Codevasf não consegue comprovar valor das obras realizadas em 2021

Atrelada ao ministério comandado por Rogério Marinho até março, autarquia recebeu R$ 3 bi em emendas no governo Bolsonaro

Rogério Marinho, ex-ministro do Desenvolvimento Regional e pré-candidato ao Senado pelo RN. Foto: Câmara dos Deputados

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) fechou o ano de 2021 sem conseguir apresentar em seu balanço o valor real das obras que realiza. A estatal recebeu R$ 3 bilhões em recursos no governo Bolsonaro via emendas parlamentares.

“A companhia apurou todas as operações registradas na contabilidade, mas ainda está verificando a existência das operações registradas para realizar os devidos ajustes contábeis e, assim, apresentar o saldo contábil de forma fidedigna”, diz relatório elaborado pela consultoria independente Russell Bradford, segundo reportagem do jornal Folha de São Paulo.

Apesar dos atritos com o ministro da Economia, Paulo Guedes, a Codevasf recebeu uma quantidade de dinheiro considerável durante o governo Bolsonaro.

Apenas no ano passado, 61% do orçamento total da Codevasf foi destinado por deputados federais e senadores.

A autarquia está vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Regional, que foi comandada por Rogério Marinho até o mês passado. O ex-ministro é pré-candidato ao Senado Federal pelo Rio Grande do Norte.

Leia Também

Câmara sente repercussão negativa e desacelera PL que autoriza mineração em terras indígenas

A casa do parlamentar brasileiro e o terror de ter eleitores à sua porta, por Ricardo Spindola

Escândalo do kit robótica expõe influência de Arthur Lira sobre Bolsonaro

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador