre o sítio de Atibaia que agradasse a Lava Jato deveria ter sido encaminhada ao Juízo como prova favorável ao ex-presidente Lula.

A observação foi feita pelo advogado do petista, Cristiano Zanin Martins, em mensagens disparada nas redes sociais nesta segunda (22).

No Twitter, Zanin escreveu: “O promotor que se depara com provas de que alguém está sendo acusado injustamente deveria encaminha-las ao juízo competente e não deixá-las em sigilo.”

Em vez disso, os promotores de São Paulo que colheram o depoimento pedem uma investigação do vazamento da delação, argumentando, equivocadamente, que ela era sigilosa.

Segundo a jornalista Monica Bergamo, o juiz da 3ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, Fausto Seabra, respondeu que o processo é público e qualquer um pode acessá-lo. Os jornalistas, inclusive, obtiveram cópias da delação no próprio cartório da 3ª Vara, contou a colunista da Folha.

O pedido de investigação do “vazamento” foi apresentado por Silvio Marques, do MP de SP, alegando que ele causou constrangimento à instituição.

No Twitter, Zanin ainda lembrou que há outras evidências no processo que atestam que Lula não recebeu valores indevidos da Odebrecht.

“Demonstramos por meio de perícia que os valores que delatores da Odebrecht disseram que teriam sido gastos no sítio de Atibaia na verdade foram sacados em favor de executivo da própria empresa. O depoimento revelado hoje pela imprensa só reforça o que falamos.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Zanin está correto. O MPF tem o dever de pedir a absolvição do réu quando as provas não demonstram a materialidade do delito, autoria e culpa. Esconder provas favoráveis ao réu é a única coisa que deveria ser investigada nesse caso.