Terceira idade sente os efeitos devastadores da Reforma da Previdência na pandemia

A população mais atingida pela Covid-19, também sofre com a redução nas aposentadorias e pensões

Reprodução

Jornal GGN – Os efeitos da Reforma da Previdência, aprovada pela mobilização do governo de Jair Bolsonaro (sem partido), atingem a população da terceira idade em meio a pandemia. O valor pago por pensões foi reduzido, no momento em as pessoas acima de 60 anos representam 72,9% dos mortos pela Covid-19, segundo dados do Ministério da Saúde de agosto. As informações são da coluna de Leonardo Sakamoto, no Uol. 

A família de pessoas mortas pela doença são as mais impactadas pela Reforma. Vale ressaltar que muitas dessas pessoas são baixa renda e sofrem com desemprego agravado pelo cenário atual.

As novas regras determinam que redução da pensão paga aos dependentes deve ser 50% do valor do benefício ao qual a pessoa falecida teria direito caso se aposentar, mais 10% por dependente.

O valor é ainda menor para a família de pessoas que vierem a falecer e ainda não estiverem aposentadas, já que a base desse cálculo é proporcional à quantidade de anos trabalhados do falecido: de 60% da média de todas as contribuições mais 2% por ano a partir de 20 anos de contribuição (homens) e 15 anos (mulheres).

O juiz do Trabalho da 12ª Região, Carlos Alberto Pereira de Castro, afirmou à Sakamoto que “o impacto mais forte é justamente sobre a população idosa. Os mais jovens podem aferir renda trabalhando, mas o mercado de trabalho não absorve pessoas com 60 anos de idade ou mais”. 

“Com a queda na renda causada por uma pensão menor, a pessoa pode ter que revisar seu padrão de vida. Com os gastos de alimentação, remédios, entre outros, pode não ter o suficiente para pagar o aluguel”, explicou. 

As mudanças nas aposentadorias e pensões foram promulgadas em novembro de 2019, sendo assim a nova regra já mostra seus efeitos devastadores. O valor mínimo pago das aposentadorias é de um salário mínimo, piso que o governo Bolsonaro também tentou derrubar, mas foi derrotado no Congresso Nacional.

Os cálculos da Reforma ainda se mostram desvantajosos ao trabalhador que luta para se aposentar. Anteriormente, o cálculo da aposentadoria levava em conta a média dos 80% maiores salários e os 20% menores eram descartados na conta. Com a mudança, a base de cálculo inclui 100% das contribuições sobre salários recebidos desde julho de 1994, o que também reduz o valor pago.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora