Acordo político prendeu Temer?, por Luiz Carlos Prata Regadas 

Ou seja, ele não foi baseado em provas irrefutáveis, mais sim num acordo político para elevar a popularidade da operação Lava Jato e do Presidente Bolsonaro que estavam em queda brusca

Acordo político prendeu Temer? 

por Luiz Carlos Prata Regadas 

Prisão de Temer fez parte de um acordo para manter a governabilidade do governo do presidente Jair Bolsonaro, segundo informa o site Brasil 247.
Ou seja, ele não foi baseado em provas irrefutáveis, mais sim num acordo político para elevar a popularidade da operação Lava Jato e do Presidente Bolsonaro que estavam em queda brusca e uma forma da operação sair da defesa e fazer um rápido contra-ataque.
Este fato é mais uma prova que a prisão de Temer, que já deveria ter sido preso faz muito tempo, mas que não foi porque segue o time da operação que usa suas “fichas” quando precisa restabelecer as forças para pressionar, a popularidade, a justiça (Supremo) a mudarem as leis e ou a aceitarem suas leis e para o congresso votar as reformas propostas pelo Palácio do Planalto.
Ou seja, o que estão fazendo é retaliação. Essa turma procuradores fascistas não estão medindo esforços para dizer que irão fazer de tudo para governar. Acho que acreditam fielmente, uns, que Bolsonaro é honesto e que não fará um governo bom se não tirarem esses corruptos do lado dele e para tal farão de tudo para tirar para que votem o que por ele for enviado nem que para alcançar esse objetivo precisem mandar avisos como as prisões de ontem de Temer e de Moreira Franco, o gatinho de Angorá como é conhecido, ao presidente da câmara Rodrigo Maia (DEM- RJ), aos deputados e aos senadores.
Por sinal muitos ficaram apavorados com as prisões como o senador Tasso Jereissati que saiu em defesa de Michel Temer. Talvez ele agora acredite que se não posto freio na Lava Jato qualquer um dos congressistas “idôneos” possam vir a ser o próximo.
O que pode salvá-los?
A ajuda recíproca do congresso e do Supremo (STF) agindo contra as arbitrariedades da Lava Jato que apoia o presidente Bolsonaro. Ou seja, aplicando a lei como os ministros da Suprema Corte brasileira fizeram ao votarem que o Caixa 2 deve ser julgado pela Justiça Eleitoral assim como sempre foi, mas deixou de ser quando tentaram destruir Lula e o PT.
Sendo assim, tenho que concordar com o ministro Gilmar Mendes que estamos vivenciando uma briga do Estado versus o Estado paralelo (Lava Jato).

 

Luiz Carlos Prata Regadas

Sociólogo e Mestre em Planejamento e Políticas Públicas pela Universidade Estadual do Ceará – UECE
Leia também:  A Física e a Política, por Izaías Almada

4 comentários

  1. O STF faz muita ginástica pra ser garantista por Aecio, Temer e os golpistas enquanto age criminosamente contra Lula

    Como vai ficar a fita deles com a condenação do Brasil pela ONU em maio, no processo da perseguição a Lula?

  2. Creio que Moro esperava um habeas corpus do STF para desqualificar o STF.

    Acharam que agendando a análise do pedido pra quarta feira o STF iria dar o habeas corpus. Como não deu, a própria lava jato por intermédio de um de seus desembargadores soltou o Temer.

    Sem falar também que não era uma operação da Lava Jato, associaram a Lava Jato pra gerar propaganda a favor da Lava Jato.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome