Quando os destruidores dominam, a construção é o programa mínimo, por Cesar Cardoso

É um governo ideologicamente impregnado na aliança entre o ultraconservadorismo e as duas religiões do capitalismo ultraliberal do século XXI

Quando os destruidores dominam, a construção é o programa mínimo

por Cesar Cardoso

O atual governo não demorou muito tempo para mostrar sua face: o objetivo é destruir, queimar, botar tudo no chão. É um governo ideologicamente impregnado na aliança entre o ultraconservadorismo e as duas religiões do capitalismo ultraliberal do século XXI – o neopentecostalismo e o coaching – e que, portanto, acredita que a destruição ampla, geral e irrestrita servirá para “purificar”, “limpar”, “reconstruir” o país, dentro de uma coisa que eles não sabem muito bem o que significa, mas que já sabemos que envolve a submissão aos EUA (pátria das duas religiões do capitalismo ultraliberal) e a rejeição a tudo que não for “ocidental” (mundo, do qual, só participamos tangencialmente).

No entanto, sabemos, o fogo não purifica, o fogo não liberta; o fogo queima, o fogo carboniza, o fogo retira nutrientes da terra e a torna mais pobre. Nada se constrói do fogo.

Leia também:  Maternidade e outros temas, por Ricardo C. Fraga