Singer: Bolsonaro impõe “autoritarismo furtivo” e impeachment é mal necessário

Bolsonaro "está cumprindo à risca o que prometeu na campanha e tentando alargar o seu poder, o que é, literalmente, a transição para o autoritarismo", diz cientista político

Jornal GGN – Jair Bolsonaro é um exemplo claro do que a ciência política de “autoritarismo furtivo”. Eleito pelo povo – portanto, dentro da estrutura do Estado de Direito – Bolsonaro mina as instituições democráticas de dentro para fora, tentando consolidar seu projeto autoritário de poder.

Diante de uma ameaça real à sua própria existência, as demais instituições da República estão vacilantes. Rodrigo Maia, que cuida de uma dezena de pedidos de impeachment, está enquadrado pela relação de Bolsonaro com o centrão.

O Brasil não merece passar por um processo de impeachment a cada novo mandato presidencial, mas a situação é “excepcional” e o afastamento de Bolsonaro torna-se um mal necessário. É o que avalia o cientista política André Singer.

Segundo Singer, o autoritarismo furtivo dispõe sobre a “transição lenta da democracia para o autoritarismo, por meio de uma ação conduzida por líderes democraticamente eleitos e que se dá por dentro do Estado de Direito, e não como uma ruptura. É muito diferente dos golpes de Estado em que um certo dia apareciam tanques na rua, é um retrocesso em direção ao autoritarismo. E como é induzido por dentro das brechas das leis, a opinião pública, os movimentos sociais, a sociedade civil e a oposição não percebem bem o que está acontecendo e não conseguem mobilizar a sociedade.”

Neste momento, Bolsonaro mina a resistência fortalecendo suas alianças com o Centrão, que é quem pode blindá-lo do impeachment na Câmara. “Este acordo abalou a atuação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, peça-chave na resistência até porque dele depende a possibilidade de haver uma continuidade de um pedido de impeachment.”

Leia também:  A pandemia como laboratório para a ciência econômica, por Fernando Nogueira da Costa

“A sociedade e as instituições, incluindo partidos políticos, precisam tomar consciência do perigo e por um paradeiro a isso. Daqui a pouco será tarde demais. Não é um perigo menor. O apoio popular que ele parece manter, um terço do eleitorado, não é a maioria do pais. A maioria quer a democracia. E a Constituição dá os instrumentos legais para se afastar um chefe do Executivo que ameaça a democracia”, advertiu Singer.

Para ele, “o Brasil não pode fazer um impeachment por mandato e não deve. Mas estamos em uma circunstância excepcional.”

Com informações do Valor Econômico

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Não tem como haver impeachment sem pedir perdão ao PT e ao povo brasileiro que foi ludibriado por falsos varões de Plutarco .
    Se,por alguma forma,isso vier a ocorrer sem essa correção histórica, teremos não um,mas dois grupos ressentidos com a história e,com isso, uma sociedade ainda mais fragmentada e,aí sim,com forte possibilidade de guerra civil e,como resultado disso,a implantação de um regime autoritário da pior espécie possível.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome