A Suécia foi um dos primeiros países a implantar a esterilização eugênica compulsória, por Rogério Maestri

Com a epidemia do Coronavirus, um burocrata do serviço de saúde sueco, Anders Tegnell, está impondo uma total liberdade sem quarentena aos suecos

A Suécia foi um dos primeiros e últimos países a implantar a esterilização eugênica compulsória, agora chegou a vez dos velhos

por Rogério Maestri

A Suécia, que muitos citam erroneamente como um exemplo de socialdemocracia, foi um dos primeiros países no mundo a implantar a esterilização compulsória de pessoas que eles achavam inadequadas e um dos últimos a deixar esta prática (1935-1975).

Durante esse período estima-se que a Suécia esterilizou aproximadamente 62.000 pessoas, só sendo ultrapassada pela Alemanha Nazista e mais ou menos o mesmo número nos Estados Unidos, por habitante talvez tenha sido o país que mais esterilizou.

Doentes mentais, minorias étnicas e mais outros elementos indesejados foram esterilizados, porém desde o início do movimento eugênico da Suécia esse era baseado na forma de garantir o Estado de Bem Estar Social, talvez por isso mesmo com os governos sociais-democráticos a eugenia deixou de ser compulsória mas se torno “voluntária”, chegando ao ponto do Estado Sueco ter que pagar uma boa indenização de uma senhora que por ter deficiência visual (miopia) e como não conseguiu se alfabetizar na infância foi considerada “retardada mental” e esterilizada. Já na idade adulta ela comprou óculos e consegui se alfabetizar.

Com a epidemia do Coronavirus, um burocrata do serviço de saúde sueco, Anders Tegnell, está impondo uma total liberdade sem quarentena aos suecos, pois na realidade a Suécia não tem nos dias atuais equipamentos para manter a vida de idosos, sendo que os idosos e vivem na sua imensa maioria completamente afastados da família, estão morrendo como moscas, mas tudo isto com a aprovação dos jovens, loiros e elegantes suecos que seus velhos são na verdade um peso ao sistema social.

Que bela socialdemocracia! Deviam mandar o Bolsonaro para lá.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora