Que bonitinho o texto que escrevi em 23 novembro 2008!

Estava procurando um pouco no passado alguns assuntos que me interessavam, por surpresa caí num texto que escrevi em 23 de novembro de 2008 que pode ser achado aqui.

Porém vou recoloca-lo exatamente da mesma forma que escrevi, se alguèm tombar sobre ele que faça algum comentário.

.

.

Uma crise econômica ou a crise de um Império?

Publicado por Rogério Maestri em 23 novembro 2008 às 23:28 em Economia

 

Muitas pessoas procuram nos números das bolsas ou na insolvência de grandes grupos financeiros e industriais para tentar explicar a crise atual. A partir dessas simplificadas explicações surgem efeitos que não consigo entender e que peçam que me esclareçam.

.

Enquanto a economia americana apresenta fortes sinais de exaustão, economia real, não a monetária. Enquanto a capacidade de produção americana de bens materiais diminui dia a dia, fenômeno que já perdura uns trinta anos, a moeda americana se fortalece cada vez mais. Se os Estados Unidos fosse um país de terceiro mundo, a análise das contas públicas deste país, junto com a quantidade de moeda norte-americana indicaria um alto grau de risco, mas apesar de tudo isto enorme quantidade de capitais migram diariamente para moeda americana.

.

A explicação da crise atual talvez seja mais profunda que especialistas em economia possam notar, sempre é interessante ressaltar que analisar um fenômeno com uma ótica válida para uma série contínua no tempo e uma coisa, entretanto se esta série está apresentando um ponto de ruptura ou descontinuidade, a análise baseada nos parâmetros atuais é completamente distorcida. .

Exemplificando, analisar a queda do Império Romano com a ótica de um historiador da época resultaria numa interpretação que não levaria em conta todas as mudanças sociais que ocorreram durante o fim deste Império.

.

Classificar os Estados Unidos como um Império, não significa dar a conotação política e simplista do discurso dos anos 50 a 80, significa sim, dizer que como potência hegemônica durante cinqüenta anos este país teve a capacidade de ditar várias regras de comércio e relação exterior para sua periferia. Não se deve demonizar ou beatificar a sua política à sua zona de influência, pois ela pode ter sido em determinados instantes até benéfica externamente e a longo prazo com efeitos perversos para sua própria economia.

.

A partir do acima considerado podem-se formular algumas questões, tais como:

.

Até que ponto a crise atual poderá ser revertida a médio prazo, retornando ao “status quo” anterior?

.

Qual é a real capacidade de produção e de acumulação de riqueza atual dos Estados Unidos em relação ao valor nominal da sua economia?

.

Qual seria a semelhança da crise americana atual com crise de outros impérios no passado?

.

Estou somente colocando questões que acho importantes, não tenho capacidade de respondê-las e espero que se discuta sobre o assunto. A abordagem, a meu juízo, deve passar por uma visão mais ampla do que apresentada hoje em dia.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome