Documento desmente Saúde: Pazuello falou, sim, em “intenção de adquirir” vacina chinesa

Em ofício ao Instituto Butantan, Ministério da Saúde pediu até acesso aos documentos que detalham os ensaios clínicos já realizados com a Coronavac

Jornal GGN – Documento divulgado pela CNN Brasil no começo da tarde desta quarta (21) mostra que o Ministério da Saúde mentiu ao afirmar à imprensa, mais cedo, que não houve qualquer “intenção de compra de vacinas chinesas” por parte da Pasta. A declaração foi dada depois que Jair Bolsonaro mandou o setor anular o protocolo de intenções assinado no dia anterior com o Instituto Butantan, que tem um acordo bilateral com a chinesa Sinovac.

No ofício assinado pelo ministro Eduardo Pazuello ainda em outubro, e enviado ao diretor do Butantan, o médico Dimas Covas, o Ministério da Saúde afirma expressamente que tem intenção de adquirir 46 milhões de doses da vacina chinesa, ao custo estimado de 10,30 dólares a dose.

O documento ressalva que, por causa de uma lei de 1976, a efetuação da compra da vacina está condicionada ao fim dos testes clínicos e aprovação da Anvisa.

Para acelerar o processo de compra, o Ministério até solicitou o encaminho, pelo Butantan, dos relatórios acerca das fases de testagem e seus resultados.

Nesta quarta, Bolsonaro afirmou à imprensa que mandou cancelar o protocolo de intenções se o governador João Doria assinou. O ex-militar politizou a questão do imunizante porque entende que a vacina chinesa é uma vitória do tucano.

No dia anterior, o ministério havia anunciado o aporte de R$ 1,9 bilhão para a compra de 46 milhões de doses da Coronavac e mais R$ 80 milhões para o Butantan expandir sua capacidade de produção em São Paulo.

Em agosto, o Ministério da Saúde também anunciou um total de R$ 1,8 bilhão para a aquisição e produção (com transferência de tecnologia para a Fiocruz) da vacina de Oxford, que está no mesmo patamar de testes que a Coronavac.

Leia também:  Brasil e China travam embate na cúpula dos Brics

Leia mais:

Ministério da Saúde recua e diz que “não há intenção de compra de vacinas chinesas”

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Vemos que o Brasil não tem comando na “Saúde-Pública” lamentável as desinformações entre a quadrilha de Brasilia “Bozó” chefão vai ter que aprender a se curvar perante a China que é muito superior em gestões-públicas-privadas em todos setores ou melhor já é a 1ª economia do planeta parabéns China.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome