À TV Globo. O azar do Moro é que o juiz do XVIDEO não será ele, por Armando Coelho Neto

Moro perdeu a briga com Bozo, que lhe deu uma rasteira antes que produzisse provas contra ele. Depois de perder COAF, PF e juiz de garantias, teve direito à música no Fantástico.

À TV Globo. O azar do Moro é que o juiz do XVIDEO não será ele

por Armando Rodrigues Coelho Neto

Eis o tipo de embate no qual a gente torce para que os dois percam. Não dá para Sérgio Moro perder sem o Bozo ganhar. O inverso é verdadeiro. De quebra, quem perder leva a Rede Globo junto. Aliás, não tem vitória numa guerra na qual o general Mourão (a tecla SAP do tenente reformado) pode assumir a presidência da República.

Com o cabaré pegando fogo tenho até dado “audienciazinha” ao JN do Bonner, só para ver Bozo apanhar. Claro! Pago o mico de ver a Globo tentando por Moro de volta ao trono de barro. Mas, é impagável ver o marreco do outro lado da mesa, sem cetro e coroa.

A Globo, durante a campanha eleitoral, tentou engabelar o maculo (é maculo mesmo) do Bozo, com aquela história de que ele apoiou a ditadura. Aí, teve que ouvir dele em alto e bom som: “vocês também apoiaram. Qual o problema?”.

A Globo elevou Moro à condição de herói Zé Roela nacional, ignorando todas as ilegalidades que ele cometeu na Farsa Jato. Sádico, Moro prendeu gente dentro de hospital. Se a prisão fosse necessária, seria mantida. Como era espetáculo, reconsiderou após clamor social.

Moro mandou conduzir coercitivamente o ex-presidente Lula, absolutamente fora da Lei. Lula ficou horas numa sala de aeroporto, enquanto o helicóptero da PF ficou ligado, de portas abertas, alimentando a audiência da Globo. Enquanto isso, “especialistas” especulavam se Lula iria ou não para Curitiba, recapitulando supostos crimes de Lula.

O ex-juiz, em visível truque de marketing, usava preto. Rápido nas sentenças, conseguiu escrever em dois minutos mais de 160 páginas, contra um dos réus da Farsa Jato. Era nítido sinal de que palavra alguma sequer da defesa seria apreciada. Mas, era bajulado por juristas ouvidos pela Globo.

Sem provas, Moro prendeu Lula. Com ajuda de matéria da Globo, claro! Ciente de seus atos ilegais, junto com procuradores da República, tentou criar seu próprio AI-5. Não colou nem antes nem depois. Seus parceiros de Curitiba sugeriram métodos nazistas para detectar corruptos. Globo, Moro e Bozo gostaram.

Leia também:  Cresce pressão pela saída de Ernesto Araújo

Moro estava de férias e já não atuava em processo. Mas, junto com a PF, a ordem legal de um desembargador foi desobedecida. Detalhe: desembargador de plantão era autoridade máxima no dia. A decisão poderia até ser revista. Mas a ordem era legal e soberana, até então. Globo e Bozo estão surpresos com o quê?

Ainda na Farsa Jato, liberou uma delação premiada sem qualquer valor jurídico ou probatório. Portanto, acabou influenciando no resultado das eleições. Para a Globo, nada tirano, ditatorial, insano, mas sim constitucional, democrático, republicano.

Apesar disso, Bozo, preocupado com sua hemorroida, levou para sua trincheira o tal ex-juiz.

Bozo tinha/tem seu nome associado às milícias. Moro sempre soube. Mas, aceitou compor com Bozo, sob críticas da comunidade jurídica, política internacional civilizada. Para a Globo, nada demais. Como dizia vovó: “Quem com porco se mistura farelo come”. Deixo ao leitor deduzir quem era porco ou farelo.

A Globo ignorou as denúncias do The Intercept Brasil. “InFux we trust”, indicação de testemunha, interferência na cronologia de operações, áudios editados para incriminar Lula/Dilma. O projeto de poder da República de Curitiba foi posto nu. Era um conluio entre juiz, PF, Ministério Público do Brasil e da Suíça, com uma pitada do Departamento de Justiça Americano, entre outras “cositas” mais.

O importante era a cor de nossa bandeira! Rolou até uma grana para criar uma fundação, que seria o Criança Esperança da Farsa Jato. Os gestores seriam membros da força tarefa, um jeton de R$ 2,5 bilhões que, de tão anômala, foi bloqueado pela Justiça. Globo, Moro, Bozo, óóó!

Leia também:  Wassef diz guardar provas de relação com Bolsonaro

Como pior ministro da Justiça da História Nacional, Moro foi omisso, silente sobre suspeitas em volta do seu chefe. Calou sobre a queima de arquivo numa estúpida operação policial na Bahia. Motim policial no Ceará? Repercussão interestadual? Suspeitas de infiltração de milícia? Com Moro, as operações da PF tiveram queda drástica. A Globo não disse, Bozo nem notou, preocupado em proteger amigos e familiares no Rio…

Os delegados da PF, hoje caladinhos, formalmente acusaram Moro de violar o ordenamento jurídico, criar risco de nulidade de investigações, permitir usurpação de funções da PF. Criou animosidades entre PF, Polícia Rodoviária Federal e Ministério Público.

Gestão pífia, Moro tentou tirar proveito das maquiadas estatísticas sobre a violência. A queda da violência caiu na mesma proporção da quebra de lixeiras em São Paulo na gestão Haddad. A violência e a quebra de lixeiras caíram depois da eleição. Como assim? Moro apoiou Dória (2016) e pararam de quebrar lixeiras. Coisa de vândalos? Moro apoiou Bozo (2018) caiu a violência. Coisa de milícias?

Uma radiografia dos abusos da Farsa Jato desqualifica Moro, que apoiado pela Globo apoiou Bozo, o qual hoje encontra-se enrolado até o pescoço. Bozo não entrega seu telefone porque o juiz não é Moro, que ilegalmente divulgou conversa da Presidenta Dilma Rousseff.

Tanto Globo quanto Bozo e Moro sabem que houve golpe com Supremo e tudo. Bozo sabe que a eleição foi fraude, tem prova mas não mostra. Bozo sabe até quem mandou matá-lo, como sabe como quem matou o pai do presidente da OAB. Bozo tem um serviço de informação particular que funciona. Aparentemente o único em que realmente funciona e ele confia.

Como disse o jurista Lenio Streck, se Moro prova o que denunciou do Bozo, auto incrimina-se. Se Bozo fez o que Moro disse, Moro sabia. Se sabia e nada fez Moro cometeu crime.

Leia também:  Contestação de Aras coloca Lava-Jato em ponto crítico

Moro perdeu a briga com Bozo, que lhe deu uma rasteira antes que produzisse provas contra ele. Depois de perder COAF, PF e juiz de garantias, teve direito à música no Fantástico.

Moro não é mais juiz para condenar Bozo fundamentado em deduções, ilações, atos difusos, aleatórios, convicções.  Já não pode prender para obter confissões. Bozo quer fechar o STF, pode até prender Moro, cassar a concessão da Globo…

Estivesse o Brasil numa democracia, Bozo cairia muito mais pelo XVÍDEO em si, liberado pelo STF, do que pelo valor probante que Moro e Globo querem dar a ele.

Eis, pois, o tipo de embate no qual a gente torce para que os três percam, e que das cinzas renasça o Brasil fraterno, solidário, com justiça social.

Armando Rodrigues Coelho Neto – jornalista, delegado aposentado da Polícia Federal, ex-integrante da Interpol em São Paulo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

11 comentários

  1. Sim, a gente torce pela derrocada de moro, bozo, globo, e, acrescento, filhos, séquito governamental (que se aproveita de tragedias para criar decretos que legalizem fraudes e roubos ou seja “passar a boiada”), também as religiões neopentecostais com seus falsos “pastores”, “bispos”, “apostolos” e outras excrescências. Torcemos que os tribunais julguem e punam rápida e exemplarmente quem vem se aproveitando da democracia para destruí-la.
    Contudo, em relação ao retorno do Brasil à normalidade social e a civilidade, como espera o articulista, receio que levaremos algumas décadas, pois a fratura imposta ao país por este desgoverno ignóbil é monstruosa.
    E estimo ‘ALGUMAS’ décadas se falhar a tentativa de transformar o país numa republiqueta de assassinos e escroques como foi manifestado na reunião divulgada por determinação do STF. Se ocorrer o contrário, se vingar esta tentativa, levaremos MUITAS décadas para nos recuperarmos e enterraremos tantos corpos que os milhares de brasileiros, cujas vidas estão sendo ceifadas nesta pandemia, não irão configurar nossa maior tragédia neste século.

    • “A fratura imposta ao país” é uma fratura exposta portanto bem mais dificil de cuidar e com mais sequelas.
      Eu já vivi muito e não pensei que veria algo tão violento como ISSO, o que dá um certo desanimo quanto à a esperança que tinhamos de continuar o trabalho que vinha sendo feito em prol da valorização do nosso país, do nosso povo. Resta-nos a tarefa de cuidarmos das nossas crianças para voltarmos a ter esperança. Realmente estou começando a ficar pessimista.

  2. Texto excelente, análise completa…sem retoques, eu tb estou na torcida para que os três se f….
    Não tem preço assistir a derrocada final do “herói Zé
    Roela”

    “Eis, pois, o tipo de embate no qual a gente torce para que os três percam, e que das cinzas renasça o Brasil fraterno, solidário, com justiça social.”

  3. O Brasil só terá jeito qdo, Moro, Globo e Bozo forem processados e punidos, coisa difícil de acontecer nesse país hipócrita.

  4. A esperança em dias felizes como já os tivemos, não acredito mais. Sinto pela impotência que temos. O melhor jeito é enfraquecer todos eles até caírem. Globo não dou IBOPE. Rejeito! Sujumoro já se lascou. Falta o julgamento da sua parcialidade! Bozoasno vai ter o dele brevemente, mas o estrago que os três fizeram, será irrecuperável nesta década! Triste! O Brasil do meu neto será ainda mais difícil!

  5. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome