Autocrítica do PT? O Brasil suporta um novo Moro, patriotas?, por Armando Coelho Neto

Autocrítica da grande mídia? Nem pensar, esconde a forme e expõe o falso moralismo. Das Forças Armadas? Não, protege a elite. O STF tem novo lobo de plantão

Autocrítica do PT? O Brasil suporta um novo Moro, patriotas?

por Armando Rodrigues Coelho Neto

O conluio EUA, Justiça Federal de Curitiba com a mídia corporativa promoveu a destruição da democracia. Essa é uma afirmação mais do mesmo, mas serve para lembrar o círculo vicioso da Farsa Jato: a Justiça por meio da mídia forma a opinião pública, e depois finge ser obrigada a decidir “conforme a opinião pública”.

A elite que encarnou o conluio abriu caminho para o fascismo. Rompeu a ordem democrática derrubando Dilma e passou a pedir autocrítica do Partido dos Trabalhadores. Mas, elite, mídia, nem Justiça, como diz Lula, nunca pediram a FHC para fazer autocrítica, nem à direita como um todo que governou o país por 500 anos.

Enquanto cobram autocrítica do PT, reeditam a justiça espetáculo-politizado nas ainda nebulosas ações do juiz Bretas, no Rio de Janeiro, e toma o lugar do ex-tiranete de Curitiba (que hoje rói unhas, range dentes, mas não morde, só uiva)! Está na geladeira, “guardado por Deus contando o vil metal”, como na canção de Belchior.

Há tempos não conversava com meus botões (1). Estava a pensar sobre esse quadro, quando um deles disse que, se a juristocracia realmente houvesse avançado um milímetro que fosse em sua autocrítica, evitaria que Bretas se tornasse um novo Moro. A justiça caminha para o mesmo lamaçal das Forças Armadas.

Sobre as Forças Armadas, já o dissemos aqui. Sempre conviveu com a corrupção das elites, só se insurgiu duas vezes na história, diante de dois projetos populares. Nas Reformas de Base que Jango tentou implantar e quando Lula/Dilma levou pobres para os açougues, faculdades e aeroportos. Aí, viram corrupção. É mole?

Leia também:  Lula, Ciro e a unidade no primeiro turno, por Ricardo Cappelli

Quanto à Justiça, o site The Intercept mostrou o que lubrifica a judicialização da política. Por meios de aliados, promovem o intercâmbio de informações com autoridades estrangeiras ao arrepio da lei em prejuízo do interesse econômico nacional etc. No ar, a pergunta: por que ministros do STF rasgaram biografias?

Caos jurídico, político e econômico criado, ai do juiz, do desembargador ou do ministro que ouse desafiar a opinião da Farsa Jato! Ai do senador, do deputado… do conselheiro da OAB, do delegado…  Há nisso um espectro de covardia de muitos que, temerosos de serem confundidos com corruptos, quedam em silêncio.

Para outros, os fins justificavam, justificam os meios, mesmo espúrios. Meios que só olhares críticos da democracia ou da área do direito conseguem ver. Para a elite cúmplice, tudo bem. Pode até roubar, delatar, ajudar a quadrilha do poder e ainda sair com uma boa grana para viver em paz em qualquer lugar do planeta.

Sob império da covardia, floresceu a aliança satânica evangélico-miliciana-ruralista. Esta tomou a si todas as demais fragilidades, valendo-se de expedientes igualmente ignóbeis. Tomou a si o temor do banditismo e instituiu o controle territorial mafioso do gatonet, hidrogato, gatoluz, gatogás, gatobus, da ocupação imobiliária.

Mais que isso, a máfia tomou para si o desespero familiar e instituiu o controle espiritual, através de um delírio religioso-capitalista, onde o dízimo não é solidariedade, mas “investimento” que traz prosperidade individual. Tomou para si as insuficiências do sistema representativo para solapar a democracia.

Entrou em campo o fazer política por meio do discurso da antipolítica. Tomou a si a manipulação odiosa da mídia para substituí-la por uma rede sistemática de mentiras, falando meias verdades. Rede Globo! Tomou a si a incapacidade de o capitalismo converter a ciência em conquistas sociais, para ofertar a anticiência, antivacina…

Leia também:  Rede Inclusão: uma proposta de projeto de governo municipal para a Inclusão Social, por Ion de Andrade

A pandemia que já levou mais de 130 mil vidas não provocou nem empatia nem autocrítica, de forma que cloroquina, vermífugo, ozônio introduzido por estranhos canais retais surgiram como “solução” milagrosa para todos os males, capazes salvar até CNPJ. Assim, ai de quem não for “fiel”, “patriota”, “crédulo no tio do zap”…

Há uma disputa entre covardes, na qual ganha o mais abjeto, o mais mesquinho, o mais mentiroso, o que mais capacidade tiver de manipular, perseguir e mentir.

Cadê a coragem e autocrítica das elites? Sobretudo a coragem de invocar a ciência, de elevar o debate, de resgatar a Lei, de ser racional, de não arranjar ou desmascarar inimigos imaginários? Cadê coragem para desafiar o senso comum, de não usar de atalhos e meias verdades, de ser profundo, sincero e leal?

Cadê a coragem para enfrentar a máfia das igrejas que acovarda a sociedade? Acabaram de permitir que igrejas se apropriassem do dinheiro roubado do povo. Sim, são pelo menos 30 milhões de votos, o que desloca a reflexão para o campo moral, político e jurídico. Coragem? Mas, é o PT que precisa de autocrítica, né?

A revista Crusoé acaba de revelar planilhas secretas da OAS, no qual procuradores da Lava Jato encontraram o registro de repasse contabilizado como “reforma casa Dias Toffoli”. Verdade? Autocrítica do Judiciário? Não, não só do PT.

A justiça, por opção ou coação, tomou para si a justa bandeira de combate à corrupção e passou a manipular a sociedade inteira. Com um novo encantador de burros, alegra ignorantes na área do Direito, dando selo de garantia à destruição do ordenamento jurídico nacional. Há que se abrir os olhos para a nova Curitiba.

Leia também:  Ala militar silencia enquanto perde posto de ‘garantidor’ do governo Bolsonaro

O selo Moro/Bretas obriga o cidadão a apoiar, a qualquer custo, medidas contra a corrupção – nelas incluídas delações casuísticas sob privação da liberdade, coação de testemunhas, vazamento para a imprensa, criminalização da defesa e da advocacia. A invasão do escritório de Cristiano Zanin Martins ilustra bem isso.

Com propriedade, um jornalista da Bandeirantes trouxe a baila um sério questionamento. Se há compra de sentenças no STJ/RJ, tem vendedores. Se há vendedores são desembargadores. Como pode um juiz de primeira instância investigar desembargadores? Covardia, chantagem, silêncio.

A reedição do conluio midiático contempla a exposição pública de pessoas inocentes, compra e venda de versões, liberação de corruptos/corruptores com grana na entrega de listas parciais e alívio para não melindrar certos delinquentes (quem sabe futuros aliados, como disse um notório rábula justiceiro).

Autocrítica da grande mídia? Nem pensar, esconde a forme e expõe o falso moralismo. Das Forças Armadas? Não, protege a elite. O STF tem novo lobo de plantão, que é deles, enquanto no Rio de Janeiro… Resta saber se o Brasil sobrevive a um novo Moro, mais bolsonarista ainda… Autocrítica só do PT.

Armando Rodrigues Coelho Neto – jornalista, delegado aposentado da Polícia Federal e ex-representante da Interpol em São Paulo.

(1) https://jornalggn.com.br/artigos/notas-insolitas-sobre-bozo-globo-moro-et-caterva-e-la-covid-va-por-armando-coelho-neto/

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

11 comentários

  1. 40 anos de Redemocracia? 30 anos de Constituição Cidadã. 1/4 de século governado por Partidos Progressistas? STF praticamente todo indicado por tais Partidos. E o Estado Brasileiro é este lixo descrito na Matéria? Onde estava a Polícia Federal e Interpol enquanto estes criminosos faziam e compactuavam tudo isto? Dias Toffolli foi indicação ao STF por parte do PT, por ter sido Advogado deste Partido. Era esta a Luta Socializante AntiCapitalista? Até quando estes discursos tão medíocres…Pobre país rico. Como Fracassados fizeram fracassar uma Nação? É preciso desenhar ainda? Mas de muito fácil explicação.

    1
    23
  2. Nassif: dos seus articulistas no GGN parece que só Armandinho (permita!) tira “Coelho” da Cartola. Não que os outros não sejam bons. Pelo contrário. Tem gente até melhor. Mas com aquela linguagem ora acadêmica, ora intelectualizada, atrapalhando o raciocínio simples e plano de nós do Povo. Ele vai fundo. Trata das coisas etéreas, traduzindo-as para o palavreado “povoquês”. Só assim conseguimos penetrar no submundo das Elites e dos VerdeSauvas (braço armado dessa fatia social), “garantes” de todas as safadezas e maracutaias (desse 1889) existentes em Pindorama. E não poupa palavras. Gorica, essa “tiranete”, que não via há muitos anos, mostra que o TogaSuja, na verdade, é uma reserva “moral” dos milicos Verdes (acompanhados de alguns Azuis), pronto pra ser sacado da manga da camisa, no jogo político onde a deslealdade com os cidadãos é uma constante. Essa da “autocrítica”, então, é a pérola da coroa. Logíco, a grande mídia, os milicos, empresários safados e políticos corruptos estes estão fora da “autocrítica”. A insensibilidade moral impede qualquer ato de decência. Pena que não tocou nos “avivados dizimistas”. Mas acho que logologo ele chega lá. Hoje, é impossível falar da desgraça popular sem analisar a participação desses “PastoresDaNoite”, explorando a boafé de seu rebanho. Espero apareçam outros, com semelhante maestria em mostrar que “o Rei está nú”…

    13
  3. Diz lá no twitter da Revista Crusoé que:
    A APURAÇÃO SOBRE A LIGAÇÃO DE TOFFOLI COM A ODEBRECHT E A OAS
    Crusoé teve acesso à íntegra da investigação que apura o elo do ministro do STF com as empreiteiras.

  4. Desejar um Brasil melhor e justo é luta mortal…
    para o judiciário brasileiro, cuidar de nós, cidadãos, é nos enterrar confiantes e esperançosos

    felizes futuras gerações, pois já nascerão mortas

  5. “No ar, a pergunta: por que ministros do STF rasgaram biografias?”

    A resposta vale um milhão. Armando, sempre bem informado, faz as perguntas certas. Seguindo talvez a sabedoria chinesa, ele deixa no ar o óbvio, sem no entanto cravar a resposta. Como se dissesse: ainda é cedo; mas logo adiante saberemos.

    Dá para entender que ele fala de covardia. É a palavra-chave do artigo. Por que algumas pessoas são covardes?

    Elas são covardes por natureza ou tornam-se covardes por não poderem mais – em razão de certas circunstâncias – defender a verdade?

    E por que não podem mais defender a verdade?

    Não deixa de ser emblemático que a covardia seja um defeito que atinge mais os ministros indicados por Lula e Dilma do que os indicados pelos presidentes anteriores.

    Será que Lula e Dilma, cuja vida é marcada pela coragem de enfrentar os poderosos, se enganaram indicando pessoas covardes? Ou será que houve algo que ainda não sabemos para que a coragem tenha cedido seu lugar à covardia?

  6. “No ar, a pergunta: por que ministros do STF rasgaram biografias?”

    A resposta vale um milhão. Armando, sempre bem informado, faz as perguntas certas. Seguindo talvez a sabedoria chinesa, ele deixa no ar o óbvio, sem no entanto cravar a resposta. Como se dissesse: ainda é cedo; mas logo adiante saberemos.

    Dá para entender que ele fala de covardia. É a palavra-chave do artigo. Por que algumas pessoas são covardes?

    Elas são covardes por natureza ou tornam-se covardes por não poderem mais – em razão de certas circunstâncias – defender a verdade?

    E por que não podem mais defender a verdade?

    Não deixa de ser emblemático que a covardia seja um defeito que atinge mais os ministros indicados por Lula e Dilma do que os indicados pelos presidentes anteriores.

    Será que Lula e Dilma, cuja vida é marcada pela coragem de enfrentar os poderosos, se enganaram indicando pessoas covardes? Ou será que houve algo que ainda não sabemos para que a coragem tenha cedido seu lugar à covardia?

  7. Outra sabedoria milenar…
    ninguém deve ser castigado publicamente por desconhecer o lado verdadeiro das pessoas, no caso, de juízes

    principalmente quando não é de sua obrigação conhecer

    • Peregrino: genericamente, concordo com você nessa óptica de “não conhecer o outro”. Dependendo, nem a nós mesmos conhecemos. Mas em se tratando de política-social-jurídica-econômica (pelo menos em Pindorama) o papo é outro. Específico. Tudo bem, o SapoBarbudo tinha que seguir pianinho na trilha (pelo menos até 2005), que os VerdeSaúvas estavam doidinhos pra jantá-lo (Sapo à Milanesa; sem tirar a barba), regado a Bourbon, servido pelo meliante PríncipeParisiense. Quanto a Presidenta, o machismo dos aquartelados tava na cara. Mas parece que eles foram mau assessorados nesse quesito de selecionor os do Çúpremo, a começar do Morcegão, que não fosse o CarrascoDeDiamantino ter-lhe dado um passa-moleque teva lá até hoje. Apesar de haver sido substituido. As hipóteses mais plausíveis são que ou os caras se cagam de medo do Cabo e do Sargento que montam guarda na porta ou têm telhado de vidro ou foram seduzidos pelo “CantoDa$ereia”. Porque não é possível tanta covardia e omissão dos Magistrados…

  8. TEXTO EXCELENTE!

    “Há uma disputa entre covardes, na qual ganha o mais abjeto, o mais mesquinho, o mais mentiroso, o que mais capacidade tiver de manipular, perseguir e mentir.”
    “Cadê a coragem e autocrítica das elites?”…
    “Mas, é o PT que precisa de autocrítica, né?”…

    INDIGNAÇÃO É POUCO… pois com toda essa sujeiradas das ELITES, apenas o PT tem que fazer AUTOCRÍTICA… sim senhor, quem manda LULA/DILMA/PT, ousar, fazer um pouco de justiça social , inclusão, etc ?!

    Até o próximo…

  9. Amigo Armando! Ai! Quanta saudade do nosso genial escritor moralista: Nelson Rodrigues. A moral-imoral dos tempos “bolsonaristas” causa-me um tanto de asco e quase vômito. Nelson Rodrigues, que admiro como novelista e escritor, conservador respeitável, deve estar revoltado com tanta e tonta putrefação dos conceitos moralistas. Vamos fazer o seguinte: “Vou me matar e daqui a pouco eu volto”. Melhor dormir, talvez sonhar. Um beijo.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome