Delator diz que contratos eram “legais”, mas Lava Jato muda a delação

"Está confundindo legal por formal. Os contratos eram formais, mas não legais", diz a procuradora que mudou ao delator que embasou a operação Esquema S

Jornal GGN – Em três vídeos divulgados na noite de segunda (14) pelo site O Antagonista, a equipe da Lava Jato do Rio de Janeiro aparece sugerindo e fazendo alterações conforme seu próprio entendimento na delação premiada de Orlando Diniz, ex-presidente da Fecomércio, que deu origem à operação Esquema S.

Na semana passada, Adriana Ancelmo, Roberto Teixeira, Cristiano Zanin, entre mais de 20 pessoas ligadas à advocacia, foram transformados em réus por causa dessa delação.

A força-tarefa alega que os contratos entre a Fecomércio do Rio e as bancas foram quitados com recursos do Sistema S – que, por sua vez, é abastecido com tributos de empresas recolhidos pela Receita Federal.

Os procuradores denunciam que não houve prestação de serviço e que os escritórios venderam “soluções políticas” ao indicar advogados próximos de membros dos tribunais.

Ao 36 segundos do vídeo abaixo, o delator afirma, porém, que os contratos da Fecomércio com os escritórios foram “legais”.

Uma procuradora da Lava Jato então diz que o delator está se “confundindo” e que os contratos, na visão da força-tarefa, são “ilegais”. Ele consente.

Orlando Diniz: Os contratos foram legais, né?

Procuradora: …está confundindo legal por formal. Os contratos foram formais, mas não legais.

Diniz: Sim, foram formais. Está certo, doutora.

A procuradora indica ter alterado no depoimento a palavra “legais” por “formais”, fazendo prevalecer o entendimento da Lava Jato. No vídeo, ela lê a retificação de forma fragmentada.

“Mais uma vez o escritório Teixeira e Martins Advogados encontrou uma forma de drenar recursos do Sistema S”, escreveu.

Leia também:  Esquerda tem capilaridade, mas falta narrativa própria e estratégia nas redes sociais, diz Letícia Sallorenzo

Drenar com “contratos formais”, mas não “legais”, ela havia sugerido.

 

Em outro vídeo, logo abaixo, a Lava Jato suprime uma informação.

O delator Orlando Diniz conta que foi ele quem teve a ideia de contratar a advogada Adriana Ancelmo, esposa de Sergio Cabral, para cuidar do litígio da Fecomércio em outra frente, no Tribunal de Contas da União, no lugar do escritório de Thiago Cedraz.

Na delação, Adriana representa, nas palavras de Orlando, “um conforto, uma pessoa de confiança”.

Diniz então contou sua decisão a Zanin e à advogada Ana Basílio, numa reunião no escritório dela. “Eu dei a ideia e eles acharam muito boa ideia.”

Quando a procuradora vai “consignar” o depoimento, ela omite de quem foi a ideia, dando margem ao entendimento de que Zanin e Basílio negociaram a contratação de Ancelmo.

“Chegou a conversar com Cristiano Zanin numa reunião com Ana Basílio, no escritório dela, sobre a contratação de Adriana Ancelmo. Tendo ambos acenado positivamente”, escreveu.

Assista a partir do 14 minutos:

Segundo Diniz, o escritório de Zanin orientou no Superior Tribunal de Justiça a batalha jurídica entre a Fecomércio do Rio e a Confederação Nacional do Comércio, que disputava o comando do SESC e SENAC do estado, ligados ao Sistema S.

Além de Zanin, o escritório de Eduardo Martins (filho do ministro do STJ Humberto Martins) e Ana Basílio também atuaram no caso, e todos são acusado de indicar escritórios para trabalhar em outras frentes dentro mesmo processo. Para a Lava Jato, esses indicados receberam milhões e não comprovaram a prestação de serviço.

Já o escritório de Ancelmo teria sido contratado para atuar no TCU. O delator narra no vídeo acima que desde a contratação da advogada, Sergio Cabral – que já não era governador – passou a dar palpites de teor político no caso, sugerindo conversas com o ministro Vital do Rêgo.

Leia também:  Pré-candidato militar é alvo de sindicância por criticar Bolsonaro

Em notas e declarações à imprensa, os advogados Cristiano Zanin e Roberto Teixeira afirmaram que têm provas de que a contratação foi lícita. Zanin disse em entrevista ao GGN, na semana passada, que a Lava Jato usou como “pretexto” a ideia de que não houve serviço prestado para invadir sua casa e escritório e tomar seu material de trabalho. Leia a entrevista aqui.

Notícias relacionadas:

Zanin denuncia “retaliação” e abusos de autoridade da Lava Jato no Rio

E também:

Roberto Teixeira diz que serviços à Fecomércio estão comprovados

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. nossas Instituições viraram milicias.
    O Brasil tem que passar por um reset pra começar tudo do zero novamente
    Muito triste, viu

  2. É preciso muita coragem, petulância ou certeza da impunidade, para transformar um advogado em réu com base apenas na sua versão da delação…
    impressionante e revoltante como decidiram denunciar pessoas inocentes tendo em conta apenas o que desejaram ouvir do delator depois confundi-lo e forçá-lo a contornar a verdade ou negar o que já havia dito.

    Quando não há imparcialidade ao ouvir uma delação, não haverá em qualquer outra parte do processo

    • Na verdade, peregrino, eu fico estarrecido com a paciência do Lula com este filhos da puta do mpf e dos fachins da vida. Não quero nem pensar em defender o fascista da presidência, mas eu acho que o Lula deveria bolsonarizar de vez em quando com esta justiça bolsonarista. Este republicanismo dele irrita agente, porque dá a impressão que só nós, os seus de defensores, é que nos irritamos. Acho, por exemplo, que já passou há muito tempo da hora dele falar a verdade sobre este fascínora que usa toga no supremo, o tal fachin, que tem servido como dique de contenção das críticas e das verdades absolutas sobre a lava jato. Nada de negativo proferido pela defesa do Lula em relaçao a lava jato entra no supremo sem antes ser contido e/ou distorcido por este canalha do direito. Os procuradores da lava jato só servem pra procurar ou criar mentira pra incriminar o Lula, e ele sempre fala como se apenas uma parte dos calhordas do mpf quisessem fud.-lo.Na verdade são todos, porque se existem alguém que discorda, este não se manifesta. Ou seja, cala e consente com as barbaridades. Esta troglodita que estuprou o direito do réu no vídeo mostrado confundindo-o não é do paraná. ou Seja, isso de perseguir o Lula é do todo o brasil. Não generalizar é que é errado. Se fosse o loque da presidência, já teria mandado tudo a pqp. Seria anti-republicano, mas teria ganho a simpatia dos seus defensores. Agora com o Lula, é só bons modos com gente torpe do direito. Eu sempre digo, se se tratar um pittbul com modos que se trata um poodle, ele vai te estraçalhar. desculpe a sinceridade, mas é isso que penso depois de mais de cinco anos vendo o Lula-Pt apanhar da justiça e da imprensa dia sim e outro também.

      • realmente Lula está marcando tremenda bobeira, principalmente nas manifestações públicas, com a sua fixação em Moro, deixando um vazio ou caminho livre para ser bombardeado pelos demais do grupo político lava jato

        realmente já está cansando a gente a falta de outro tipo de reação que poderia ser pela interceptação e antecipação dos próximos movimentos do grupo político sempre tendo ele como alvo principal. Tem que escancarar isso para a população antes do recebimento da denúncia, não depois

  3. o Brasil cansou de ouvir a mesma desculpa, não é meu, não sei de nada, sou inocente, quando os próprios integrantes do partido sabem que é tudo verdade. Dizem que a mentira tem as pernas curtas, mas estas “mentiras” têm as pernas do homem elástico.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome