A queda da desigualdade

Por Luciano Rôde

Que belo texto com bela notícia.

Do Terra Magazine

Cotas em expansão, desigualdade em queda

Jorge Portugal
De Salvador (BA)

Notícia pra valer para mídia tupiniquim é escândalo com celebridade, muito sangue nas tragédias cotidianas ou o espetáculo sem fim da corrupção nacional. Pronto, aí está o tripé com que os “formadores de opinião” tentam entupir nossas cabeças e nos manter paralisados diante da vida.

Por isso, quase ninguém notou numa pequena nota que alguns poucos jornais veicularam há uns quinze dias: “Desigualdade no Brasil cai a seu nível mais baixo em 50 anos”. E mais e melhor: “educação é o fator responsável por tal acontecimento”. Aí o leitor apressado pode pensar: “mas não dizem que nossa educação, sobretudo a básica, é um horror?”. Continua sendo, caro(a) leitor(a).Ocorre que é ” lá na ponta” que está se dando o milagre. Seguinte: com a política de cotas, o Prouni, os cursinhos sociais e a construção de mais universidades públicas, um número jamais visto de jovens negros e pobres vem tendo acesso ao diploma de nível superior, disputando e ganhando vagas prestigiadas no mercado de trabalho, recebendo bons salários e, com isso, diminuindo a desigualdade social no país. Não é uma bela notícia? Melhor, para nós, do que o casamento do príncipe inglês ou a última peripécia sexual de Lady Gaga, concorda? Não é uma sociedade menos desigual que tanto queremos? Com mais pessoas satisfeitas, menos violência e mais segurança para todos? Pois bem, a educação, com as políticas compensatórias, está conseguindo isso.E é só o começo! O que não dispensa, de jeito nenhum, luta sem trégua por um ensino básico de qualidade, para que, no futuro, nem dessas políticas de reparação precisemos.

Leia também:  É preciso dialogar com a Suécia e Dinamarca paulistana, diz Boulos sobre desigualdades

Outra notícia maravilhosa que “passou batida”, na semana passada: “Governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, institui cotas para negros e índios em concursos públicos”. Sim, sim, sei que demétrios e demóstenes vão bradar a morrer, invocando a existência de uma só raça humana (argumentinho mais conveniente e calhorda!), cobrando meritocracia, como se um grupo étnico que teve contra si políticas perversas e excludentes de estado por cerca de 400 anos, tivesse a chance de construir mérito pelo conhecimento! Parabéns, governador Cabral, Vossa Excelência demonstra conhecer profundamente o país em que vive, o estado e o povo que governa. Menos desigualdade vindo por aí.

Só espero – e sei que não vou esperar em vão – que o governador do meu estado, Jaques Wagner, homem público de sensibilidade social invulgar, tome a mesma iniciativa aqui na Bahia, a unidade da federação mais negra do Brasil, situada no Nordeste, periferia histórica de todos os benefícios da nação.

Gostaria muito que essas notícias estivessem na primeira página dos nossos jornais, portais e TVs. Não estiveram, assim como não esteve a notícia da morte de Abdias Nascimento. Mais do que nunca ficam valendo as palavras do poeta: “A felicidade do negro é uma felicidade guerreira”. A bênção, mestre Hélio Santos!

Jorge Portugal é educador, poeta e apresentador de TV. Idealizou e apresenta o programa “Tô Sabendo”, da TV Brasil.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome