O sistema eleitoral não é o problema, por Luis Felipe Miguel

O sistema eleitoral não é o problema

por Luis Felipe Miguel

O fantasma da reforma política volta a rondar o país, discutido no Congresso como equivalendo a uma reforma do sistema eleitoral. Até o voto único não transferível – o famigerado “distritão” de Eduardo Cunha – ressurge como possibilidade, ao que parece com a simpatia do relator da reforma na Câmara.

Correndo o risco de ser repetitivo, digo que nenhum dos nossos problemas se resolve com uma reforma do sistema eleitoral. É como dar uma aspirina a um paciente terminal.

Nosso sistema de representação proporcional com listas abertas tem defeitos muito conhecidos. Leva à personalização das disputas e à proliferação descontrolada dos partidos (embora esse segundo efeito pudesse ser controlado com uma medida simples, a proibição de coligação nas proporcionais).

O voto único não transferível, pelo qual são eleitos os nomes mais sufragados independentemente das listas, apenas radicaliza esses problemas. Ele faz da personalização o princípio das disputas eleitorais e, na prática, abole os partidos. Sua qualidade, a única que tem, é corresponder ao entendimento ingênuo do que é a competição eleitoral.

O voto majoritário em circunscrições uninominais (voto distrital) distorce a representatividade dos corpos legislativos, tende a reduzir em demasia as opções à disposição do eleitorado e paroquializa a disputa. Grupos ou interesses que não estão concentrados espacialmente ficam condenados à ausência de representação.

A representação proporcional com listas fechadas amplia em excesso o poder das direções partidárias e reduz a autonomia do eleitor. Quando os partidos têm estrutura oligárquica, como no Brasil, isso implica em riscos não desprezíveis. Além disso, ela presume uma identificação do eleitorado com os partidos, algo que, no caso brasileiro, é insustentável.

O voto único transferível, usado na Irlanda, em Malta e em partes da Austrália e da Nova Zelândia, permite que cada eleitor ordene os candidatos de acordo com sua preferência. O processo eleitoral é complexo e pouco intuitivo; há uma exigência grande feita à racionalidade do eleitor médio. O modelo também dispensa os partidos e favorece uma disputa personalizada.

Em suma, nenhum modelo é isento de problemas. Tanto é que, não importa para qual país olhemos, vai ter um monte de gente pregando a mudança do sistema eleitoral, seja qual for. Pensando em termos abstratos, as nossas listas abertas nem são tão más.

Ao dar mais opções para os eleitores, elas ampliam a possibilidade de uma sintonia fina entre interesses dos representados e posições dos representantes. Ao buscar a proporcionalidade no poder legislativo, tentam garantir que nenhum interesse social relevante seja excluído do debate público. Entre a busca autoritária de maiorias sólidas e a representatividade mais acurada dos interesses sociais, optam pela segunda. É bem verdade que suas qualidades teóricas não encontram tradução empírica. Mas a simples mudança do sistema eleitoral não resolveria os problemas da representação política brasileira.

Os defeitos da representação política no Brasil nascem de outros fatores: do baixíssimo pluralismo dos meios de comunicação de massa, da fraca laicidade do Estado, das barreiras materiais e simbólicas à presença de integrantes dos grupos subalternos, do desincentivo sistêmico à participação e à educação políticas, da influência descontrolada do poder econômico. E também, claro, de que as instituições que deveriam proteger a democracia não cumprem seu papel e mesmo, movidas por interesses poderosos, se mancomunam para golpeá-la.

Discutir a reforma do sistema eleitoral sem colocar esses outros elementos no debate é perfumaria.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 comentários

  1. Sabe qual o verdadeiro problema das eleições?

    Amigo, sabe qual o verdadeiro e grande problema das eleições, neste e em qualquer sistema? Aqui e em qualquer lugar?

    O capitalismo.

    O dinheiro que corrompe e desequilibra a conocrrência, que perverte e corrompe os candidatos, que atrai candidatos mais sedurzidos com o poder do que com deveres cívicos, o dinheiro que permite a manipulação de eleitores e sistema, que prejudica políticos honestos e pobres, que torna todos partidos e políticos dependente de riquíssimos financiadores pra conseguirem se eleger.

    Retire o capitalismo, retire o dinheiro, retire a corrompedora possibildiade de enriquecer, retire o desequilíbrio entre os que tem muito e os que tem pouco, e o sistema melhorará profundamente.

    “mas”, você dirá “o socialismo fracassou, e nem era democrático”.

    Aguarde o Esperancismo….

  2. o…

    O Sistema Eleitoral nunca foi o problema. Assim como nunca foi a solução. Ele deveria ser apenas um meio. E nada mais. Não somente começo, meio e fim. Esta ilusão ditatorial da nossa elite da redemocratização apenas prolongou a histórica falta de representatividade da sociedade. E isto serviu muito bem aos seus propósitos. Iludidos, ou nem tanto,  insistem em salvar biografias e não a Nação.  A Gestapo Ideológica não se emenda mesmo: “ao dar mais opções aos eleitores…” A primeira e mais importante opção ao eleitor/cidadão é a LIBERDADE. Liberdade se quer votar ou não. Se aceita nomes e condições postas. Quando se transforma liberdade em ditadura já se prostituiu todo processo. Tudo a partir disto está contaminado. E ainda querem explicar o Brasil? Onde Estado, onde Justiça, onde Representatividade que poderia dar algum significado às Eleições? Omitindo tudo isto, eleições são apenas farsa.  E por favor, não me venham com censo comum de “sempre no Brasil…”. Toda este golpe contra a sociedade brasileira tem data marcada e menos de 30 anos. A quadrilha que se juntou para reescrever a Constituição sabia muito bem dos seus resultados. A unica vitima, inocente, cumplice e omissa foi a sociedade brasileira. Cabe à ela saber começo, meio e fim de todo Poder Nacional. Ou continuar se sujeitando.      

  3. O Capital controla a Política

    “Os defeitos da representação política no Brasil nascem de outros fatores: do baixíssimo pluralismo dos meios de comunicação de massa, da fraca laicidade do Estado, das barreiras materiais e simbólicas à presença de integrantes dos grupos subalternos, do desincentivo sistêmico à participação e à educação políticas, da influência descontrolada do poder econômico. E também, claro, de que as instituições que deveriam proteger a democracia não cumprem seu papel e mesmo, movidas por interesses poderosos, se mancomunam para golpeá-la.

    Discutir a reforma do sistema eleitoral sem colocar esses outros elementos no debate é perfumaria.”

    Com todos esses defeitos o sistema eleitoral não é problema? Claro que é e esse final contradiz o título. O problema, portanto, é maior e não menor…

    Vou me ater a um dos defeitos apenas: a influência do poder econômico. O sistema foi todo moldado para satisfazer sobretudo ao poder econômico. A começar pelo modelo de campanha eleitoral caríssimo, calcado no marketing político. Foi feito pra ninguém conseguir se eleger sem dinheiro. E quem tem dinheiro pra emprestar? Os corruptores!

    O marketing político é o instrumento pelo qual o Capital controla a Política. Sem a redução do custo da Política, ela continuará nas mãos do Capital.

    Outro instrumento de controle da Política pelo Capital é a Justiça Eleitoral e suas maravilhosas máquinas de votar, controladas pelos detentores da tecnologia empregada. Adivinha quem são!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome