Fim da aposentadoria capitalizada é uma das lutas das manifestações no Chile

Entre os gritos e demandas das vozes das ruas, nestes últimos três dias de fortes mobilizações sociais, as chamadas AFPs (Administradoras de Fundos de Pensões) são uma das reivindicações

Manifestante na embaixada do Chile em São Paulo, pedindo o fim do sistema de aposentadoria chileno - Foto: Nacho Lemus

Jornal GGN – As mobilizações que tomaram conta das ruas no Chile tiveram início com o aumento do preço das passagens do Metrô, mas com a falta de diálogo do governo e a truculências das forças de Segurança, as pautas se estenderam, questionando todo o modelo neoliberal instalado no país, incluindo pilares básicos da sociedade, como saúde e educação públicas, e o alto custo de vida que obriga a população a se endividar para ter acesso.

Entre os gritos e demandas das vozes das ruas, nestes últimos três dias de fortes mobilizações sociais, o sistema capitalizado da aposentadoria no Chile, as chamadas AFPs (Administradoras de Fundos de Pensões), são uma das reivindicações. O que se questiona é o modelo de capitalização de pensões por contas individuais, trazido por estudantes de economia chilenos da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, que fracassou.

LEIA A COBERTURA COMPLETA #OEXEMPLODOCHILE

O sistema que deixou 930 mil aposentados na faixa da pobreza do país, sendo que 80% deles hoje se mantêm com menos de um salário mínimo, 44% abaixo da linha da pobreza, foi usado como inspiração para o ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, elaborar a proposta da reforma da Previdência, que com algumas mudanças está sendo votada no Congresso.

O GGN investigou, com profundidade, ao longo de dois meses como funciona este modelo no país que já carrega mais de 40 anos de experiência e os efeitos dessa mudança. Contamos os detalhes deste cenário no especial #OExemplodoChile, com reportagens que se debruçaram na implementação do neoliberalismo no país, em plena ditadura do regime militar de Augusto Pinochet, desembocando em uma de suas reformas, a da Previdência.

Leia também:  O exemplo argentino, por Santiago Gómez

Além das reportagens, preparamos um documentário dessa investigação, que pode ser acompanhado abaixo:

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome