newsletter

Pular para o conteúdo principal

Sobre a intolerância nas eleições

Por Paulo Souza

Tenho acompanhado diariamente seu blog, bem como do Azenha e do PHA, justamente para ver o outr lado dos fatos e das opiniões. Sou católico e irei votar na Dilma, assim como sempre votei no Lula. Entretanto, acho que este episódio deveria ser motivo para um novo post, sobre o respeito que devemos ter em relação às opiniões, sejam políticas ou religiosas.

O que mais me deixa triste nos e-mails que recebo sobre a Dilma, são as mentiras jogadas ao ar e espalhadas para todos. Não posso concordar com isso. Mas também não posso concordar com as opiniões radicais que muitos expressaram aqui no seu blog, muitas delas grandes mentiras sobre a Igreja Católica. Se queremos ter uma democracia, precisamos respeitar o pensamento diferente.

A Dilma pode ter a maioria, mas não quer dizer que todos tenham que pensar como ela. É isto que dá munição para pessoas do lado direito dizer que tem medo. Assim como tenho medo do conservadorismo exacerbado da direita, que não aceita a politização do povo e sua melhoria econômica, também tenho medo dos radicais de esquerda que não aceitam outras opiniões e baixam o nível da discussão, com adjetivos torpes e mentiras bárbaras.

Não posso aceitar as generalizações que muitos fizeram aqui, acusando a Igreja Católlica, padres e católicos em geral. Como outros já falaram aqui, a Igreja Católica teve e tem um papel importante na história de nosso país, principalmente nos anos de ditadura. Ela tem defeitos, sim, assim como outros grandes organismos, como o PT e o PSDB tem, visto que são formadas por pessoas, de diferentes perfis e opiniões. Vamos respeitar a diversidade de opinião e a liberdade religiosa, que quer dizer, seguir ou não qualquer credo, inclusive poder ser católico.

Média: 5 (10 votos)
36 comentário(s)

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+36 comentários

E por isso e por outras que já me decidi:

VOU ME TORNAR ANGLICANO OU EPISCOPAL!!!

 

A mais forte intolerância se dá contra os ateus. Ser ateu na política tem o significado semelhante de criminoso. Qualquer insinuação de ateísmo sobre um candidato de imediato é desmentida como se fosse um ataque ao caráter. Richard Dawkins em seu livro Deus, um delírio, descreve uma pesquisa da Gallup realizada em 1999 nos EUA. A pergunta era se as pessoas votariam em um político qualificado que fosse mulher (95% votariam), católica (94% votariam), judia (92% votariam), negra (92% votariam), mórmon (79% votariam), homossexual (79%) ou atéia (49% votariam). Ateu declarado não tem chance na vida política, apesar de sermos bastante numerosos.

 

Você tem  razão. Também sou católico, mas estou decepcionado com a Igreja. Se a olhasse apenas pelo lado humano, já teria deixado de ser há tempos. O fato é que nos últimos anos temos tido um grande rebaixamento na qualidade do ser católico, da prática católica no cotidiano. Confesso que tenho muita dificuldade em aceitar movimentos como Canção Nova e  Carismáticos, que viraram moda e que se apresentam como fundamentalistas e extremamente conservadores. Há também uma queda muita grande no nível intelectual de padres e bispos. Poucos, hoje, se sobressaem pelo conhecimento intelectual. As homilias nas igrejas são vazias, feitas para agradar cliente. Na verdade a Igreja brasileira, atônita e preocupada com o avanço evangélico, está perdendo sua identidade, pois acha que para conter esse avanço tem que imitar os evangélicos. Penso que não deve ser assim. O fato é que a Igreja Católica no Brasil está enfraquecida, dividida, usada (ou se deixando usar). Agora mesmo o presidente da CNBB, D. Geraldo Majella, na reta final da campanha eleitoral, aparece na mídia (destaque no JN), com o candidato Serra, em um momento em que sua principal adversária está sendo covardemente atacada em temas diretamente relacionados à religião, por meio de uma campanha de boatos  nunca vista nesse país. Qual a mensagem que o presidente da CNBB passa com essa atitude? A de que o candidato Serra é o que está de acordo com as posições defendidas pela Igreja. Outra coisa. Sou radicalmente contra o aborto, mas a hipocrisia com que o assunto é tratado por muitos religiosos é revoltante. São contra a prática e atacam e difamam quem eventualmente se coloca a favor. Mas o que fazem para que, ao nascer, essa criança tenha de fato dignidade? Ou ainda:  o que fazem para que uma mãe desesperada, quase sempe em situação de miséria,  não opte pela prática? Nada, ou muito pouco. A criança vem ao mundo e depois lavam a mãos, abandonando-a, juntamente com a mãe. Mais ou menos como se dissessem: olha, nós já te defendemos e fizemos a nossa parte. Agora é com você, se vire. O mundo todo pode ser seu, conquiste-o. São verdadeiros hipócritas.

Portanto, Paulo, é preciso confrontar esse catolicismo barulhento, amorfo, alienante, simplório, de "oba-oba", que não chama os fiéis para a responsabilidade de viver coerentemente com os ensinamentos de seu fundador, que pensa que ir missa basta. Não gosto dos ataques que a Igreja sofre, mas temos de reconhecer que muitos são justos e fundamentados na realidade. A Igreja de Bento XVI parou no tempo. Esses ataques, muitos também injustos, podem servir para que ela acorde e perceba o quanto está fora do mundo real. 

 

Concordo totalmente com vc, meu amigo.

 

Prezado Paulo

Acho correta a tua preocupação mas gostaria de colocar algumas questões. De início quero dizer que religião não é uma das minhas preocupações pessoais, assim me sinto mais à vontade e livre para o uso da razão, sem preconceitos contra esta ou aquela religião.

Se vc pesquisar sobre os acontecimentos dos anos 60, verá que a instituição Igreja católica apoiou firmemente o golpe militar de 1964 no Brasil, como também outros golpes militares em países da América Latina. Entretanto, alguns cardeais, bispos, e inúmeros padres e freiras não comungaram com a posição do alto clero apoiado pelo Vaticano, de apoiamento aos golpes militares, e passaram a dar apoio e proteção aos civis e militares que resistiam aos golpistas. Alguns religiosos chegaram a ser presos e torturados. Em alguns países da AL foram assassinados friamente. Isto nada tem a ver com religião, fé,  e sim trata-se de uma posição política tomada pela instituição Igreja católica em um dado momento da história do Brasil e da AL, no intuito de preservar certos interesses e privilégios econômicos, de poder político e de classe. Vc não deve desconhecer que a Igreja católica se mantém a milênios por sua ligação íntima com os poderosos de todos os países, aliás ela só progrediu depois que foi adotada como religião oficial pelo Império Romano. Não quero me alongar e gostaria que vc refletisse sobre o fato de que, pessoalmente, não vejo nenhum movimento ou sentimento de intolerância religiosa no Brasil. O que há são divergências, sérias concordo, com relação ao posicionamento político, ético, moral e filosófico da instituição Igreja católica, em assuntos como aborto, preservativo, homosexualismo, etc. A sociedade brasileira é multi-religiosa e não cabe a qualquer religião ditar regras de comportamento à sociedade brasileira como um todo. E acima de tudo, na defesa dos interesses do todos os cidadãos, o Estado brasileiro, de acordo com a Constituição, deve ser laico, o que na prática vemos que não é.

 

Concordo, Paulo! Todos os que generalizam são uns idiotas! Sem exceção! ( ;) - Essa piada tinha que ser feita cedo ou tarde)

 

Caro Paulo Souza,

Estou de pleno acordo com você. Também sou católico e LULA até morrer. As pessoas que atacam a Igreja, enquanto instituição, em virtude da posição política de alguns dos seus membros, além da intolerância, demonstram total desconhecimento da importância da Igreja Católica no que se refere as grandes conquistas da humanidade em matéria de direitos humanos e, em especial dos direitos sociais. É curioso que às vezes invocam Dom Helder Câmara como se ele não fizesse parte dessa instituição. Além disso, esquecem que a Igreja tem reconhecido os erros cometidos pelos seus membros ao longo da história, tem a sua doutrina social e tem demonstrado a preocupação legítima com a lisura no trato da coisa pública, ou seja, tem combatido a corrupção na política de forma intransigente, sendo a CNBB uma das principais entidades a articular o projeto de lei da ficha limpa.   

 

Tem razão, Paulo!

Sou espírita e meu marido protestante e estamos perplexos com a intolerância em todos os lados.

Sempre votamos em Lula e, agora, em Dilma.

O preconceito é o pior conselheiro!

 

Adriana

 

Talvez tenha pego o bonde andando na discussão, mas intolerância nessas eleições, pra mim, vem da oposição, da direita. Recebi quase uma centena de e-mails com calúnias contra Dilma, Lula e/ou o PT, algumas absolutamente ridículas e no nível do esgoto. Nas campanhas dos adversários, em particular de José Serra, a sujeira não foi menor. A própria esposa do candidato foi flagrada, num determinado momento, dizendo para um eleitor que "Dilma mata criancinhas". A imprensa tb publicou calúnias em matéria de capa, a exemplo da FSP com a ficha falsa da Dilma, a primeira manchete de capa de um jornal com base num spam, na história desse país. E agora, na reta final, a queda da Dilma está associada principalmente à nova onda de boatos de fundo religioso: "Dilma a favor do aborto", "Dilma diz que nem Cristo lhe tira a vitória", "Dilma, Michel Temer e o PT são satanistas". Eu estou revoltado com tudo isso. Assisto a esse tipo de palhaçada desde 1989, a oposição joga com tudo, está pouco se lichando com a verdade, propostas ou ideologia. Usa QUALQUER coisa, mas qualquer coisa mesmo, para impedir os candidatos do PT. Eu assisti no Rio a candidata Jandira Feghali perder uma eleição ganha, no finalzinho, por causa da onda de boatos deflagrada pelo adversário, na mesma linha do que está ocorrendo agora. Uma onda de SMSs foi disparada taxando a candidata de ser a favor do aborto, comunista que come criancinhas, essas coisas. Dorneles virou o jogo e ganhou a eleição, Jandira ficou fora. Eu realmente não me importaria tanto de perder qualquer eleição se fosse uma eleição limpa, se os argumentos e as propostas do adversário se mostrassem melhores. O problema é que não é o caso. Me revolta profundamente que um candidato, principalmente um majoritário, corra o risco de perder uma eleição com base em mentiras, e saber que o pai da mentira vai ficar lá, 4 a 8 anos, em seu lugar. Me dói mais ainda ver que setores religiosos colaboram com isso. A Bíblia diz que o "pai da mentira" é o diabo. O que um religioso que espalha esse tipo de boato tem a dizer sobre isso?

Registre-se que JAMAIS recebi em meu e-mail uma mensagem sequer caluniando José Serra ou FHC.

 

"Ou o Brasil acaba com a mídia canalha, ou a mídia canalha acaba com o Brasil"

Uma coisa é generalizar os indivíduos de dentro da organização, algo que não concordo também. Até porque sei da existência de práticas e ações em nível paroquial positivas. Outra é tratar das posições e práticas oficiais da organização em si.

O problema é que a Igreja Católica é dogmática por natureza. É mais que um mero defeito, já impossibilita mudanças de curso, auto-análise, etc. O debate com esse tipo de organização vai somente até onde eles estão dispostos a debater.

Enquanto PT e PSDB já mudaram e ainda vão mudar (não necessariamente para melhor) nos próximos anos mais do que a Igreja mudou em toda sua história.

Não vejo ninguém aqui impedindo os outros de seguir essa ou aquela religião, até porque estamos num país com liberdade religiosa, o que implica inclusive no direito de não ter religião.

E para finalizar, não espere que todos tratem a Igreja Católica (ou qualquer outra) de forma especial apenas por ser uma organização religiosa. Da minha pessoa pelo menos terá o respeito que qualquer outra organização com as mesmas práticas e ideias teria. Ninguém deve estar imune as críticas, seja o papa ou o presidente.

 

 acho que o PT deveria entrar com uma ação na justiça tentando ter acesso aos emails que o Guru indiano arregimewntou na Página do PSDB segundo a matéria cujo Link eu postei agora a pouco.

 È só seguir o rastro pra saber que tipo de spam eles estavam mandando.  A bala de prata foi o boato religioso. 

 

Caro Paulo Souza

Toda generalização não é producente, assim como a Igreja(s) interferirem em assuntos de um ESTADO LAICO, também não o é.

sds

 

 O Eduardo toledo,analista de pesquisa ,afirma que o que derrubou a Dilma foram os Spams religiosos e eu acho que o do"Nem Jesus Cristo"deve ter feito mais  efeito .  Pois bem,relendo a materia sobre o guru indiano do Serra , acho que as coisas podem se encaixar surpreendentemente:

 http://correiodobrasil.com.br/mudancas-para-pior-na-pagina-do-candidato-tucano/179659/

 

Verdade, Sr Paulo. Há radicalizações sim na militância pró-dilma. Mas vejo isso mais como reação - não quer dizer que tudo se justifica assim - à violência e falta de ética da campanha contrária.

No seu próprio texto cita diversas correntes que recebeu, preconceituosas e difamatórias - presumo, porque as recebo também. Mas pertunto-lhe: quantas campanhas semelhantes recebeu do candidato Serra? E dos demais? A proporção - contra Dilma/Lula versus contra todos os outros - chega a, pelo menos, 9 x 1???

Não dá para esperar comedimento de quem está acuado, não é mesmo? Espero que sempre tenhamos oposição, porque é necessário tê-la, mas que seja de idéias!

Viva o Brasil e o Povo Brasileiro!

 

olá Paulo, também sou católico, e uma das coisas a serem observadas pelo católico verdadeiro é a tolerância, tal como nos ensinou Cristo !!! Também voto Dilma, mas não sigo cego em tudo que ela expressa......mas com insulto e calúnia é que não se pode contrapor às idéias do outro !!!  parabéns pela reflexão, muito sábia !

 

Não são só os católicos que sofrem de intolerância. Nós, protestantes também - não uso mais o termo "evangélico" porque Silas Malafaia, Estevan Hernandes e Edir Macedo também são, e não quero ser identificado com eles. Infelizmente, a intolerância contra nós muitas vezes vem do nosso próprio meio, como a infeliz demonstração de mal uso de um púlpito pelo pastor da 1ª Igreja Batista de Curitiba, que fez terrorismo eleitoral via YouTube. Sinceramente, não espero melhora no quadro. Pelo andar da carruagem, o endurecimento da direita, mesmo tomando uma sova nas urnas, é mais que esperado.

 

Assino várias vezes em baixo!

Quem sobe degraus pisando outros...

 

Paulo concordo com seu post, porém gostaria de fazer alguma s considerações. Peço que você leia com atenção para poder dentro daquilo que o bom debate pede e contra argumentar.

Paulo tenho 38 anos, sou professor universitário, mestre em economia e professor universitário.

Fui criado num lar católico, ala conservadora do catolicismo, tio numerário do Opus Dei, fui coroinha dos 8 aos 16 anos. Tenho na figura de um padre alemão chamado Roque da paróquia Santa Marina Virgem meu melhor mentor religioso.

Posso dizer com 100% de certeza que sou cristão e prezo os valores critãos.

Acho que realmente nossa Santa Madre Igreja precisa refletir sobre o que ela significa e o que ela realmente quer.

Bento XVI, conservador deu a linha, uma Igreja pequena porém fiel. Não podemos tapar o sol com a peneira, o racionalismo pos em questão o encantamento do Mundo. É claro que fé é uma coisa ciência é outra.

Mas o problema é que o católico ao não separar as coisas acaba e por via das vezes toma o conservadorismo de vida como conservadorismo político.

A Teologia da Libertação ao inviezar pela fusão (mesmo que duvidosa) entre marxismo e Cristianismo aumentou o problema.

De outro lado as denúncias e também um certo utilitarismo tacanho por parte de gente de dentro da Igreja contribui para o desencantamento de fiéis ( que também em alguns caso são utilitaristas e não tem fé) e uma radicalização do tema.

Só um ponto que acho crucial: Acho que em pleno século XXi não podemos pura e simplismente tomar o rpecdeito bíblico crescei e multiplicai-vos como absoluto. O m undo hoje é diferente; controle de natalidade tem que ser defendido sim pela Igreja, talvez até como contraponto ao aborto.

No mais, acho que politizar o discurso ajuda muito, mas o problema é que a dinâmica da sociedade moderna impede o bloqueio do radicalismo, infelizmente.

Celibato não é dogma, foi uma decisão política da Igreja Rmana. Precisa ser descronstuido. 

      

 

Eder Luiz Professor Universitário

E aí, tanto a direita quanto a esquerda não estão imunes a esse pecado. (o da generalização)

 

Pois a "bala de prata" da oposição estava lá, no Jornal Nacional: mostrou uma Dilma fria, fechada em portões, sempre cercada de assessores, imperturbável, mesmo que falando do nada e sobre o nada; daí, abrem espaço para o Serra e a Marina em imagens de contatos públicos e de discursos com promessas de campanha (e a campanha não havia sido encerrada?), na continuação, as pesquisas, precedidas de outras tantas para os estados mais diversos, do IBOPE e da DATAFOLHA em que, todas, indicam a realização do segundo turno, pelo crescimento da Marina e a queda da Dilma; mais, são unânimes em afirmar que mesmo com o crescimento da Marina o segundo turno será entre a Dilma e o Serra, e complementam com pesquisas que indicam que a Dilma não ganha um único voto com a saída da Marina, no segundo turno, ou seja, todos os votos da "amarela" migrarão ou para o Serra, ou para os indecisos. Daí, nem o segundo turno apresenta vitória da Dilma. Se colar, colou? Mas, com certeza, trabalho pesado, pensado e calculado, coisa de profissional da mistificação, da mentira e da "lambança". Pobre eleitor.

 

Pois a "bala de prata" da oposição estava lá, no Jornal Nacional: mostrou uma Dilma fria, fechada em portões, sempre cercada de assessores, imperturbável, mesmo que falando do nada e sobre o nada; daí, abrem espaço para o Serra e a Marina em imagens de contatos públicos e de discursos com promessas de campanha (e a campanha não havia sido encerrada?), na continuação, as pesquisas, precedidas de outras tantas para os estados mais diversos, do IBOPE e da DATAFOLHA em que, todas, indicam a realização do segundo turno, pelo crescimento da Marina e a queda da Dilma; mais, são unânimes em afirmar que mesmo com o crescimento da Marina o segundo turno será entre a Dilma e o Serra, e complementam com pesquisas que indicam que a Dilma não ganha um único voto com a saída da Marina, no segundo turno, ou seja, todos os votos da "amarela" migrarão ou para o Serra, ou para os indecisos. Daí, nem o segundo turno apresenta vitória da Dilma. Se colar, colou? Mas, com certeza, trabalho pesado, pensado e calculado, coisa de profissional da mistificação, da mentira e da "lambança". Pobre eleitor.

 

No post do blog do padr joão zinho, falei brevemente sobre isso, mas o seu texto Paulo simples e direto resume o meu pensamento.

 

Flávio Lages

PARABENS PAULO SOUCA, CONCORDO COM TODAS AS TUAS PALAVRAS

SOU CATOLICO DE MISSAS TODOS OS DIAS SIGO TODAS AS RECOMENDAÇÕES DA IGREJAS.

E MEU VOTO TB SERA DA DILMA. TEM Q SE RESPEITAR SIM  NOSSA FÉ

 

Tb concordo , Paulo!  Os exageros devem ser deixados de lado.

 

 

Prezado Paulo,Dilma foi atacada de TODAS as formas nesta eleiçao com baixarias ate então inimaginaveis,tanto na  internet qto na midia tradicional ...e não escapou nem da CNBB...ontem  estavam  panfletando  um documento da Igreja Catolica com mais uma mentira nas ruas, shoppings e supermercados aqui em Santos-sp,como ve :ATE TU, SANTA MADRE IGREJA!(seguem os links)

http://twitpic.com/2tthqq (capa)

pag1 http://twitpic.com/2ttisv , pag2 http://twitpic.com/2ttj3r , ultima pag http://twitpic.com/2ttjku

 

CaroPaulo,

Concordo que não se deve ser intolerante quanto às crenças alheias e muito menos desqualificá-las. Entretanto, coloco aqui o direito dos ateus de serem ateus sem sofrerem discriminação. A Igreja católica, como um imensa instituição mundial, tem suas virtudes e seus defeitos, não cabe a mim julgá-los, não sou católica. Mas não se pode ser totalmente isento ao se saber dos escândalos acerca da pedofilia em larga escala grassando dentro da Igreja Católica.

Em todo o caso, respeito sua crença assim como espero que respeite minha descrença.

 

 

Concordo com você, Paulo.

 

Acredito que a igreja Católica por ser uma  instituição muito grande, e ter na história algumas manchas negras,seja alvo  de críticas. Contudo, não concordo com generalizações. As pessoas tem a mania de condenar toda a caixa por causa de uma maçã podre. E isso não contribui em nada para um debate civilizado.

 

Eu prórpio sou um crítico da igreja  Católica em certos dogmas, como o Celibato por exemplo,que acho não ter muita sustentação na Bíblia e por  contribuir para a proliferação  da  pedofilia.  Isso é uma crítica à instituição porém,não aos  seguidores. Mas isso não me impede de enxergar  a contribuição que a igreja dá a sociedade como a formação do caráter  do indivíduo. Os diversos trabalhos que a igreja desenvolve pelo mundo  resgastando pessoas das  drogas,da criminalidade,da prostituição e outros males que assolam a  humanidade. Acho que esses trabalhos sociais que as igrejas  desenvolvem,aí  entra as evangélicas também, não pode ser negado nem mesmo pelo ateu.

 

Acho que é preciso separar o joio do trigo.

 

Também não sou a favor de qualquer generalização, nem mesmo "a Igreja Católica teve e tem um papel importante na história de nosso país, principalmente nos anos de ditadura".

A ICAR jamais, enquanto instituição, se posicionou contra o regime militar. Alguns membros (entre os quais vários foram perseguidos), sim, agiram contra o regime militar, tal como até militares o fizeram - e nem por isso dizemos que os militares em si foram heróis na luta pela democracia.

O que há, e é grave, é a confusão entre a instituição ICAR e a fé católica. A ICAR, enquanto instituição, realmente tem um papel nefasto. Não obstante seus piores momentos (turbas, inquisição, etc. etc.), ela ainda insiste em impor sua vontade a Estados Laicos. E entre suas vontades está a questão do abordo, ou mesmo a crítica contra o uso de preservativos - algo que é um problema de saúde pública.

Ela agora, diante do escandaloso uso da instituição para propaganda política (a favor do Serra), faz vistas grossas tal como Ratzinger o fez dos casos de pedofilia. E isso é um fato. Uma instituição organizada, que respeita o Estado Laico, teria se manifestado diante das arbitrariedades professadas por clérigos que deviam ter vergonha de distorcer fatos e usar a fé alheia em favor dos seus interesses.

E é preciso lidar com isso. É preciso ter senso crítico!

É impensável um católico (que conheça a própria fé) achar que "Raztinger não teve opção ao ingressar na juventude hitlerista". Oras! Ele poderia ter escolhido o martírio - como tantos antes dele o fizeram. Mas, não... E ainda tornou-se Papa - prova de que há um antro de politicagem no Vaticano que há anos segue contra os princípios que prega.

Mais uma vez, é preciso saber diferir a fé (que influe nas escolhas da SUA própria vida) da instituição (que tenta impor as SUAS escolhas aos outros). A vitimização que se faz às críticas contra ICAR, como se fosse uma perseguição religiosa, me lembra bastante da vitimização dos sionistas frente a críticas contra esse regime - quando atribuem-nas a um espírito anti-semitista.

 

Abraço.

 

Eu acho que a síntese do que disseram o Paulo e o Pedro é o que se espera realmente num ambiente democrático.

Por um lado, a democracia exige um comportamento tolerante e respeitoso em relação a diferentes opiniões políticas e opções religiosas. O que vemos é que o exercício da tolerância está a cada dia mais difícil. Seja pelo anonimato provido pela internet e a radicalização que isso permite, seja pelo nível de polarização atingido no processo político dos últimos 12/16 anos.

Ainda assim, o fato é que esse ambiente que o Nassif criou parece um oásis se comparado ao deserto de contraditório que vemos em outros espaços, como Reinaldo Azevedo e Noblat para citar os mais visitados.

De outro lado, ao tentar influir no processo político ou nas questões que são privativas do Estado, como políticas em relação ao aborto ou sexualidade, a Igreja Católica passa a ser também um ator político e, por isso, pode e deve ser contestada. Tanto no seu discurso, quanto na sua prática.

 

Eu sou católico de batismo e creio em Deus. Porém não deixo de criticar a tentativa das religiões cristãs em geral de impor seus dogmas para todas as pessoas do país. Não podemos esquecer que mesmo sendo os católicos e cristãos a grande maioria em nosso país, existem pessoas que não seguem seus dogmas e que também tem que ser atendidas e protegidas pelo estado.

 

Radicais de esquerda os lulodilmistas do Nassif? Tá doido? Comeu hóstia com ergotismo? Radicais de esquerda são os da LBI, acreditando na revolução bolchevique a qualquer momento.
O pessoal aqui é só extremado mesmo. O nome disso é comportamento de manada. Não todos, claro, e não o tempo todo. Mas era de esperar que em tempo de eleição o passionalismo atropelasse as possibilidades de discussão conceitual séria. Não vou dizer que muitos (não todos) não têm estofo para tanto, pois pode soar rude.

 

Política deve ser produto da racionalidade. Diferenças de pensamentos devem ser valorizada acima de tudo. Por outro lado, quando a irracionalidade deseja interferir nos destinos do estado...já sabemos no que dá. Pensamento é uma coisa, delírio são outros quinhentos. Observadores internacionais, nesta eleição, se surpreenderam com a quantidade de crucifixos em instalações escolares e repartições públicas. Estado laico acima de tudo. Ofensa às crenças particulares nunca, mas que fiquem com elas na sua privacidade.

 

Sem generalismos.  A democracia só comporta um tipo de intolerância, que é a intolerância ética. Ou seja, não devemos compactuar com ataques aos valores das liberdades democráticas. No Brasil quem mais tem desrespeitado as liberdades democráticas no período pós Ditadura Militar de 1964 é, sem dúvida e sem viseiras, a Igreja Católica Oficial.

 

Tem razão, prezado Paulo! A generalização é um dos piores defeitos do bicho-homem.

O blog ficou lentão de novo.

 

Por exemplo, nem todo ex-comunista se torna de extrema direita. Aqui está (mais) um exemplo que mostra o quanto as generalizações são burras. Às vezes crueis.

 

Tambem concordo com ele, acho besteira esse tipo de comentario, mas eu nao tinha notado que eles estavam afetando alguem pois eu ja leio coisas assim desde crianca a respeito da igreja, com 50 anos eh que nao vou repetir leitura.

"O blog ficou lentão de novo":

Entao eh excesso de gente acessando pelo advivo.  Saiam e facam o log in de novo, gente, O LINK EH O DO BRASILIANAS:

http://www.brasilianas.org/

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.