Revista GGN

Assine

Blog de luisnassif

FHC e a maxidesvalorização de 1999

Comprei, mas não li ainda o terceiro volume das memórias de Fernando Henrique Cardoso na presidência. Fala da maxidesvalorização de janeiro de 1999.

Acompanhei de perto esse episódio, como colunista da Folha e comentarista da Bandeirantes.

No segundo semestre de 1998 já estava nítido que não haveria como manter o congelamento do câmbio.  Gustavo Franco era presidente do Banco Central e se apegava ao congelamento como se fosse um filho dileto, do qual não queria se afastar.

Como narrei no livro "Os Cabeças de Planilha", antes do lançamento do Real, banqueiros estrangeiros foram procurados pelo economista Winston Fritsch com a informação de que o governo pretendia derrubar o preço do dólar e convocando-os a ajudar os economistas do Real que atuavam no mercado a apostar na queda do dólar nos mercados futuros.

Em poucos meses, a apreciação do real comprovou-se desastrosa, destruindo rapidamente o superávit comercial brasileiro. Leia mais »

Média: 5 (4 votos)

As alegações finais da defesa de Dilma no TSE

Aí vai a íntegra da defesa de DIlma Rousseff no TSE.

Ajudem o GGN a identificar os pontos principais.

 

Média: 5 (4 votos)

O mistério sobre o letrista de Rosa, de Pixinguinha

Um dos grandes enigmas da música brasileira é sobre o verdadeiro autor da letra de “Rosa”, música de Pixinguinha. A música está reiostradas em nome de Otávio de Souza, ao que consta um mecânico que morreu muito jovem.

Mas, devido ao rebuscamento da letra, parte dos historiadores atribuem a Cândido das Neves, autor de canções românticas, rococós e inesquecíveis. A prova seria outra música de Cândido das Neves, uma suposta parceria com Pixinguinha, mas registrada apenas em nome de Cândido. Seria a prova da troca que fizeram.

Tenho cá para mim que essa hipótese é profundamente desrespeitosa para com Otávio de Souza, mas, principalmente, para com Cândido das Neves.

Este era rococó, mas suas letras mantinham coerência.

O non sense da letra de “Rosa” lembra muito mais um poeta menor que se encantou com os volteios de Cândido das Neves, copiou seu estilo, mas sem diospor de seu talento.

O que vocês acham? Confiram mais embaixo as letras de "Rosa" e de outras musicas de Cândido das Neves, o Índio. Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

A política industrial na Índia

Faça como a Índia

Sumário
Média: 5 (2 votos)

Três no Samba, o último CD de Pelão

Por Luís Nassif

A arte do bom disco é similar à arte da boa cozinha: a capacidade de combinar bons ingredientes e tirar um prato totalmente novo.

É o caso da arte de José Carlos Botezelli, o Pelão, o mais importante produtor brasileiro dos anos 70 para cá.

O primeiro ingrediente é a voz serena de Eliane Faria, que consegue revestir seu timbre suave com o sincopado marcante do samba, uma maestria que herdou do avô, o sete cordas Benedito César Ramos de Faria, e do seu pai Paulinho da Viola. Eliane é pastora da Portela, do grupo das cantoras que cantam na quadra da Escola, e filha de Alcinéia Pereira, irmã do sambista Anescarzinho do Salgueiro, a mais linda passista que Salgueiro já teve.

É uma sambista de ambientes pequenos, seletos, dos que conseguem identificar as nuances discretas das grandes cantoras. Leia mais »

Média: 3.7 (3 votos)

O dia em que o STF condenou as práticas de Sérgio Moro

Média: 4.6 (37 votos)

Caso Guimarães: a liberdade de expressão e o exercício da vendeta

eduguim_liberdade.jpg

É sintomática a maneira como alguns jornalistas tentam se prevalecer da condução coercitiva a que foi submetido o blogueiro Eduardo Guimarães. Endossam a arbitrariedade, um atentado evidente à liberdade de expressão – da qual nós, jornalistas, somos os principais defensores e beneficiários – meramente por uma questão pessoal: em algum momento sentiram-se atacados por Eduardo – que, saliente-se, não é figura fácil.

Mas não é a simpatia de Eduardo que está em jogo: é a liberdade de expressão.

O episódio é exemplo maiúsculo do tamanho minúsculo de pessoas que, por sua imagem pública, deveriam ser trincheiras da liberdade de expressão. Mostra o maior problema brasileiro, a ampla superficialidade e desconhecimento de pontos centrais da construção democrática. Mais que isso, é demonstração de uma mesquinharia, contra um adversário ameaçado, que conspira contra o caráter dessas pessoas. Como bem observou Hilde Angel, “as pessoas não gostam de quem tripudia” sobre a desgraça do adversário.

Leia mais »

Média: 4.8 (24 votos)

Xadrez de um governo à beira de um ataque de nervos

Nosso Xadrez está ficando interessantíssimo à medida em que o cenário político-jurídico chega na hora da verdade: o momento da Lava Jato encarar o poder de fato, aquele amálgama ideológico constituído pela mídia, setores do Ministério Público, Judiciário, sob o comando difuso da ideologia de mercado.

Até agora, era moleza, especialmente depois que Dilma Rousseff jogou a toalha, lá pelo primeiro minuto após o resultado das eleições de 2014.

Para facilitar o entendimento, vamos forçar a simplificação e dividir o jogo entre quatro forças distintas.

·      A frente de esquerdas, alvo da Lava Jato.

·      O sistema, composto pela mídia, parte do Judiciário e PSDB.

·      A ultra-direita, representada por MBL e assemelhados.

·      As Organizações Globo, como um poder à parte. Leia mais »

Média: 4.7 (44 votos)

Os procuradores preparando o ataque aos blogs

Leia, primeiro, a nota oficial dos procuradores da Lava Jato sobre o episódio Eduardo Guimarães, blogueiro levado para a Polícia Federal em condução coercitiva, em inquérito que visa levantar os responsáveis pelo vazamento das informações sobre a condução coercitiva de Lula em 2015.

A Nota é muito importante. Sem pretender, os procuradores passaram a receita do que pretendem:

Diz a Nota:

“As providências desta data não tiveram por objetivo identificar quem é a fonte do blogueiro, que já era conhecida, mas sim colher provas adicionais em relação a todos os envolvidos no prévio fornecimento das informações sigilosas aos investigados.

“O Ministério Público Federal reforça seu respeito ao livre exercício da imprensa, essencial à democracia. Reconhece ainda a importância do trabalho de interesse público desenvolvido por blogueiros e pela imprensa independente. Trata-se de atividade extremamente relevante para a população, que inclusive contribui para o controle social e o combate à corrupção”

Quem quiser que compre a versão, em que só faltou beijo na boca.

Mas vamos analisar a nota, ponto por ponto.

Leia mais »

Média: 4.5 (32 votos)

Hangout da Lava Jato preparando-se para o ataque aos blogs

P

Para assinantes, clique aqui.

Para assinar, clique aqui

Média: 4.4 (7 votos)

Com o caso Eduardo Guimarães, Moro atravessa o Rubicão

Vamos entender porque, para efeito da Lava Jato, o caso Eduardo Guimarães torna-se um divisor de águas – da mesma maneira que o episódio da condução coercitiva de Lula.

O episódio Lula, mais o vazamento dos grampos de Lula e Dilma, afastou de vez a presunção de isenção da Lava Jato e mostrou seu alinhamento com o golpe de Estado em curso.

A condução coercitiva de Eduardo Guimarães expõe de forma inédita o uso do poder pessoal arbitrário do juiz Sérgio Moro para retaliar adversários. Não se trata mais de disputa política, ideológica, de invocar as supinas virtudes da luta contra a corrupção para se blindar: da parte de Sérgio Moro, a operação atende a um desejo pessoal de vingança.

Leia mais »

Média: 4.8 (64 votos)

Xadrez da Carne Fraca no Estado de Exceção

Peça 1 – os policiais celebridades criados pela mídia

Este é o delegado Maurício Moscardi Grillo. É jovem, passou no concurso da Polícia Federal e é delegado há apenas cinco anos. E destoa dos colegas por dois pontos relevantes.

Primeiro, pelo exibicionismo. Ao contrário dos procuradores da Lava Jato, a PF sempre primou pela discrição. Grillo gosta dos holofotes, é boquirroto e cultiva frases de efeito, que possam repercutir na mídia.

Segundo, porque é um empreendedor de sucesso. Em 2015 inaugurou o San Marino Residence Hotel, em sua cidade, Bauru, mostrando uma desejável preocupação em garantir o futuro. É um prédio de quatro andares, de propriedade de uma empresa dele e da esposa, com capital social registrado de R$ 100 mil (https://goo.gl/ytIjUS).

Leia mais »

Média: 4.7 (47 votos)

Para assinantes: Hangout da Carne Fraca e do Estado de Exceção

Para assinantes, Hangout da Carne Franca e do Estado de Exceção

Para assinar, clique aqui.

Média: 5 (2 votos)

A palestra de Luís Nassif em Florianópolis

Evento ocorrido na sexta-feira à niote na Assembleia Legislativa de Santa Catarina.

Média: 4 (11 votos)

Barroso e o exercício da politicagem penal, por Maria Eduarda

Por Maria Eduarda Freire Alves, pelo Facebook

Desabafo:

O ministro Barroso, mais uma vez, fazendo politicagem da toga para os futuros “operados pelo Direito”, em suas viagens pelas universidades do Brasil...

O “Iluminista do Projac” fez um discurso marcadamente corporativista e ideológico, como lhe é de costume. 

Os argumentos não são novos...Em todo período de fascistização, recorre-se ao discurso MENTIROSO e FALACIOSO de que o direito penal irá acabar com a deliqûencia, como forma de justificar o Vale-Tudo punitivo, com a violação das garantias e direitos fundamentais daqueles que são eleitos “inimigos”. 

O discurso populista penal é caracterizado por uma simplificação da linguagem, que retira toda a complexidade dos fenômenos e toda a compreensibilidade da realidade, mas que parecem intuitivos para os intelectos empobrecidos do senso comum.  Leia mais »

Média: 4.8 (19 votos)

A lógica da publicidade programática

O GGN, assim como a maioria dos blogs e portais, tem contrato com o Google para a chamada publicidade programática.

Nesse tipo de publicidade, o Google tem sistemas automatizados que distribuem a publicidade pelos veículos de públicos homogêneos. É o caso de jornais, blogs de opinião e sites políticos. 

O GGN não tem nenhum contato direto ou contrato comercial com empresas que anunciam através do sistema Google

Média: 4 (4 votos)

A Carne Fraca e o reino dos imbecis

A Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, traz uma comprovação básica: o nível de emburrecimento nacional é invencível. O senso comum definitivamente se impôs nas discussões públicas. E não se trata apenas da atoarda que vem do Twitter e das redes sociais. O assustador é que órgãos centrais da República – como o Ministério Público, a Polícia Federal, o Judiciário – tornaram-se reféns do primarismo analítico.

Como é possível que concursos disputadíssimos tenham resultado em corporações tão obtusamente desinformadas, a ponto de não ter a menor sensibilidade para o chamado interesse nacional. Não estou julgando individualmente delegados ou procuradores. Conheço alguns de alto nível. Me refiro ao comportamento dessas forças enquanto corporação.

Tome-se o caso da Operação Carne Fraca.

A denúncia chegou há dois anos na ABIN (Agência Brasileira de Inteligência). O delator informou que a Secretaria de Vigilância Sanitária no Paraná tinha sido loteada para o PMDB. Levantaram-se provas de ilícitos em alguns frigoríficos. Leia mais »

Média: 4.6 (162 votos)

Xadrez para entender a operação Carne Fraca

Peça 1 – o ambiente interno na Polícia Federal

O maior erro de Dilma Rousseff foi a indicação de José Eduardo Cardozo para Ministro da Justiça. Os dois erros seguintes foram consequência natural do primeiro erro: a indicação do Procurador Geral da República Rodrigo Janot e do Diretor Geral da Polícia Federal Leandro Daiello Coimbra.

Aliás, o erro maior foi quando, pressionado por Gilmar Mendes, Lula afastou o delegado Paulo Lacerda do governo.

A Polícia Federal é composta por vários grupos políticos, sob muita influência do PSDB. Lacerda era o único delegado com liderança que se sobrepunha aos grupos e mantinha a corporação sob controle.

Quando Lula anunciou sua saída, a então Ministra-Chefe da Casa Civil Dilma Rousseff recebeu a visita desesperada do ex-Ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos para que convencesse Lula a não se desfazer de Lacerda, então na ABIN, sob risco de perda de controle da PF. Leia mais »

Média: 4.4 (141 votos)

A República do Paraná prepara-se para destruir outro setor econômico

carne_fraca.jpg

Algumas considerações sobre a operação contra a Friboi, BRF e outras:

  1. A ofensiva multinacional brasileira, no período Lula, deu-se em cinco  setores principais: empreiteiras, frigoríficos, siderúrgicas, bancos e petóleo, graças ao pré-sal.

  2. A Friboi não era, de fato, flor que se cheire. Mas entram outras, como a BRF, empresas que caminhavam para exercer hegemonia no poderossísimo mercado de carnes e alimentos.

  3. Corrupção em fiscalização sanitária é segredo de polichinelo, como me lembra um colega jornalista. Era uma arma engatilhada, pronta a ser sacada a qualquer momento contra o setor.

Média: 4.4 (64 votos)

Palestra e Sarau em Florianópolis

florianopolis1.jpg
 
Sarau
 
No sábado, a partir das 19 horas, haverá um Sarau do Blog no Baiacu Bar, 
 
 
Da Gazeta de Joinville
 
 
15 de março de 2017 Deixe um comentário
 
O responsável pelo principal blog político do país, o jornalista Luis Nassif vai proferir uma palestra sobre “A Crise Institucional no Brasil”. O evento vai acontecer no próximo dia 17 de março, às 19h, no auditório Antonieta de Barros, na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc). A palestra é iniciativa do Instituto Paulo Stuart Wright e UGC.

Leia mais »

Média: 5 (10 votos)

Xadrez da Previdência e a quadrilha que assumiu o poder

Peça 1 – os cabeças de planilha de Temer

Uma característica de todo economista neófito de governo são as propostas radicais, voluntariosas, a radicalização das medidas propostas, como se não houvesse limites sociais e políticos, e como se todas as soluções da economia dependessem apenas da força de vontade e quanto mais radicais, mais virtuosas.

São ignorantes na análise do tempo político ou mesmo nos efeitos de medidas radicais sobre o ambiente econômico e social. Todos acreditam na fada das expectativas positivas – basta mostrarem firmeza que os agentes econômicos acreditarão e da fé nascerão os investimentos.

No governo Dilma, o exemplo acabado foi Joaquim Levy e seu pacote radical que permitiria a superação da crise em três meses. Leia mais »

Média: 4.6 (34 votos)

Carlinhos Cachoeira condenado a 6 anos de prisão

Cachoeira

Do MPF - GO
 

A denúncia do MPF/GO derivou de investigação policial levada a cabo na chamada operação Monte Carlo Leia mais »

Média: 3.3 (3 votos)

Como se fabrica o déficit e outros mitos da reforma da Previdência, por Luis Nassif

previdencia_social_2_1.jpg

Jornal GGN - Utilizado à exaustão para justificar a reforma da Previdência pelo governo Temer, o chamado déficit é historicamente fabricado. Em hangout disponível em um dos canais do GGN no Youtube, Luis Nassif explica como o governo faz malabarismos com números para criar o conceito de déficit. 

Tudo começa quando criaram a Constituição e estabeleceram o benefício de prestação continuada e outros direitos sociais concedidos a trabalhadores do campo e outras previsões. Os constituintes definiram a forma de financiamento da seguridade social - uma parte deve sair do bolso do trabalhador e do empresário (com descontos na folha de pagamento) e a outra parte, do governo, que desvia uma série de impostos para formar esse caixa.

A ideia de déficit é fabricada pegando todos os setores que são contemplados com a aposentadoria, inclusive os que estão livres de tributação, como os servidores de igrejas e outros subsidiários, e inserem no mesmo pacote em que é aferido apenas a contribuição de empresas e trabalhadores contribuintes, excluindo os impostos captados pelo governo. "Esse déficit é falso", diz Nassif.

O segundo mito é que a reforma da Previdência vai atrair imediatamente investimentos privados. "Mentira. O impacto inicial de uma reforma da Previdência é maior sobre as contas da Previdência, porque todo mundo sairá correndo para antecipar a aposentadoria."

Leia mais »

Média: 4.3 (22 votos)

Estadão ensina como utilizar a pós-verdade nas manchetes

A manchete bombástica do Estadão baseia-se no seguintes trecho da reportagem:

A Moro, o delegado negou que a PF tenha sido alvo de intervenções do Planalto enquanto esteve no cargo, entre 2003 e 2007. No entanto, revelou ter sido procurado por agentes políticos. “Um ou outro parlamentar às vezes pedia audiência na Polícia Federal e queria indicar o servidor para este ou aquele cargo. Normalmente, um superintendente regional. Vinha conversar comigo e eu dizia que isso não seria possível porque eu já havia acertado com o ministro Márcio Thomaz Bastos (Justiça) e com o presidente Lula, que não haveira interferência”, relatou.

Média: 4.7 (11 votos)

Xadrez da Lista de Janot

Não se iluda com a abrangência da lista de Janot. Espere para analisar melhor o teor das denúncias,para saber se, afinal, o pau que dá em Chico dá também em Chico.

O mais provável é que, como o Ministério Público Federal (MPF) tornou-se irreversivelmente uma corporação política e partidária, provavelmente a inclusão de alguns caciques aliados na lista visa apenas cumprir o formalismo, da mesma maneira que o STF (Supremo Tribunal Federal) quando endossou os procedimentos do impeachment.

Em alguns momentos, há a necessidade de respingos de formalidade para legitimar os esbirros adotados em todo o processo.

Leia mais »

Áudio

You are missing some Flash content that should appear here! Perhaps your browser cannot display it, or maybe it did not initialize correctly.

Média: 4.8 (19 votos)

Xadrez do TSE, Temer e os bodes expiatórios

A lista da Odebrecht e demais empreiteiras está gerando duas estratégias do chamado fogo de encontro.

A primeira, o contragolpe de Michel Temer, para impedir sua cassação, com duas etapas bastante nítidas.

Primeiro, a imprensa solta um conjunto de reportagens tentando construir um clima de otimismo. Depois, martela-se na tecla que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não poderia impichar Temer para não expor o país a nova crise política e econômica.

A segunda estratégia em andamento é a do PSDB paulista – que tem dois notáveis nas delações (José Serra e Geraldo Alckmin). Consistirá em encontrar um bode expiatório no Tribunal de Contas do Estado (TCE), repetindo a estratégia de despiste do caso Alstom.

Leia mais »

Média: 4.6 (39 votos)

Xadrez da construção de um projeto nacional

Peça 1 – os grupos que procuram projetos alternativos

Há uma certa dissintonia entre os diversos grupos dito progressistas, na hora de definir o que seria um projeto alternativo de país. Lembra um pouco a fábula dos 7 cegos e o elefante, cada qual apalpando um pedaço do bicho e julgando que seu formato correspondesse ao pedaço alisado.

Falta ainda uma visão mais sistêmica sobre o significado de um projeto para o país, algo que junte todas as pontas dentro da melhor arquitetura social e econômica.

Grosso modo, a visão alternativa está sendo perseguida pelos seguintes grupos:

Os direitos humanos

Grupo que considera que a principal responsabilidade do Estado é com a inclusão social e regional. Entram aí sociólogos de esquerda, movimentos sociais e toda aquela legião de pensadores que, até o golpe, haviam transformado o Brasil em um país relativamente menos injusto. E que não admitem o retrocesso de nenhum direito conquistado. Leia mais »

Média: 4.4 (27 votos)

O caso Karnal-Moro, os intelectuais e as tentações midiáticas, por Luís Nassif

Não há veneno maior para o caráter, suborno maior de pessoas do que a perspectiva de se tornar celebridade, a pessoa que, levada por Mefistófeles, chega ao Olimpo da mídia de massa e imagina que se torna um semideus.

Ministros vetustos do Supremo ou juízes provincianos, intelectuais sólidos ou enganadores, jornalistas jovens ou veteranos, empresários, socialites, poucos escapam à   sedução da mass-mídia. E com as redes sociais e a facilidade extrema de difundir mensagens, a busca da fama instantânea se tornou doença universal.

Como esquecer o rosto do decano Celso de Mello, deslumbrado como uma jovem debutante ao ser filmado em um shopping por um fã sedenta de justiça? Ou o Procurador Geral da República posando para uma foto com um cartaz na mão e um sorriso bobo na boca? Ou o jovem procurador montando um power point com a mesma intenção da atriz de festival de cinema mostrando pernas e busto: atrás do fato inusitado capaz de disputar manchetes? Leia mais »

Média: 4.7 (56 votos)

O governo da meritocracia não quer competição escolar

Por Luis Nassif

Esqueça a discussão entre modelos de governo, a ilusão de que o governo Temer é uma alternativa liberal a um suposto modelo intervencionista petista.

Com Fernando Haddad, o MEC (Ministério da Educação) instituiu uma competição de mercado, ao definir o ENEM com divulgação de classificação entre as escolas.

Agora, é  óbvia a intenção do Ministério da Educação de eliminar a classificação das escolas no ENEM.

Leia mais »

Média: 4.4 (20 votos)

O Xadrez dos economistas que inventaram a recessão

3,6% de queda do PIB em 2016 não é culpa de Dilma Rousseff. Arriscaria a dizer que nem é culpa de Michel Temer. Quem levou o país à maior recessão desde 1930 é uma subciência econômica, uma submissão atrasada a um pensamento econômico equivocado, raso, que transformou o conhecimento científico em matéria de fé, abolindo princípios básicos de uma economia de mercado.

A culpa de Dilma e Temer foi a da semi-ignorância de uma, da ignorância ampla de outro, deixando a condução do país nas mãos de técnicos e Ministros de pequena estatura, escasso conhecimento geral.

A tragédia brasileira pós-redemocratização é fruto direto da ação deletéria dos economistas brasileiros, alguns com interesses financeiros explícitos – como a geração do Plano Real -, outros com a ignorância fatal dos falsos especialistas, os que confiam cegamente em respostas de manuais, com total incapacidade de enxergar o todo.

Leia mais »

Média: 4.3 (46 votos)