Militares e momento Rooseveltiano: Decisões difíceis se tomam em início de governo, por Gilberto Maringoni

O NOVO GOVERNO tem pelo menos três grandes focos de tensão conservadora para que nada mude, com a impressão de que tudo mudou.

Agência Brasil

Militares e momento Rooseveltiano: Decisões difíceis se tomam em início de governo

por Gilberto Maringoni

Está na mídia e na voz dos especialistas: Lula teria cedido às ameaças do Alto Comando das Forças Armadas, que ganhou de presente a prerrogativa de indicar o Ministro da Defesa. Não há desmentidos até aqui. O cargo de Ministro é político. A escolha cabe exclusivamente ao Presidente, que exerce também o Comando Supremo das Forças Armadas. Não é prerrogativa da corporação.

O nome escolhido – e que logo tratou de alardear o feito – é o de José Múcio Monteiro, membro de tradicional clã pernambucano, filiado ao PTB (de Roberto Jeferson e Padre Kelmon), ex-presidente do TCU, ex-ministro de relações institucionais do governo Lula II e ex-deputado federal por cinco mandatos. Suas origens são a antiga Arena, partido de apoio à ditadura militar.

MÚCIO PRATICAMENTE SE AUTONOMEOU, após bolir com granadeiros e buscar o aval da coligação liderada pelo PT. Ato contínuo, foi elogiado pelo general Hamilton Mourão: “Um nome positivo para o cargo”.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, “Lula se reuniu com Múcio ontem, 28, e indicou que vai convidá-lo para chefiar a pasta da Defesa a partir de 2023”. Com isso, o pretendido grupo de transição da área não será constituído, numa exceção em toda a montagem da próxima administração.

DESCONHECEM-SE OS TERMOS DAS TRATATIVAS. No entanto, o histórico de arranjos e conciliações pelo alto na História brasileira forma uma sucessão de tragédias anunciadas. A imposição da anistia recíproca a militantes de esquerda e torturadores, em 1979 na vigência da ditadura, resultou na impunidade do atentado do Riocentro dois anos depois e na incubação da extrema-direita no meio militar. Esta reapareceu, quarenta anos depois, encarnada no bolsonarismo.

O discurso negacionista dessa turma em relação à ditadura e às barbaridades cometidas entre 1964-85 resultou na não responsabilização de criminosos fardados, cujos sucessores se sentiram fortalecidos para voltar a brandir o discurso da eterna tutela sobre o poder civil, embalados nas ambiguidades do caput do artigo 142 da Constituição. Curiosamente, em versões impressas da Carta, ele soma quatro linhas (!).

É BEM POSSÍVEL QUE POR TRÁS do comportamento do presidente eleito estejam promessas de pacificação das relações entre militares e o novo poder civil, em troca do esvaziamento das manifestações golpistas nas portas de quartéis. Se for isso, trata-se de derrota anunciada, sem disputa e sem pacificação alguma. Estará contratada a repetição da história de 1979 como farsa.

O NOVO GOVERNO tem pelo menos três grandes focos de tensão conservadora para que nada mude, com a impressão de que tudo mudou.

O PRIMEIRO é formado pelas vivandeiras da Faria Lima e do mercado financeiro, a propagar que o fim do teto de gastos equivalerá às sete pragas do Egito somadas ao Dia do Juízo Final. Ou seja, o mercado continuará em sua chantagem para que o orçamento público tenha como sócio preferencial o poder da grana. Acatar a patranha equivale a realizar novo estelionato eleitoral com as expectativas populares.

O SEGUNDO envolve as vivandeiras do Congresso. A chantagem aqui é forçar o governo a votar anualmente uma PEC sobre o montante de dinheiro extrateto a ser liberado de acordo com o mercado persa comandado pelo centrão e pelas bancadas da direita parlamentar.

E O TERCEIRO é o jogo pesado das paquitas da ditadura homiziadas na cúpula das Forças Armadas.

LULA TEM A CHANCE DE OURO de virar a esquina das conciliações pelo alto e de romper com uma desastrosa tradição brasileira, a de passar o pano para crimes dos de cima. A desmoralização e o escracho que Bolsonaro impôs ao mundo militar, com suas boquinhas nos planos de carreira, sinecuras na Esplanada, doses industriais de viagra, gel lubrificante, próteses penianas, inépcia logística no trato da pandemia e arreganhos golpistas levou os coturnos a baixos níveis popularidade inéditos na República. Este é o momento rooseveltiano dos cem dias após a vitória, no qual o novo poder tem força suficiente para impor seus termos a um oponente cuja maior força reside em parlapatices costumeiras. Não é interessante comprar ameaças pelo valor de face, quando podem valer menos no mercado das lorotas públicas.

Deixar a caserna exercer autogestão onde ela não deve se meter – a esfera política – significa contratar a calmaria no curto prazo e receber tempestades no médio. A arrogância fardada só recuará se a autoridade civil exercer plenamente o mandato conferido pelo eleitorado. Não há mediações aqui. Em caso de recuo, o poder armado avançará sobre o poder cidadão.

Gilberto Maringoni de Oliveira é um jornalista, cartunista e professor universitário brasileiro. É professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC, tendo lecionado também na Faculdade Cásper Líbero e na Universidade Federal de São Paulo.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected].

Gilberto Maringoni

Gilberto Maringoni de Oliveira é um jornalista, cartunista e professor universitário brasileiro. É professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC, tendo lecionado também na Faculdade Cásper Líbero e na Universidade Federal de São Paulo.

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Excelente análise em relação aos militares golpistas e de como o governo Lula deveria lidar com a situação, ou, pelo menos, do que não deveria fazer! Coragem Lula, só a mobilização popular pode garantir um estado democrático de direito! Fora golpistas! Que sejam devidamente punidos pelos crimes cometidos, sem privilégios acima da lei.

  2. A diferença a favor, de 1,8% do votos validos ou seja somente 2,1 milhões de votos a mais, dentro de um total de 118,5 milhões de votos, NÃO CACIFA ninguém, muito menos o LULA, para “peitar” o MERCADO ou os MILITARES, toda essa “INHACA POLÍTICA”, criada pelo BOZO, não será simples desconstruí-la, talvez o LULA esteja seguido um antigo conselho do BRIZOLA, qual seja: Mingau quente se “come” pelas beiradas.Se for assim, muito que bem, se não for o LULA já começou perdido. Não esqueçamos, que considerando nossa história, o LULA novamente eleito, é uma concessão da “Casa Grande” à “Senzala”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador