Lula: saúde pública não pode ser encarada como um gasto

Em discurso para profissionais da área de saúde, ex-presidente lembra que pessoa com saúde tem melhor capacidade produtiva – e favorece país

Foto: Ricardo Stuckert

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ressaltou nesta sexta-feira (05/08) que não se pode separar a saúde dos outros gastos públicos, uma vez que pessoas saudáveis acabam por contribuir com o avanço do país.

“Nós não podemos continuar usando a palavra gasto quando se trata de cuidar da saúde do povo brasileiro”, disse o ex-presidente durante a 17ª Conferência Nacional da Saúde, em São Paulo.

“A gente tem que avaliar quanto custa para um país uma pessoa com saúde. A capacidade produtiva dessa pessoa cresce muito. E melhora a capacidade produtiva do país”, disse Lula.

Lula também reconheceu que não foi possível fazer tudo o que precisava ser feito durante seus mandatos, mas lembrou alguns resultados obtidos durante seu governo e de Dilma Rousseff (PT).

Entre eles, o aumento da expectativa de vida (70 anos e 9 meses em 2002 para 75 anos e 9 meses em 2016), queda pela metade da mortalidade infantil, erradicação da rubéola e do sarampo, e a ampliação da cobertura vacinal no país.

Jornal GGN produzirá documentário sobre esquemas da ultradireita mundial e ameaça eleitoral. Saiba aqui como apoiar

Segundo Lula, tudo isso foi possível por conta do avanço em outros setores – como o combate à fome, geração de emprego e renda, educação, moradia e saneamento básico.

 “Sem isso, a gente não pode falar em saúde. E, hoje, com o povo na fila do osso e da carcaça de frango, nós vamos precisar fortalecer muito o sistema de saúde para que a gente não deixe este país ter uma pandemia da fome”, argumentou.

Em referência a Jair Bolsonaro, Lula lembrou que “o atual presidente lidou com a pandemia de forma criminosa, e é responsável direto por centenas de milhares das mais de 678 mil mortes pela Covid”.

Em seu discurso, o ex-presidente também lembrou o papel dos profissionais de saúde pública no combate à pandemia de covid-19.

Sem o SUS e seus trabalhadores e trabalhadoras, o saldo da covid-19 teria sido ainda mais trágico. Foram esses trabalhadores e essas trabalhadoras que, mesmo sem o apoio do atual governo, colocaram suas vidas em risco e foram para a linha de frente, enfrentando a mais grave epidemia dos últimos 100 anos.

Leia Também

Superintendente da ABIMO relata “falta de planejamento” na gestão de Pazuello na Saúde

Lula participa de lançamento no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC nesta sexta

Desistências favorecem Lula e equalizam o avanço de Bolsonaro com benefícios sociais, diz CEO da Quaest

Medo de Bolsonaro ser reeleito supera o medo da volta de Lula, mostra pesquisa Quaest

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Naldo

- 2022-08-06 12:26:27

O sua já está sendo privatizado pelas tais organizações de saúde que escolhem o tipo de atendimento que irão realizar, não é raro se procurar o os de um hospital e o local estar fechado redirecionando o atendimento para um posto muito mais longe...já passei por isso não muito tempo atrás... esse pessoal é a favor do SUS não mais utilizam seus serviços, aliás, que inventou a canalhice de organização de saúde com seus proprietários fantasmas foi o agora ex-partido do vice de Lula... realmente se vê que está bem acompanhado...

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador